Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 27 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

‘O Estado do Cão’ encerra a Mostra da Mostra


Melina Dias
Do Diário do Grande ABC

28/07/2001 | 15:45


Acaso ou escolha acertada, duas exibições do belíssimo O Estado do Cão (Nohoi Oron, Bélgica/Mongólia, 1998) encerram domingo, às 15h e às 20h, a Mostra da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, no Teatro Elis Regina (tel.: 4351-3479), em São Bernardo. Convém ligar para confirmar a exibição, pois no ano passado a Prefeitura anunciou a exibição dessa mesma fita, não cumpriu, e muita gente deu com a cara na porta do teatro. Os ingressos custam R$ 2.

O longa, ganhador do prêmio da crítica da 24ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, trata na essência do sofrimento do migrante de forma original e lírica.

A história é narrada por um homem, mas do ponto de vista de um vira-lata na Mongólia. Não há diálogos. É inverno e o cenário é árido. Baasar, o cão, morre no início do filme, abatido a tiros por um matador contratado pelo governo para combater a superpopulação canina. Os mongóis, apesar das epidemias propagadas pelos cães, temem exterminá-los por acreditar que os animais reencarnam como homens.

Após a morte, o espectador acompanha a viagem do espírito canino. É feito um retrospecto no aguardo da reencarnação. A fábula mongol remete a uma angustiante realidade do país: a miséria na cidade agravada pelo êxodo rural. Baasar teve momentos felizes em sua curta vida de cão pastor. Vivia no campo e tinha um dono que o afagava.

Quando a família teve de vender o rebanho de cabras, ele se viu abandonado nas geladas estepes e migrou para a cidade. Lá, como muitos filhos do êxodo, ele conhece a solidão, a indiferença, a fome e a morte.

Como na vida real, não há final feliz. Um delicado número de contorcionismo encerra o filme.

Peter Brosens, 29 anos, e Dorjkhandyn Turmunkh, 41, dividem a direção. O primeiro é um geógrafo belga dono de uma produtora independente. Turmunkh é mongol, jornalista e escreveu, produziu e dirigiu o longa Tears of Lama (1992).



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;