Fechar
Publicidade

Domingo, 25 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Mortes no trânsito têm alta de 13,5%

Denis Maciel/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Registros do primeiro semestre apontam que motociclistas foram as principais vítimas fatais, com 50 ocorrências; pedestres aparecem na sequência


Natália Fernandjes
Do Diário do Grande ABC

20/07/2019 | 07:00


O primeiro semestre de 2019 foi de trânsito mais violento no Grande ABC, principalmente para os motociclistas. Isso é o que mostra o levantamento do Infosiga (Sistema de Informações Gerenciais de Acidentes de Trânsito do Estado de São Paulo). Entre janeiro e junho deste ano, foram 109 acidentes com mortes, número 13,5% maior do que o registrado no mesmo período de 2018 – 96 óbitos. No caso dos condutores de motos, houve alta de 78,5% nas ocorrências, passando de 28 para 50 vítimas fatais.

Sociólogo e consultor em segurança no trânsito, Eduardo Biavati destaca que o número de acidentes fatais envolvendo motociclistas é crescente pela vulnerabilidade que o veículo apresenta. “A exposição da moto é difícil de controlar e, muitas vezes, a falta de proteção também é um fator crucial. Não podemos pensar apenas no capacete. Qualquer coisa jogada nas rodovias ou buracos podem ocasionar quedas, todo corpo fica sem proteção. Essa vulnerabilidade é muito difícil de administrar.”

Os pedestres foram o segundo grupo mais vulnerável no trânsito no primeiro semestre, invertendo cenário registrado no ano passado, quando representavam o principal alvo e, na sequência, apareciam os motociclistas. Apesar da queda de 31,8% nos registros de atropelamentos, foram 30 óbitos neste ano. Pelo menos metade das vítimas estava cruzando a via ou caminhando pelo acostamento no momento do acidente.

Os homens correspondem à grande maioria das vítimas fatais – 78% dos casos. Em relação à idade, 40% dos mortos têm menos de 30 anos de idade.

CICLISTAS

Outro problema apontado pelos dados do governo estadual é que o número de ciclistas mortos em acidentes de trânsito nos seis primeiros meses do ano no Grande ABC já supera em quase duas vezes o total de óbitos do tipo observado em 2018 na região. Foram sete registros entre janeiro e junho de 2019 contra quatro casos em todo o ano passado. O cenário é reflexo da falta de infraestrutura adequada às bikes – faixas segregadas e sinalizadas – somada ao desrespeito entre os cidadãos, sejam eles pedestres ou condutores dos diversos tipos de veículos, motorizados ou não, no sistema viário, avaliam os especialistas.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Mortes no trânsito têm alta de 13,5%

Registros do primeiro semestre apontam que motociclistas foram as principais vítimas fatais, com 50 ocorrências; pedestres aparecem na sequência

Natália Fernandjes
Do Diário do Grande ABC

20/07/2019 | 07:00


O primeiro semestre de 2019 foi de trânsito mais violento no Grande ABC, principalmente para os motociclistas. Isso é o que mostra o levantamento do Infosiga (Sistema de Informações Gerenciais de Acidentes de Trânsito do Estado de São Paulo). Entre janeiro e junho deste ano, foram 109 acidentes com mortes, número 13,5% maior do que o registrado no mesmo período de 2018 – 96 óbitos. No caso dos condutores de motos, houve alta de 78,5% nas ocorrências, passando de 28 para 50 vítimas fatais.

Sociólogo e consultor em segurança no trânsito, Eduardo Biavati destaca que o número de acidentes fatais envolvendo motociclistas é crescente pela vulnerabilidade que o veículo apresenta. “A exposição da moto é difícil de controlar e, muitas vezes, a falta de proteção também é um fator crucial. Não podemos pensar apenas no capacete. Qualquer coisa jogada nas rodovias ou buracos podem ocasionar quedas, todo corpo fica sem proteção. Essa vulnerabilidade é muito difícil de administrar.”

Os pedestres foram o segundo grupo mais vulnerável no trânsito no primeiro semestre, invertendo cenário registrado no ano passado, quando representavam o principal alvo e, na sequência, apareciam os motociclistas. Apesar da queda de 31,8% nos registros de atropelamentos, foram 30 óbitos neste ano. Pelo menos metade das vítimas estava cruzando a via ou caminhando pelo acostamento no momento do acidente.

Os homens correspondem à grande maioria das vítimas fatais – 78% dos casos. Em relação à idade, 40% dos mortos têm menos de 30 anos de idade.

CICLISTAS

Outro problema apontado pelos dados do governo estadual é que o número de ciclistas mortos em acidentes de trânsito nos seis primeiros meses do ano no Grande ABC já supera em quase duas vezes o total de óbitos do tipo observado em 2018 na região. Foram sete registros entre janeiro e junho de 2019 contra quatro casos em todo o ano passado. O cenário é reflexo da falta de infraestrutura adequada às bikes – faixas segregadas e sinalizadas – somada ao desrespeito entre os cidadãos, sejam eles pedestres ou condutores dos diversos tipos de veículos, motorizados ou não, no sistema viário, avaliam os especialistas.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;