Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 23 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Em livro, socióloga explica domínio conservador na web



30/06/2019 | 09:25


Jen Schradie é socióloga e professora do Observatório Sociológico da Mudança, do Instituto de Estudos Políticos de Paris (Sciences Po), e lançou um livro que chegou nas últimas semanas nos EUA para explicar como os grupos conservadores se beneficiam mais das redes sociais para expandir o movimento.

O livro The Revolution that Wasnt: How Digital Activism Favors Conservatives (A revolução que não houve: como o ativismo digital favorece os conservadores, em tradução livre) aponta que a ação nas redes sociais é desigual - e essas desigualdades são determinantes para o sucesso do ativismo digital.

Mestre por Harvard e PhD pela Universidade da Califórnia-Berkeley, Schradie analisou 30 grupos políticos na Carolina do Norte, nos EUA, para identificar quais grupos tendem a ser mais bem-sucedidos na internet. Com a pesquisa, ela questiona o quanto a internet abre portas para uma sociedade mais plural.

Segundo a pesquisadora, desigualdades, ideologias e instituições moldam a participação na nova sociedade da informação. Em 2010 e 2011, segundo ela, o foco no estudo de ativismo digital estava nos grupos de esquerda, impulsionados pela Primavera Árabe e pelo movimento Occupy Wall Street. Por isso, Schradie decidiu olhar para o outro lado.

A Carolina do Norte foi um dos dois Estados americanos que, em 2012, deixou de apoiar o democrata Barack Obama na eleição presidencial para apoiar o candidato republicano.

"Vejo a internet neutra, similar a outras formas de comunicação como telefone, rádio ou jornal, se você pensar na tecnologia de forma genérica. Mas havia uma ideia, num tempo mais utópico, de que a internet permitiria um movimento político social porque, diferentemente dos jornais, por exemplo, poderia ser feita por muitas pessoas para muitas pessoas, numa comunicação ao mesmo tempo. Mas, como as outras ferramentas, ela exige recursos para gerar conteúdo online", disse Schardie, em entrevista ao Estado.

Em seu estudo, a pesquisadora identificou que os grupos com maior infraestrutura tendem a ter um ativismo digital mais persistente.

"Não é apenas uma questão de conservadores terem mais recursos financeiros, mas também de haver uma conexão entre os conservadores e a forma de organização", afirmou Schradie. Ela menciona, por exemplo, que o sucesso do ativismo digital exige grupos com habilidade e conhecimento de uso da internet, para criar conteúdo, o que novamente remete a uma parcela da sociedade que tem mais acesso a recursos financeiros.

Pragmatismo

A pesquisa aponta que os grupos conservadores são mais próximos de organizações e instituições que podem oferecer apoio financeiro e, além disso, costumam ter uma hierarquia vertical.

"Outra parte desse quebra-cabeça é que os conservadores estavam sentindo como se a mídia não os estivesse representando e estiveram muito focados nessa ideia de liberdade de informação. Já a esquerda estava preocupada em ter diversas vozes envolvidas, discutir questões trabalhistas, ambientais e de gênero", afirmou.

Segundo Schradie, nem sempre o alcance na internet é tão amplo quando se tenta incluir várias mensagens diferentes - mais um fator que deixa os conservadores à frente. "Conservadores tendem a focar em questões de forma mais simples", disse.

Ao analisar os gastos dos grupos, a pesquisadora indica que os grupos conservadores tendem a investir em patrocínios de postagens com artigos, enquanto grupos de esquerda preferem focar em imagens de encontros com grupos que mostrem diversidade.

Para ela, a pesquisa com foco na Carolina do Norte partiu de uma hipótese que, atualmente, tem mostrado descobertas ainda mais importantes sobre o papel dos conservadores no ativismo das redes sociais. "O uso do WhatsApp nas eleições no Brasil, por exemplo, é particularmente interessante. É uma ferramenta que muitas pessoas com menos recursos também podem usar." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Em livro, socióloga explica domínio conservador na web


30/06/2019 | 09:25


Jen Schradie é socióloga e professora do Observatório Sociológico da Mudança, do Instituto de Estudos Políticos de Paris (Sciences Po), e lançou um livro que chegou nas últimas semanas nos EUA para explicar como os grupos conservadores se beneficiam mais das redes sociais para expandir o movimento.

O livro The Revolution that Wasnt: How Digital Activism Favors Conservatives (A revolução que não houve: como o ativismo digital favorece os conservadores, em tradução livre) aponta que a ação nas redes sociais é desigual - e essas desigualdades são determinantes para o sucesso do ativismo digital.

Mestre por Harvard e PhD pela Universidade da Califórnia-Berkeley, Schradie analisou 30 grupos políticos na Carolina do Norte, nos EUA, para identificar quais grupos tendem a ser mais bem-sucedidos na internet. Com a pesquisa, ela questiona o quanto a internet abre portas para uma sociedade mais plural.

Segundo a pesquisadora, desigualdades, ideologias e instituições moldam a participação na nova sociedade da informação. Em 2010 e 2011, segundo ela, o foco no estudo de ativismo digital estava nos grupos de esquerda, impulsionados pela Primavera Árabe e pelo movimento Occupy Wall Street. Por isso, Schradie decidiu olhar para o outro lado.

A Carolina do Norte foi um dos dois Estados americanos que, em 2012, deixou de apoiar o democrata Barack Obama na eleição presidencial para apoiar o candidato republicano.

"Vejo a internet neutra, similar a outras formas de comunicação como telefone, rádio ou jornal, se você pensar na tecnologia de forma genérica. Mas havia uma ideia, num tempo mais utópico, de que a internet permitiria um movimento político social porque, diferentemente dos jornais, por exemplo, poderia ser feita por muitas pessoas para muitas pessoas, numa comunicação ao mesmo tempo. Mas, como as outras ferramentas, ela exige recursos para gerar conteúdo online", disse Schardie, em entrevista ao Estado.

Em seu estudo, a pesquisadora identificou que os grupos com maior infraestrutura tendem a ter um ativismo digital mais persistente.

"Não é apenas uma questão de conservadores terem mais recursos financeiros, mas também de haver uma conexão entre os conservadores e a forma de organização", afirmou Schradie. Ela menciona, por exemplo, que o sucesso do ativismo digital exige grupos com habilidade e conhecimento de uso da internet, para criar conteúdo, o que novamente remete a uma parcela da sociedade que tem mais acesso a recursos financeiros.

Pragmatismo

A pesquisa aponta que os grupos conservadores são mais próximos de organizações e instituições que podem oferecer apoio financeiro e, além disso, costumam ter uma hierarquia vertical.

"Outra parte desse quebra-cabeça é que os conservadores estavam sentindo como se a mídia não os estivesse representando e estiveram muito focados nessa ideia de liberdade de informação. Já a esquerda estava preocupada em ter diversas vozes envolvidas, discutir questões trabalhistas, ambientais e de gênero", afirmou.

Segundo Schradie, nem sempre o alcance na internet é tão amplo quando se tenta incluir várias mensagens diferentes - mais um fator que deixa os conservadores à frente. "Conservadores tendem a focar em questões de forma mais simples", disse.

Ao analisar os gastos dos grupos, a pesquisadora indica que os grupos conservadores tendem a investir em patrocínios de postagens com artigos, enquanto grupos de esquerda preferem focar em imagens de encontros com grupos que mostrem diversidade.

Para ela, a pesquisa com foco na Carolina do Norte partiu de uma hipótese que, atualmente, tem mostrado descobertas ainda mais importantes sobre o papel dos conservadores no ativismo das redes sociais. "O uso do WhatsApp nas eleições no Brasil, por exemplo, é particularmente interessante. É uma ferramenta que muitas pessoas com menos recursos também podem usar." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;