Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 21 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Turismo

turismo@dgabc.com.br | 4435-8367

Apaixonante Gramado

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Principal destino de inverno no Brasil, cidade recebe, só em julho, 18 vezes a sua população


Anderson Fattori
Do Diário do Grande ABC

18/07/2019 | 07:20


Todo mundo ama Gramado. A frase, que é a marca da cidade gaúcha, a princípio, soa como prepotência. Mas basta passar alguns dias por lá e conhecer a diversificada programação à disposição dos turistas para se apaixonar rapidamente pelo pequeno município de apenas 35 mil habitantes, fundado há 65 anos, e que fica no alto da serra, a 830 metros do nível do mar.

No inverno, tudo fica ainda mais bonito e dá sentido aos telhados em estilo colonial que estão por todos os lados, construídos em forma triangular para que a neve não fique alojada sobre os imóveis. Está certo que o fenômeno natural é um tanto raro por lá – a última grande nevasca foi em 2013 –, mas faz lembrar que a região foi colonizada por europeus, principalmente, italianos.

Considerado o principal destino turístico de inverno do Brasil, Gramado recebe em julho o equivalente a 18 vezes a sua população – em 2018 foram registradas 630 mil visitas apenas neste mês e 6,5 milhões durante o ano. Mas o município foi se preparando para essa ‘invasão’ e conta hoje com 17 mil leitos em hotéis e pousadas, fora os quartos alugados informalmente.

Incrivelmente, as ruas não ficam cheias e é fácil se locomover na cidade que não tem semáforos e abusa das rotatórias. Encontrar vaga para estacionar é relativamente tranquilo. Na região central, as vagas são rotativas, e algumas máquinas de zona azul aceitam cartão de crédito.

Um dos atrativos da cidade é a gastronomia. Opções de restaurantes não faltam, para todos os gostos e bolsos. O fondue continua sendo o carro-chefe e pode ser encontrado à la carte e nas sequências (queijo, carnes e chocolate), que custam, em média, R$ 49 por pessoa. Bistrôs apostam em caldos e em quase todos os estabelecimentos é possível conseguir um bom chocolate quente (caro, mas delicioso, podendo custar até R$ 20 um copinho de 250 ml). Uma tendência na cidade são as pizzarias temáticas e restaurantes segmentados, como o Rasen Platz, especialista em culinária alemã, protagonista da Rua Coberta, um dos cartões postais da cidade (leia ao lado opções de onde comer).

PLANEJAR É PRECISO - Antes de ir a Gramado, é indicado fazer lista das atrações que deseja visitar. Como a cidade é pequena, os pontos turísticos estão, no máximo, a 15 minutos de distância. Com fôlego, é possível visitar três ou quatro locais em um só dia. Tamanha a oferta de entretenimento, é necessário passar pelo menos cinco dias no local, sendo o ideal uma semana.

Segundo o site www. tripadvisor.com.br, os turistas escolheram o Mini Mundo como a principal atração. De fato é imperdível. Trata-se de um parque ao ar livre formado por miniaturas fiéis de prédios de várias partes do mundo. Na entrada, as crianças recebem um jornalzinho com ‘causos’ que estão acontecendo por ali, e a diversão é encontrar os locais das ocorrências. O ingresso custa R$ 42 – quem tiver de 3 a 15 anos ou mais de 60 paga meia.

O Lago Negro é outra parada obrigatória. Além de lindo, é histórico. Antes chamado de Vale do Bom Retiro, o lugar foi devastado por incêndio em 1942 e reconstruído por Leopoldo Rosenfeld, um dos primeiros moradores a enxergar potencial turístico em Gramado. Ele construiu um lago no local, cercado por árvores importadas da Floresta Negra da Alemanha, fato que originou o nome do parque, aberto 24 horas. Além de tirar fotos incríveis, outra atração é o passeio de pedalinho em forma de cisne, que custa R$ 40 por 20 minutos.

No período da noite, ótima alternativa é o espetáculo Korvatunturi, que mistura teatro, circo, dança, música, acrobacias e efeitos visuais para contar história de povoado mágico que resgata ao mundo dos humanos os verdadeiros valores da vida. A peça está em cartaz desde 2012 e já foi vista por mais de meio milhão de pessoas. A nova temporada estreou no dia 6 e vai até 31. O ingresso custa entre R$ 120 e R$ 180.

Inaugurado em junho, Bier Park é outra atração ideal para o período noturno. Parque mais tecnológico de Gramado, oferece visita guiada contando a história da cerveja. Os turistas passam por cenários equipados com interatividade, realidade virtual em 3D, simulador em 4D, têm informações em monitores com tela touchscreen e fazem passeio virtual a bordo de bicicleta pelos pontos turísticos de Gramado. A entrada, com direito a degustação de chope, custa de R$ 40 a R$ 70.
 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Apaixonante Gramado

Principal destino de inverno no Brasil, cidade recebe, só em julho, 18 vezes a sua população

Anderson Fattori
Do Diário do Grande ABC

18/07/2019 | 07:20


Todo mundo ama Gramado. A frase, que é a marca da cidade gaúcha, a princípio, soa como prepotência. Mas basta passar alguns dias por lá e conhecer a diversificada programação à disposição dos turistas para se apaixonar rapidamente pelo pequeno município de apenas 35 mil habitantes, fundado há 65 anos, e que fica no alto da serra, a 830 metros do nível do mar.

No inverno, tudo fica ainda mais bonito e dá sentido aos telhados em estilo colonial que estão por todos os lados, construídos em forma triangular para que a neve não fique alojada sobre os imóveis. Está certo que o fenômeno natural é um tanto raro por lá – a última grande nevasca foi em 2013 –, mas faz lembrar que a região foi colonizada por europeus, principalmente, italianos.

Considerado o principal destino turístico de inverno do Brasil, Gramado recebe em julho o equivalente a 18 vezes a sua população – em 2018 foram registradas 630 mil visitas apenas neste mês e 6,5 milhões durante o ano. Mas o município foi se preparando para essa ‘invasão’ e conta hoje com 17 mil leitos em hotéis e pousadas, fora os quartos alugados informalmente.

Incrivelmente, as ruas não ficam cheias e é fácil se locomover na cidade que não tem semáforos e abusa das rotatórias. Encontrar vaga para estacionar é relativamente tranquilo. Na região central, as vagas são rotativas, e algumas máquinas de zona azul aceitam cartão de crédito.

Um dos atrativos da cidade é a gastronomia. Opções de restaurantes não faltam, para todos os gostos e bolsos. O fondue continua sendo o carro-chefe e pode ser encontrado à la carte e nas sequências (queijo, carnes e chocolate), que custam, em média, R$ 49 por pessoa. Bistrôs apostam em caldos e em quase todos os estabelecimentos é possível conseguir um bom chocolate quente (caro, mas delicioso, podendo custar até R$ 20 um copinho de 250 ml). Uma tendência na cidade são as pizzarias temáticas e restaurantes segmentados, como o Rasen Platz, especialista em culinária alemã, protagonista da Rua Coberta, um dos cartões postais da cidade (leia ao lado opções de onde comer).

PLANEJAR É PRECISO - Antes de ir a Gramado, é indicado fazer lista das atrações que deseja visitar. Como a cidade é pequena, os pontos turísticos estão, no máximo, a 15 minutos de distância. Com fôlego, é possível visitar três ou quatro locais em um só dia. Tamanha a oferta de entretenimento, é necessário passar pelo menos cinco dias no local, sendo o ideal uma semana.

Segundo o site www. tripadvisor.com.br, os turistas escolheram o Mini Mundo como a principal atração. De fato é imperdível. Trata-se de um parque ao ar livre formado por miniaturas fiéis de prédios de várias partes do mundo. Na entrada, as crianças recebem um jornalzinho com ‘causos’ que estão acontecendo por ali, e a diversão é encontrar os locais das ocorrências. O ingresso custa R$ 42 – quem tiver de 3 a 15 anos ou mais de 60 paga meia.

O Lago Negro é outra parada obrigatória. Além de lindo, é histórico. Antes chamado de Vale do Bom Retiro, o lugar foi devastado por incêndio em 1942 e reconstruído por Leopoldo Rosenfeld, um dos primeiros moradores a enxergar potencial turístico em Gramado. Ele construiu um lago no local, cercado por árvores importadas da Floresta Negra da Alemanha, fato que originou o nome do parque, aberto 24 horas. Além de tirar fotos incríveis, outra atração é o passeio de pedalinho em forma de cisne, que custa R$ 40 por 20 minutos.

No período da noite, ótima alternativa é o espetáculo Korvatunturi, que mistura teatro, circo, dança, música, acrobacias e efeitos visuais para contar história de povoado mágico que resgata ao mundo dos humanos os verdadeiros valores da vida. A peça está em cartaz desde 2012 e já foi vista por mais de meio milhão de pessoas. A nova temporada estreou no dia 6 e vai até 31. O ingresso custa entre R$ 120 e R$ 180.

Inaugurado em junho, Bier Park é outra atração ideal para o período noturno. Parque mais tecnológico de Gramado, oferece visita guiada contando a história da cerveja. Os turistas passam por cenários equipados com interatividade, realidade virtual em 3D, simulador em 4D, têm informações em monitores com tela touchscreen e fazem passeio virtual a bordo de bicicleta pelos pontos turísticos de Gramado. A entrada, com direito a degustação de chope, custa de R$ 40 a R$ 70.
 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;