Fechar
Publicidade

Domingo, 18 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Diretoria da Ancine será transferida para Brasília



19/07/2019 | 07:08


Por críticas do presidente Jair Bolsonaro a suposto ''ativismo'', a direção da Agência Nacional do Cinema (Ancine) será transferida para Brasília. O restante dos funcionários ficará no Rio de Janeiro. A informação foi confirmada pelo ministro da Cidadania, Osmar Terra.

Segundo o presidente, filmes como Bruna Surfistinha, de 2011, que narra a história de uma ex-garota de programa, não devem mais ser financiados pela agência pública.

"Agora há pouco (quinta), o Osmar Terra (Cidadania) e eu fomos para um canto e nos acertamos. Não posso admitir que, com dinheiro público, se façam filmes como o da Bruna Surfistinha. Não dá. Ele apresentou propostas sobre a Ancine, para trazer para Brasília. Não somos contra essa ou aquela opção, mas o ativismo não podemos permitir, em respeito às famílias, uma coisa que mudou com a chegada do governo", disse o presidente durante evento em comemoração aos 200 dias de governo.

Nesta quinta-feira, 18, Bolsonaro assinou a transferência do Conselho Superior de Cinema, responsável pela política nacional de audiovisual, do Ministério da Cidadania para a Casa Civil. O objetivo é que o Palácio do Planalto tenha mais influência sobre o órgão. Oficialmente, o intuito é "fortalecer a articulação e fomentar políticas públicas necessárias à implantação de empreendimentos estratégicos para a área".

Segundo relato do site Filme B, para Roberto Jucá, ex-membro do CSC, a ida do Conselho Superior de Cinema para a Casa Civil apresenta aspectos positivos e negativos. Ele acredita que a alteração da presidência do Conselho pode diminuir o processo de discussão e implementação da política pública. Ele diz ainda que torna mais necessária a articulação do setor, uma vez que o Ministério da Cidadania teria mais proximidade com a área do que a Casa Civil.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Diretoria da Ancine será transferida para Brasília


19/07/2019 | 07:08


Por críticas do presidente Jair Bolsonaro a suposto ''ativismo'', a direção da Agência Nacional do Cinema (Ancine) será transferida para Brasília. O restante dos funcionários ficará no Rio de Janeiro. A informação foi confirmada pelo ministro da Cidadania, Osmar Terra.

Segundo o presidente, filmes como Bruna Surfistinha, de 2011, que narra a história de uma ex-garota de programa, não devem mais ser financiados pela agência pública.

"Agora há pouco (quinta), o Osmar Terra (Cidadania) e eu fomos para um canto e nos acertamos. Não posso admitir que, com dinheiro público, se façam filmes como o da Bruna Surfistinha. Não dá. Ele apresentou propostas sobre a Ancine, para trazer para Brasília. Não somos contra essa ou aquela opção, mas o ativismo não podemos permitir, em respeito às famílias, uma coisa que mudou com a chegada do governo", disse o presidente durante evento em comemoração aos 200 dias de governo.

Nesta quinta-feira, 18, Bolsonaro assinou a transferência do Conselho Superior de Cinema, responsável pela política nacional de audiovisual, do Ministério da Cidadania para a Casa Civil. O objetivo é que o Palácio do Planalto tenha mais influência sobre o órgão. Oficialmente, o intuito é "fortalecer a articulação e fomentar políticas públicas necessárias à implantação de empreendimentos estratégicos para a área".

Segundo relato do site Filme B, para Roberto Jucá, ex-membro do CSC, a ida do Conselho Superior de Cinema para a Casa Civil apresenta aspectos positivos e negativos. Ele acredita que a alteração da presidência do Conselho pode diminuir o processo de discussão e implementação da política pública. Ele diz ainda que torna mais necessária a articulação do setor, uma vez que o Ministério da Cidadania teria mais proximidade com a área do que a Casa Civil.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;