Fechar
Publicidade

Sábado, 24 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Não há problema se tiver novo vice em 2022, diz Mourão



16/07/2019 | 07:39


Alvo de críticas por parte dos filhos de Jair Bolsonaro e de integrantes do chamado núcleo ideológico do governo, o vice-presidente Hamilton Mourão admitiu nesta segunda-feira, 15, que reduziu suas declarações públicas e entrevistas após pedido do presidente. Mourão disse que considerou o pedido "uma coisa normal" e defendeu Bolsonaro.

"Não temos tido atrito, eu e o presidente. O presidente conversou comigo um tempo atrás, 'Pô, diminui um pouco a exposição', uma coisa normal", afirmou Mourão, em conversa com correspondentes estrangeiros na Confederação Nacional do Comércio, no centro do Rio.

Mourão falou também sobre a possibilidade de Bolsonaro disputar a reeleição, em 2022. Em resposta a um questionamento feito pela agência Reuters, ele disse que não há "problema nenhum" caso o presidente escolha outro nome para compor uma eventual chapa à Presidência da República.

"O presidente já manifestou o desejo de reeleição e, se ele quiser que eu continue ao lado dele, ótimo. Mas, se não quiser e precisar de uma outra pessoa para fazer uma composição distinta de chapa, para mim não há problema nenhum. Estou aqui para servir o Brasil e o governo do presidente", disse ele.

Mesmo com apenas sete meses de mandato, Bolsonaro já deu declarações sinalizando a disposição de se candidatar à reeleição. Neste caso, ele poderia negociar a vaga de vice na chapa com outro partido e com setores evangélicos - essa aproximação tem sido feita pelo deputado Marco Feliciano (Podemos-SP). Bolsonaro e Mourão chegaram a divergir publicamente no começo de governo, o que levou bolsonaristas a acusar o vice de querer tirar o protagonismo do presidente.

Chamado de "embaixador" por uma jornalista francesa, Mourão foi questionado sobre o motivo de Bolsonaro não conceder entrevistas a correspondentes internacionais, sendo que, segundo ela, a imagem do presidente não seria positiva no exterior.

'Má vontade'

O vice, então, defendeu Bolsonaro, dizendo existir uma "má vontade". "Eu vou falar com o presidente para que ele também converse com vocês. Existe uma certa má vontade com a figura do presidente Bolsonaro. Foi criada uma imagem no resto do mundo como se fosse o Átila, o huno, eleito presidente aqui no Brasil. Não é isso. Ele não é, em absoluto, uma pessoa totalmente fora dos padrões com o que estamos acostumados", afirmou Mourão. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Não há problema se tiver novo vice em 2022, diz Mourão


16/07/2019 | 07:39


Alvo de críticas por parte dos filhos de Jair Bolsonaro e de integrantes do chamado núcleo ideológico do governo, o vice-presidente Hamilton Mourão admitiu nesta segunda-feira, 15, que reduziu suas declarações públicas e entrevistas após pedido do presidente. Mourão disse que considerou o pedido "uma coisa normal" e defendeu Bolsonaro.

"Não temos tido atrito, eu e o presidente. O presidente conversou comigo um tempo atrás, 'Pô, diminui um pouco a exposição', uma coisa normal", afirmou Mourão, em conversa com correspondentes estrangeiros na Confederação Nacional do Comércio, no centro do Rio.

Mourão falou também sobre a possibilidade de Bolsonaro disputar a reeleição, em 2022. Em resposta a um questionamento feito pela agência Reuters, ele disse que não há "problema nenhum" caso o presidente escolha outro nome para compor uma eventual chapa à Presidência da República.

"O presidente já manifestou o desejo de reeleição e, se ele quiser que eu continue ao lado dele, ótimo. Mas, se não quiser e precisar de uma outra pessoa para fazer uma composição distinta de chapa, para mim não há problema nenhum. Estou aqui para servir o Brasil e o governo do presidente", disse ele.

Mesmo com apenas sete meses de mandato, Bolsonaro já deu declarações sinalizando a disposição de se candidatar à reeleição. Neste caso, ele poderia negociar a vaga de vice na chapa com outro partido e com setores evangélicos - essa aproximação tem sido feita pelo deputado Marco Feliciano (Podemos-SP). Bolsonaro e Mourão chegaram a divergir publicamente no começo de governo, o que levou bolsonaristas a acusar o vice de querer tirar o protagonismo do presidente.

Chamado de "embaixador" por uma jornalista francesa, Mourão foi questionado sobre o motivo de Bolsonaro não conceder entrevistas a correspondentes internacionais, sendo que, segundo ela, a imagem do presidente não seria positiva no exterior.

'Má vontade'

O vice, então, defendeu Bolsonaro, dizendo existir uma "má vontade". "Eu vou falar com o presidente para que ele também converse com vocês. Existe uma certa má vontade com a figura do presidente Bolsonaro. Foi criada uma imagem no resto do mundo como se fosse o Átila, o huno, eleito presidente aqui no Brasil. Não é isso. Ele não é, em absoluto, uma pessoa totalmente fora dos padrões com o que estamos acostumados", afirmou Mourão. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;