Fechar
Publicidade

Sábado, 19 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Cerca de 120 demitidos da Afa Plásticos estão sem receber

Marcello Casal Jr/Agência Brasil Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Após entrar em recuperação judicial, bens da empresa de São Caetano foram bloqueados


Soraia Abreu Pedrozo
Do Diário do Grande ABC

16/07/2019 | 07:14


Cerca de 120 trabalhadores dispensados desde julho do ano passado da Afa Plásticos, fabricante de mangueiras de PVC flexível do bairro Cerâmica, em São Caetano, ainda estão sem receber suas verbas rescisórias nem ter acesso ao FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço). Isso porque a empresa entrou com pedido de recuperação judicial e, diante disso, os bens ficam bloqueados até que o plano de melhorar as finanças da companhia sejam atingidos.

Há um ano, frente a dificuldades econômicas, a Afa Plásticos mudou sua linha de produção de endereço e dispensou 80 profissionais. À época, selou acordo com o Sindicato dos Químicos para que a rescisão fosse paga via acordo judicial, uma vez que não dispunha de dinheiro em caixa, e para isso arcaria com os 30% de honorários advocatícios a fim de que a entidade ingressasse com ação na Justiça pleiteando o pagamento dos valores. No entanto, cerca de um mês depois, a fábrica entrou em recuperação judicial. No mês passado, foram demitidos outros 40 profissionais, que igualmente não receberam os valores aos quais tinham direito.

Segundo o diretor do sindicato e coordenador da regional de Santo André, Joel Santana, apesar de intermediar as negociações em 2018, e de ter entrado com processo para o pagamento das verbas rescisórias, a entidade ainda não foi procurada pelos trabalhadores recém-demitidos. “Mas os profissionais sindicalizados que desejarem podem procurar nosso departamento jurídico. Estamos à disposição para entrar com ação trabalhista para pleitear o pagamento das verbas rescisórias”, informou. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Cerca de 120 demitidos da Afa Plásticos estão sem receber

Após entrar em recuperação judicial, bens da empresa de São Caetano foram bloqueados

Soraia Abreu Pedrozo
Do Diário do Grande ABC

16/07/2019 | 07:14


Cerca de 120 trabalhadores dispensados desde julho do ano passado da Afa Plásticos, fabricante de mangueiras de PVC flexível do bairro Cerâmica, em São Caetano, ainda estão sem receber suas verbas rescisórias nem ter acesso ao FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço). Isso porque a empresa entrou com pedido de recuperação judicial e, diante disso, os bens ficam bloqueados até que o plano de melhorar as finanças da companhia sejam atingidos.

Há um ano, frente a dificuldades econômicas, a Afa Plásticos mudou sua linha de produção de endereço e dispensou 80 profissionais. À época, selou acordo com o Sindicato dos Químicos para que a rescisão fosse paga via acordo judicial, uma vez que não dispunha de dinheiro em caixa, e para isso arcaria com os 30% de honorários advocatícios a fim de que a entidade ingressasse com ação na Justiça pleiteando o pagamento dos valores. No entanto, cerca de um mês depois, a fábrica entrou em recuperação judicial. No mês passado, foram demitidos outros 40 profissionais, que igualmente não receberam os valores aos quais tinham direito.

Segundo o diretor do sindicato e coordenador da regional de Santo André, Joel Santana, apesar de intermediar as negociações em 2018, e de ter entrado com processo para o pagamento das verbas rescisórias, a entidade ainda não foi procurada pelos trabalhadores recém-demitidos. “Mas os profissionais sindicalizados que desejarem podem procurar nosso departamento jurídico. Estamos à disposição para entrar com ação trabalhista para pleitear o pagamento das verbas rescisórias”, informou. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;