Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 17 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Mansueto: 'Mesmo tudo dando certo terminamos este governo com déficit primário'



05/07/2019 | 17:01


O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, afirmou nesta sexta-feira, 5, que, mesmo com "tudo dando certo" no ajuste fiscal que o governo pretende fazer, o mandato do presidente Jair Bolsonaro ainda deve terminar com déficit primário. "Só devemos voltar a ter superávit em 2023", disse o secretário, durante participação em evento da XP Investimentos.

Mansueto disse que o Brasil, como sociedade, tomou decisões erradas do ponto de vista fiscal e que, como resultado, a dívida pública, que foi de 51% do PIB em 2013, é de 69% atualmente e deve crescer "um pouco mais". "Mesmo com a reforma da Previdência e com o ajuste fiscal, não teremos espaço para investimento público ou para reduzir a carga tributária em três ou quatro anos", disse.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Mansueto: 'Mesmo tudo dando certo terminamos este governo com déficit primário'


05/07/2019 | 17:01


O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, afirmou nesta sexta-feira, 5, que, mesmo com "tudo dando certo" no ajuste fiscal que o governo pretende fazer, o mandato do presidente Jair Bolsonaro ainda deve terminar com déficit primário. "Só devemos voltar a ter superávit em 2023", disse o secretário, durante participação em evento da XP Investimentos.

Mansueto disse que o Brasil, como sociedade, tomou decisões erradas do ponto de vista fiscal e que, como resultado, a dívida pública, que foi de 51% do PIB em 2013, é de 69% atualmente e deve crescer "um pouco mais". "Mesmo com a reforma da Previdência e com o ajuste fiscal, não teremos espaço para investimento público ou para reduzir a carga tributária em três ou quatro anos", disse.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;