Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 20 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Mourão defende reforma que acabe com 'sopa de letras' partidária

EBC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Vice-presidente também afirmou que a reforma da Previdência não é a solução para todos os males



15/07/2019 | 15:47


O vice-presidente Hamilton Mourão defendeu na manhã desta segunda-feira, 15, que o País faça uma reforma política após concluir a da Previdência. "Temos de buscar uma reforma desse sistema político, de modo que a gente diminua a fragmentação e que os partidos realmente representem a sociedade brasileira e não virem uma sopa de letras como são no atual momento", disse Mourão, que é filiado ao PRTB, partido dirigido por Levy Fidelix.

Em encontro com correspondentes estrangeiros no Rio de Janeiro, o vice-presidente também afirmou que a reforma da Previdência, cuja votação ficou para o segundo semestre após ser aprovada em primeiro turno na Câmara, não é a solução para todos os males. Ressaltou, porém, que é a primeira medida a ser adotada para o País se recuperar da crise.

"O País está dentro de uma garrafa e tem um gargalo para ele sair dessa garrafa, que é a reforma da Previdência." Depois, segundo ele, seria possível "abrir o campo, de modo que outras reformas e medidas sejam tomadas para que o País entre num novo ritmo de crescimento sustentável. Essa é a palavra-chave."

Nesse contexto, Mourão defendeu as privatizações e, citando o ministro da Economia, Paulo Guedes, falou que o Estado brasileiro fará um "enxugamento brando" no funcionalismo. "À medida que as pessoas forem se aposentando, não serão mais substituídas."

Outro ponto econômico abordado pelo general foi a carga tributária brasileira. Para Mourão, que a considera alta, o sistema precisa ser reequilibrado, com a possibilidade de diminuição da carga num segundo momento. "Inclusive tributando aqueles que não são tributados hoje. Basta olhar esses serviços aí que são prestados: Uber, Netflix essa turma não paga imposto. Temos de ver uma forma desse pessoal pagar imposto."

Venezuela

Ao analisar a conjuntura do continente, o vice-presidente citou o impasse político venezuelano e disse que não vê no curto prazo um desfecho para a crise. Com discurso conciliador - no início de sua fala, defendeu a crença na "democracia liberal" -, Mourão disse que a solução para o País vizinho passaria por uma concertação que levasse a novas eleições.

Ele alegou, porém, que há grande interferência estrangeira na Venezuela, mencionando a Rússia e a China, além dos cubanos. "Principalmente a Rússia, uma vez que é uma grande fornecedora de armas para o regime venezuelano. Temos a questão da presença maciça de cubanos, que controlam aquilo que são as milícias bolivarianas e ao mesmo tempo o serviço de inteligência lá dentro."



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Mourão defende reforma que acabe com 'sopa de letras' partidária

Vice-presidente também afirmou que a reforma da Previdência não é a solução para todos os males


15/07/2019 | 15:47


O vice-presidente Hamilton Mourão defendeu na manhã desta segunda-feira, 15, que o País faça uma reforma política após concluir a da Previdência. "Temos de buscar uma reforma desse sistema político, de modo que a gente diminua a fragmentação e que os partidos realmente representem a sociedade brasileira e não virem uma sopa de letras como são no atual momento", disse Mourão, que é filiado ao PRTB, partido dirigido por Levy Fidelix.

Em encontro com correspondentes estrangeiros no Rio de Janeiro, o vice-presidente também afirmou que a reforma da Previdência, cuja votação ficou para o segundo semestre após ser aprovada em primeiro turno na Câmara, não é a solução para todos os males. Ressaltou, porém, que é a primeira medida a ser adotada para o País se recuperar da crise.

"O País está dentro de uma garrafa e tem um gargalo para ele sair dessa garrafa, que é a reforma da Previdência." Depois, segundo ele, seria possível "abrir o campo, de modo que outras reformas e medidas sejam tomadas para que o País entre num novo ritmo de crescimento sustentável. Essa é a palavra-chave."

Nesse contexto, Mourão defendeu as privatizações e, citando o ministro da Economia, Paulo Guedes, falou que o Estado brasileiro fará um "enxugamento brando" no funcionalismo. "À medida que as pessoas forem se aposentando, não serão mais substituídas."

Outro ponto econômico abordado pelo general foi a carga tributária brasileira. Para Mourão, que a considera alta, o sistema precisa ser reequilibrado, com a possibilidade de diminuição da carga num segundo momento. "Inclusive tributando aqueles que não são tributados hoje. Basta olhar esses serviços aí que são prestados: Uber, Netflix essa turma não paga imposto. Temos de ver uma forma desse pessoal pagar imposto."

Venezuela

Ao analisar a conjuntura do continente, o vice-presidente citou o impasse político venezuelano e disse que não vê no curto prazo um desfecho para a crise. Com discurso conciliador - no início de sua fala, defendeu a crença na "democracia liberal" -, Mourão disse que a solução para o País vizinho passaria por uma concertação que levasse a novas eleições.

Ele alegou, porém, que há grande interferência estrangeira na Venezuela, mencionando a Rússia e a China, além dos cubanos. "Principalmente a Rússia, uma vez que é uma grande fornecedora de armas para o regime venezuelano. Temos a questão da presença maciça de cubanos, que controlam aquilo que são as milícias bolivarianas e ao mesmo tempo o serviço de inteligência lá dentro."

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;