Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 17 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Anfavea diz que autopeças não terão cota em acordo com UE



04/07/2019 | 12:23


A Anfavea explicou nesta quinta--feira, 4, que, no acordo entre Mercosul e União Europeia, as alíquotas de importação para autopeças terão uma redução linear ao longo dos 15 anos de preparação até a zeragem das taxas. Durante esse período também não haverá cotas, ao contrário do que ocorrerá no caso dos veículos.

As autopeças serão divididas em duas cestas. Uma cesta maior, com peças mais básicas, passará por um período de transição de 10 anos para a redução linear das alíquotas. A cesta menor, com peças de maior valor agregado, terá um período de 15 anos.

A associação divulgou também que o acordo prevê uma regra de origem que define um índice de regionalização (a combinação de insumos originários dos dois blocos utilizados na produção do que será exportado de um bloco para outro) de 55% para os veículos e de 50% para as autopeças. Os índices já começam a valer no primeiro ano de vigência do acordo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Anfavea diz que autopeças não terão cota em acordo com UE


04/07/2019 | 12:23


A Anfavea explicou nesta quinta--feira, 4, que, no acordo entre Mercosul e União Europeia, as alíquotas de importação para autopeças terão uma redução linear ao longo dos 15 anos de preparação até a zeragem das taxas. Durante esse período também não haverá cotas, ao contrário do que ocorrerá no caso dos veículos.

As autopeças serão divididas em duas cestas. Uma cesta maior, com peças mais básicas, passará por um período de transição de 10 anos para a redução linear das alíquotas. A cesta menor, com peças de maior valor agregado, terá um período de 15 anos.

A associação divulgou também que o acordo prevê uma regra de origem que define um índice de regionalização (a combinação de insumos originários dos dois blocos utilizados na produção do que será exportado de um bloco para outro) de 55% para os veículos e de 50% para as autopeças. Os índices já começam a valer no primeiro ano de vigência do acordo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;