Fechar
Publicidade

Sábado, 17 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Universidade Metodista não honra acordo firmado com professores e atrasa salários de junho

Denis Maciel/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Pagamentos deveriam ter sido realizados até o dia 10; Universidade também faltou em foro conciliatório


Vanessa Soares
Do Diário do Grande ABC

17/07/2019 | 17:55


Após a Universidade Metodista, em São Bernardo, descumprir acordo firmado com os professores atrasando os salários de junho, que deveriam ter sido pagos até o último dia 10, e não ter comparecido a Foro Conciliatório solicitado pelo SinproABC (Sindicato dos Professores do ABC) na manhã de ontem (16), o sindicato decidiu retornar ao TRT (Tribunal Regional do Trabalho) na expectativa de que a Universidade cumpra sua parte no acordo com os docentes da Instituição.

De acordo com o sindicato, além do salário de junho, estão atrasados vales alimentação e transporte. Eles reivindicam também o pagamento de férias e o terço previsto em lei, questionam o repasse de consignado que está sendo descontado, mas não repassado aos bancos e não houve nenhum pronunciamento da Universidade sobre o cumprimento do parcelamento do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), em atraso desde 2015.

Os docentes seguem indignados com a situação, uma vez que o acordo, firmado no dia 17 de maio, foi fundamental para encerramento de greve após 21 dias de paralisação.

Em conversa com o Diário, o presidente SinproABC, José Jorge Maggio, explicou que a convocação do Foro Conciliatório tinha o objetivo de atenuar os conflitos e entender os motivos que levaram a universidade a não cumprir o acordo. “Pelo não comparecimento ao Foro, vamos buscar outros caminhos e ver com o TRT quais providências tomar. Dependendo da atitude da Universidade, podemos convocar assembleia para decidir com os professores o que fazer”, esclareceu.

O Diário entrou em contato com a Universidade, mas ainda não teve nenhum retorno.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Universidade Metodista não honra acordo firmado com professores e atrasa salários de junho

Pagamentos deveriam ter sido realizados até o dia 10; Universidade também faltou em foro conciliatório

Vanessa Soares
Do Diário do Grande ABC

17/07/2019 | 17:55


Após a Universidade Metodista, em São Bernardo, descumprir acordo firmado com os professores atrasando os salários de junho, que deveriam ter sido pagos até o último dia 10, e não ter comparecido a Foro Conciliatório solicitado pelo SinproABC (Sindicato dos Professores do ABC) na manhã de ontem (16), o sindicato decidiu retornar ao TRT (Tribunal Regional do Trabalho) na expectativa de que a Universidade cumpra sua parte no acordo com os docentes da Instituição.

De acordo com o sindicato, além do salário de junho, estão atrasados vales alimentação e transporte. Eles reivindicam também o pagamento de férias e o terço previsto em lei, questionam o repasse de consignado que está sendo descontado, mas não repassado aos bancos e não houve nenhum pronunciamento da Universidade sobre o cumprimento do parcelamento do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), em atraso desde 2015.

Os docentes seguem indignados com a situação, uma vez que o acordo, firmado no dia 17 de maio, foi fundamental para encerramento de greve após 21 dias de paralisação.

Em conversa com o Diário, o presidente SinproABC, José Jorge Maggio, explicou que a convocação do Foro Conciliatório tinha o objetivo de atenuar os conflitos e entender os motivos que levaram a universidade a não cumprir o acordo. “Pelo não comparecimento ao Foro, vamos buscar outros caminhos e ver com o TRT quais providências tomar. Dependendo da atitude da Universidade, podemos convocar assembleia para decidir com os professores o que fazer”, esclareceu.

O Diário entrou em contato com a Universidade, mas ainda não teve nenhum retorno.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;