Fechar
Publicidade

Domingo, 20 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Caso Coaf: MP-RJ arquiva investigação sobre deputado estadual tucano



13/07/2019 | 21:05


O Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) arquivou a investigação sobre o deputado estadual Luiz Paulo Corrêa da Rocha (PSDB) no âmbito do caso Coaf, o mesmo que recai sobre o senador e ex-deputado Flávio Bolsonaro (PSL-RJ). O tucano foi um dos nove parlamentares da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) que tiveram sigilo quebrado pela Justiça a fim de apurar as movimentações financeiras atípicas detectadas por relatórios do órgão federal.

O deputado afirmou ao jornal O Estado de S. Paulo que já esperava que o caso fosse arquivado e que recebeu a notícia "com satisfação", apesar de lamentar o desgaste causado pela história. Disse ainda que entregou ao Ministério Público, em dezembro de 2018, diversas informações financeiras e bancárias para ajudar na investigação. "No meu gabinete não tem 'rachadinha'. E nunca tive patrimônio incompatível com a minha renda."

As investigações iniciadas com base nos relatórios financeiros correm sob segredo de Justiça. Luiz Paulo não foi informado oficialmente sobre o arquivamento, noticiado hoje pelo colunista Lauro Jardim, do jornal O Globo, e confirmado pela assessoria do Ministério Público estadual.

Os holofotes dos trabalhos do MP-RJ estão sobre a investigação que apura a suposta prática dos crimes de peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa no gabinete de Flávio Bolsonaro. A Justiça fluminense autorizou em abril a quebra dos sigilos bancário e fiscal de 86 pessoas e nove empresas ligadas ao senador. O período abarcado é de 2007 a 2018.

Os promotores acusam o ex-assessor Fabricio Queiroz de operar o esquema denunciado - os relatórios do Coaf mostraram que ele movimentou, no período de um ano, R$ 1,2 milhão, valor considerado atípico para seus rendimentos. A história foi revelada pelo Estado em dezembro do ano passado.

Na próxima terça-feira, 16, o plenário do Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ) julgará um habeas corpus apresentado pela defesa do filho do presidente Jair Bolsonaro, que considera ilegal a sua quebra de sigilo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Caso Coaf: MP-RJ arquiva investigação sobre deputado estadual tucano


13/07/2019 | 21:05


O Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) arquivou a investigação sobre o deputado estadual Luiz Paulo Corrêa da Rocha (PSDB) no âmbito do caso Coaf, o mesmo que recai sobre o senador e ex-deputado Flávio Bolsonaro (PSL-RJ). O tucano foi um dos nove parlamentares da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) que tiveram sigilo quebrado pela Justiça a fim de apurar as movimentações financeiras atípicas detectadas por relatórios do órgão federal.

O deputado afirmou ao jornal O Estado de S. Paulo que já esperava que o caso fosse arquivado e que recebeu a notícia "com satisfação", apesar de lamentar o desgaste causado pela história. Disse ainda que entregou ao Ministério Público, em dezembro de 2018, diversas informações financeiras e bancárias para ajudar na investigação. "No meu gabinete não tem 'rachadinha'. E nunca tive patrimônio incompatível com a minha renda."

As investigações iniciadas com base nos relatórios financeiros correm sob segredo de Justiça. Luiz Paulo não foi informado oficialmente sobre o arquivamento, noticiado hoje pelo colunista Lauro Jardim, do jornal O Globo, e confirmado pela assessoria do Ministério Público estadual.

Os holofotes dos trabalhos do MP-RJ estão sobre a investigação que apura a suposta prática dos crimes de peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa no gabinete de Flávio Bolsonaro. A Justiça fluminense autorizou em abril a quebra dos sigilos bancário e fiscal de 86 pessoas e nove empresas ligadas ao senador. O período abarcado é de 2007 a 2018.

Os promotores acusam o ex-assessor Fabricio Queiroz de operar o esquema denunciado - os relatórios do Coaf mostraram que ele movimentou, no período de um ano, R$ 1,2 milhão, valor considerado atípico para seus rendimentos. A história foi revelada pelo Estado em dezembro do ano passado.

Na próxima terça-feira, 16, o plenário do Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ) julgará um habeas corpus apresentado pela defesa do filho do presidente Jair Bolsonaro, que considera ilegal a sua quebra de sigilo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;