Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 21 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Massa de salários em circulação na economia cresce R$ 4,9 bi em 1 ano, diz IBGE



28/06/2019 | 11:54


A massa de salários em circulação na economia cresceu R$ 4,943 bilhões no período de um ano, para R$ 207,499 bilhões, uma alta de 2,4% no trimestre encerrado em maio de 2019 em relação ao mesmo período de 2018, puxada pelo aumento no número de pessoas trabalhando. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Na comparação com o trimestre terminado em fevereiro, a massa de renda real caiu 0,4%, com R$ 823 milhões a menos. O rendimento médio dos trabalhadores ocupados teve queda de 1,5% na comparação com o trimestre até fevereiro, R$ 35 a menos.

"A despeito do crescimento da população ocupada, o rendimento caiu", ressaltou Adriana Beringuy, analista da Coordenação de Trabalho e Rendimento do IBGE. "Pode ser ter mais pessoas trabalhando com salários mais baixos", completou.

Em relação ao trimestre encerrado em maio do ano passado, a renda média diminuiu 0,2%, para R$ 2.289, R$ 4 a menos que o salário de um ano antes.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Massa de salários em circulação na economia cresce R$ 4,9 bi em 1 ano, diz IBGE


28/06/2019 | 11:54


A massa de salários em circulação na economia cresceu R$ 4,943 bilhões no período de um ano, para R$ 207,499 bilhões, uma alta de 2,4% no trimestre encerrado em maio de 2019 em relação ao mesmo período de 2018, puxada pelo aumento no número de pessoas trabalhando. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Na comparação com o trimestre terminado em fevereiro, a massa de renda real caiu 0,4%, com R$ 823 milhões a menos. O rendimento médio dos trabalhadores ocupados teve queda de 1,5% na comparação com o trimestre até fevereiro, R$ 35 a menos.

"A despeito do crescimento da população ocupada, o rendimento caiu", ressaltou Adriana Beringuy, analista da Coordenação de Trabalho e Rendimento do IBGE. "Pode ser ter mais pessoas trabalhando com salários mais baixos", completou.

Em relação ao trimestre encerrado em maio do ano passado, a renda média diminuiu 0,2%, para R$ 2.289, R$ 4 a menos que o salário de um ano antes.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;