Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 22 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Corregedoria mira suposta negociação de juízes do Pará com ex-prefeito



19/07/2019 | 21:17


O corregedor nacional de Justiça, ministro Humberto Martins, instaurou procedimento para acompanhar a investigação disciplinar da Corregedoria-Geral de Justiça do Pará sobre dois juízes que, supostamente, teriam participado de uma negociação de sentença.

A desembargadora Maria de Nazaré Saavedra Guimarães, do Tribunal de Justiça do Pará, determinou na terça-feira, 16, a abertura de uma sindicância administrativa sobre conduta atribuída aos juízes Raimundo Moisés Alves Flexa e Marco Antônio Lobo Castelo Branco.

O caso foi encaminhado para a juíza Rubilene Silva Rosário, que terá 30 dias para finalizar a investigação.

Segundo nota da Corregedoria Nacional de Justiça, os magistrados teriam participado de uma suposta negociação com o ex-prefeito do município de Santa Luzia do Pará, Adamor Aires.

Com cerca de 20 mil habitantes, Santa Luzia fica a 170 quilômetros de Belém.

Gravações atribuídas aos magistrados apontam indícios de que o ex-prefeito recorreu aos juízes com o objetivo de evitar condenação junto ao Tribunal Regional Eleitoral, em 2014.

Para o ministro, o acompanhamento da sindicância por parte da Corregedoria Nacional é necessário por causa da competência disciplinar concorrente do órgão.

O Tribunal de Justiça do Pará terá 5 dias para prestar informações sobre a investigação em curso e 60 dias para apresentar as conclusões do procedimento.

Defesas

A reportagem tenta contato com ex-prefeito Adamor Aires e com a Assessoria de Imprensa do Tribunal de Justiça do Pará, mas ainda não obteve retorno.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Corregedoria mira suposta negociação de juízes do Pará com ex-prefeito


19/07/2019 | 21:17


O corregedor nacional de Justiça, ministro Humberto Martins, instaurou procedimento para acompanhar a investigação disciplinar da Corregedoria-Geral de Justiça do Pará sobre dois juízes que, supostamente, teriam participado de uma negociação de sentença.

A desembargadora Maria de Nazaré Saavedra Guimarães, do Tribunal de Justiça do Pará, determinou na terça-feira, 16, a abertura de uma sindicância administrativa sobre conduta atribuída aos juízes Raimundo Moisés Alves Flexa e Marco Antônio Lobo Castelo Branco.

O caso foi encaminhado para a juíza Rubilene Silva Rosário, que terá 30 dias para finalizar a investigação.

Segundo nota da Corregedoria Nacional de Justiça, os magistrados teriam participado de uma suposta negociação com o ex-prefeito do município de Santa Luzia do Pará, Adamor Aires.

Com cerca de 20 mil habitantes, Santa Luzia fica a 170 quilômetros de Belém.

Gravações atribuídas aos magistrados apontam indícios de que o ex-prefeito recorreu aos juízes com o objetivo de evitar condenação junto ao Tribunal Regional Eleitoral, em 2014.

Para o ministro, o acompanhamento da sindicância por parte da Corregedoria Nacional é necessário por causa da competência disciplinar concorrente do órgão.

O Tribunal de Justiça do Pará terá 5 dias para prestar informações sobre a investigação em curso e 60 dias para apresentar as conclusões do procedimento.

Defesas

A reportagem tenta contato com ex-prefeito Adamor Aires e com a Assessoria de Imprensa do Tribunal de Justiça do Pará, mas ainda não obteve retorno.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;