Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 17 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Mansueto: governo espera para o ano déficit da Previdência de R$ 314,9 bi



26/06/2019 | 15:52


O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, disse nesta quarta-feira, 26, que o governo espera um rombo na Previdência de R$ 314,9 bilhões neste ano, ou 4,4% do Produto Interno Bruto (PIB).

Em 12 meses até maio, o déficit global da Previdência, considerando os regimes público e privado, chegou a R$ 296,7 bilhões. "Trata-se de um déficit global expressivo", avaliou.

Por outro lado, a despesa discricionária projetada para este ano está em R$ 98 bilhões, a menor da série histórica. "Alguns órgãos públicos terão dificuldade de pagar as despesas projetadas para o ano. Se isso não for muito bem administrado, o cenário deste ano pode inclusive atrapalhar a estatística de restos a pagar a serem inscritos para 2020", admitiu Mansueto.

Caixa

Mansueto disse que a Caixa deve devolver R$ 20 bilhões em Instrumento Híbrido de Capital de Dívida (IHCD) à União até o fim deste ano, além de R$ 56 bilhões já programados de pagamentos pelo BNDES até o fim de 2019 - do quais R$ 30 bilhões já foram depositados pelo banco de fomento.

"Esses recursos devem ser usados obrigatoriamente para a redução da dívida bruta. E ainda haverá um pagamento adicional pelo BNDES a ser definido junto à nova presidência do banco", acrescentou Mansueto. "Essas novidades não estavam no radar e facilitarão cumprimento da regra de ouro", completou.

O secretário adjunto do Tesouro, Otávio Ladeira, acrescentou que, apesar da margem de R$ 1,8 bilhão para o cumprimento da regra de ouro neste ano, o órgão ainda prevê uma insuficiência de R$ 93,7 bilhões para 2020.

No começo de junho, o Congresso Nacional aprovou, com apoio unânime de deputados e senadores, uma autorização especial para que o governo possa pagar R$ 248,9 bilhões em benefícios sociais com dinheiro obtido com empréstimos. O crédito suplementar era a principal medida proposta pelo governo para garantir o cumprimento da regra de ouro neste ano.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Mansueto: governo espera para o ano déficit da Previdência de R$ 314,9 bi


26/06/2019 | 15:52


O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, disse nesta quarta-feira, 26, que o governo espera um rombo na Previdência de R$ 314,9 bilhões neste ano, ou 4,4% do Produto Interno Bruto (PIB).

Em 12 meses até maio, o déficit global da Previdência, considerando os regimes público e privado, chegou a R$ 296,7 bilhões. "Trata-se de um déficit global expressivo", avaliou.

Por outro lado, a despesa discricionária projetada para este ano está em R$ 98 bilhões, a menor da série histórica. "Alguns órgãos públicos terão dificuldade de pagar as despesas projetadas para o ano. Se isso não for muito bem administrado, o cenário deste ano pode inclusive atrapalhar a estatística de restos a pagar a serem inscritos para 2020", admitiu Mansueto.

Caixa

Mansueto disse que a Caixa deve devolver R$ 20 bilhões em Instrumento Híbrido de Capital de Dívida (IHCD) à União até o fim deste ano, além de R$ 56 bilhões já programados de pagamentos pelo BNDES até o fim de 2019 - do quais R$ 30 bilhões já foram depositados pelo banco de fomento.

"Esses recursos devem ser usados obrigatoriamente para a redução da dívida bruta. E ainda haverá um pagamento adicional pelo BNDES a ser definido junto à nova presidência do banco", acrescentou Mansueto. "Essas novidades não estavam no radar e facilitarão cumprimento da regra de ouro", completou.

O secretário adjunto do Tesouro, Otávio Ladeira, acrescentou que, apesar da margem de R$ 1,8 bilhão para o cumprimento da regra de ouro neste ano, o órgão ainda prevê uma insuficiência de R$ 93,7 bilhões para 2020.

No começo de junho, o Congresso Nacional aprovou, com apoio unânime de deputados e senadores, uma autorização especial para que o governo possa pagar R$ 248,9 bilhões em benefícios sociais com dinheiro obtido com empréstimos. O crédito suplementar era a principal medida proposta pelo governo para garantir o cumprimento da regra de ouro neste ano.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;