Fechar
Publicidade

Domingo, 26 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Ministério vai apurar irregularidades em fila de transplante


Do Diário OnLine

20/01/2004 | 15:17


O Ministério da Saúde informou nesta terça-feira que vai abrir sindicância para investigar as denúncias de irregularidades na fila de exames para transplantes de medula óssea. Mais uma vez, o centro da polêmica é o Instituto Nacional do Câncer (Inca). Segundo a nota do governo, o Ministério Público Federal vai designar um representante para acompanhar as investigações. A sindicância terá o prazo de 30 dias para ser concluída.

O médico autor das denúncias é Daniel Tabak, diretor do Centro de Transplante de Medula Óssea (Cemo) há 16 anos, que pediu afastamento da função em caráter “irrevogável e irreversível”. O motivo alegado pelo médico é a “pressão política” que vem sofrendo para incluir doentes entre os que aguardam os testes para a busca de doadores. Além disso, alegou descaso e ingerência administrativa do Ministério.

De acordo com reportagem do jornal O Globo, Tabak se recusou a citar nomes de parlamentares que teriam pressionado para a inclusão de conhecidos na lista de espera por doadores. Outros diretores do Inca, porém, teriam mencionado um pedido da vice-Presidência da República.

No documento que entregou à direção-geral do Inca e será usado como base das investigações do Ministério da Saúde, Tabak lista quais pacientes foram incluídos por interferência de terceiros. Em entrevista à rádio CBN nesta terça, ele disse que a “gota d’água” que resultou no pedido de demissão foi a ligação da família de uma pessoa doente:. “Recebi um telefone e a pessoa perguntou se o que faltava para ela conseguir o tratamento era o contato de um político. Isso é inaceitável”, declarou.

À CBN, Tabak também reclamou da falta de atualização dos valores das restituições pagas pelo Sistema Único de Saúde (SUS) à Fundação Ary Frausino. O órgão é responsável em efetuar o pagamento de células de doadores localizados fora do país (em um banco internacional) e que servem para transplantes em brasileiros. “Desde 2000 esses valores não são atualizados. Em 2000, as células vinham para o Brasil por um custo de R$ 26 mil. Hoje, o ressarcimento continua o mesmo, mas os custos chegam a US$ 35 mil (R$ 90 mil)”, detalhou o médico. “Só em 2003, a Fundação Ary Frausino fechou com um balanço negativo de R$ 800 mil”, continuou.

Ainda de acordo com Tabak, em dezembro do ano passado o Cemo tinha em sua lista 2.232 pacientes. Entre 2000 e 2003, a instituição realizou 98 transplantes de medula, sendo que 40 pacientes transplantados permanecem vivos.

Crise - A denúncia de Tabak desencadeia a segunda crise enfrentada pelo Inca no governo Lula. Em agosto de 2003, cinco diretores pediram demissão após acusarem a coordenadora de Administração, Zélia Abdulmacih, de incompetência administrativa. O estoque de medicamentos da instituição ficou quase esgotado.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;