Fechar
Publicidade

Domingo, 18 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Dois filmes levam a viagem em busca do desconhecido



17/07/2019 | 07:50


No Instituto Moreira Salles (IMS), ocorre nesta quarta-feira, dia 17, mais uma sessão dupla de Bye Bye Brasil e A Longa Caminhada. A primeira ocorreu no sábado, dia 13. Os longas de Cacá Diegues e Nicolas Roeg foram reunidos porque ambos partem do tema da viagem para discutir a busca pelo desconhecido e a descoberta do próprio país.

No filme brasileiro, às 19h, uma trupe de artistas - a caravana Rólidei - percorre as entranhas do Brasil na época da ditadura. Descobre a Transamazônica e a força da TV como fator de integração nacional. Num momento mágico, a magia do grupo mambembe faz nevar sobre o sertão. Considerado um dos melhores filmes de Cacá Diegues, traz as interpretações de José Wilker, Betty Faria e Fábio Jr. E ainda tem a trilha de Chico Buarque. Um clássico.

A Longa Caminhada/Walkabout, que passa às 21h20, vem da Austrália. O britânico Roeg, que morreu em 23 de novembro do ano passado, foi conceituado diretor de fotografia - na série de Roger Corman adaptada de Edgar Allan Poe, por exemplo.

No Dicionário de Cinema, Jean Tulard observa que todos os seus filmes adotam a forma de uma iniciação - o gângster que descobre o rock em O Homem Que Caiu na Terra e descortina outro mundo, a investigação sobre a morte em Inverno de Sangue em Veneza, etc. Nenhuma iniciação é mais impressionante que a de A Longa Caminhada.

Um pai parte com os filhos pelo deserto. Enlouquece, coloca fogo no carro, suicida-se. A garota e o irmão mais novo vagam pela imensidão e, com certeza, morreriam, se não encontrassem o aborígine. Numa cena que fez sensação na época (1971), David Gulpilil executa a dança do acasalamento para Jenny Agutter. Ela recusa, instintivamente, sem saber direito o que é, e só anos mais tarde, dona de casa e infeliz, além de sexualmente reprimida, dá-se conta de que aquele poderia ter sido um momento de libertação de sua vida.

Em 1980, Randal Kleiser fez A Lagoa Azul, sobre um casal de jovens que descobre a sexualidade na lagoa do título. Se Gulpilil não fosse 'diferente' (outra etnia, outra cultura), Jenny teria correspondido?

Logo em seguida, Último Tango em Paris, de Bernardo Bertolucci, e O Império dos Sentidos, de Nagisa Oshima, abririam novas fronteiras para o sexo no cinema. A Longa Caminhada foi um precursor. Uma espécie de paraíso perdido (para Jenny), lindamente fotografado.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Dois filmes levam a viagem em busca do desconhecido


17/07/2019 | 07:50


No Instituto Moreira Salles (IMS), ocorre nesta quarta-feira, dia 17, mais uma sessão dupla de Bye Bye Brasil e A Longa Caminhada. A primeira ocorreu no sábado, dia 13. Os longas de Cacá Diegues e Nicolas Roeg foram reunidos porque ambos partem do tema da viagem para discutir a busca pelo desconhecido e a descoberta do próprio país.

No filme brasileiro, às 19h, uma trupe de artistas - a caravana Rólidei - percorre as entranhas do Brasil na época da ditadura. Descobre a Transamazônica e a força da TV como fator de integração nacional. Num momento mágico, a magia do grupo mambembe faz nevar sobre o sertão. Considerado um dos melhores filmes de Cacá Diegues, traz as interpretações de José Wilker, Betty Faria e Fábio Jr. E ainda tem a trilha de Chico Buarque. Um clássico.

A Longa Caminhada/Walkabout, que passa às 21h20, vem da Austrália. O britânico Roeg, que morreu em 23 de novembro do ano passado, foi conceituado diretor de fotografia - na série de Roger Corman adaptada de Edgar Allan Poe, por exemplo.

No Dicionário de Cinema, Jean Tulard observa que todos os seus filmes adotam a forma de uma iniciação - o gângster que descobre o rock em O Homem Que Caiu na Terra e descortina outro mundo, a investigação sobre a morte em Inverno de Sangue em Veneza, etc. Nenhuma iniciação é mais impressionante que a de A Longa Caminhada.

Um pai parte com os filhos pelo deserto. Enlouquece, coloca fogo no carro, suicida-se. A garota e o irmão mais novo vagam pela imensidão e, com certeza, morreriam, se não encontrassem o aborígine. Numa cena que fez sensação na época (1971), David Gulpilil executa a dança do acasalamento para Jenny Agutter. Ela recusa, instintivamente, sem saber direito o que é, e só anos mais tarde, dona de casa e infeliz, além de sexualmente reprimida, dá-se conta de que aquele poderia ter sido um momento de libertação de sua vida.

Em 1980, Randal Kleiser fez A Lagoa Azul, sobre um casal de jovens que descobre a sexualidade na lagoa do título. Se Gulpilil não fosse 'diferente' (outra etnia, outra cultura), Jenny teria correspondido?

Logo em seguida, Último Tango em Paris, de Bernardo Bertolucci, e O Império dos Sentidos, de Nagisa Oshima, abririam novas fronteiras para o sexo no cinema. A Longa Caminhada foi um precursor. Uma espécie de paraíso perdido (para Jenny), lindamente fotografado.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;