Fechar
Publicidade

Domingo, 25 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Juro estrutural é ponto de referência para condução da política monetária, diz BC



25/06/2019 | 11:52


Na ata do último encontro do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, publicada nesta terça-feira, 25, os membros do colegiado pontuaram que a taxa de juros estrutural da economia "é um ponto de referência para a condução da política monetária". "Quando essa política produz uma taxa de juros real (ex-ante) aquém da taxa estrutural, ela provê estímulos para a atividade econômica e contribui para um aumento da inflação", citou o BC.

A instituição também pontuou que, "como a taxa estrutural não é observável e a atividade econômica e a inflação dependem de diversos outros fatores, estimativas dessa taxa envolvem elevado grau de incerteza e são continuamente reavaliadas pelo Comitê". "Não obstante, os membros do Copom avaliam que as atuais taxas de juros reais ex-ante têm efeito estimulativo sobre a economia", acrescentaram os membros do Copom.

De acordo com a ata, a avaliação de que os juros atuais estimulam a economia "não é inconsistente com o desempenho da economia aquém do esperado, posto que a atividade econômica sofre influência de diversos outros fatores".

Em outro trecho da ata, o Copom pontuou que o estímulo adequado à economia "depende das condições da conjuntura, em particular, das expectativas de inflação, da capacidade ociosa na economia, do balanço de riscos e das projeções de inflação". "Em especial, a provisão de estímulo monetário requer ambiente com expectativas de inflação ancoradas", acrescentou a ata.

Explicitar condicionalidades

O Copom do Banco Central reafirmou, na ata de seu último encontro, "sua preferência por explicitar condicionalidades sobre a evolução da política monetária, o que melhor transmite a racionalidade econômica que guia suas decisões". De acordo com o BC, "isso contribui para aumentar a transparência e melhorar a comunicação do Comitê".

Esta mensagem vem sendo repetida há meses nas atas dos encontros do Copom. Na prática, a mensagem é de que o BC não passará indicações sobre o que fará na política monetária, mas sim sobre o que observará ao tomar suas decisões.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Juro estrutural é ponto de referência para condução da política monetária, diz BC


25/06/2019 | 11:52


Na ata do último encontro do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, publicada nesta terça-feira, 25, os membros do colegiado pontuaram que a taxa de juros estrutural da economia "é um ponto de referência para a condução da política monetária". "Quando essa política produz uma taxa de juros real (ex-ante) aquém da taxa estrutural, ela provê estímulos para a atividade econômica e contribui para um aumento da inflação", citou o BC.

A instituição também pontuou que, "como a taxa estrutural não é observável e a atividade econômica e a inflação dependem de diversos outros fatores, estimativas dessa taxa envolvem elevado grau de incerteza e são continuamente reavaliadas pelo Comitê". "Não obstante, os membros do Copom avaliam que as atuais taxas de juros reais ex-ante têm efeito estimulativo sobre a economia", acrescentaram os membros do Copom.

De acordo com a ata, a avaliação de que os juros atuais estimulam a economia "não é inconsistente com o desempenho da economia aquém do esperado, posto que a atividade econômica sofre influência de diversos outros fatores".

Em outro trecho da ata, o Copom pontuou que o estímulo adequado à economia "depende das condições da conjuntura, em particular, das expectativas de inflação, da capacidade ociosa na economia, do balanço de riscos e das projeções de inflação". "Em especial, a provisão de estímulo monetário requer ambiente com expectativas de inflação ancoradas", acrescentou a ata.

Explicitar condicionalidades

O Copom do Banco Central reafirmou, na ata de seu último encontro, "sua preferência por explicitar condicionalidades sobre a evolução da política monetária, o que melhor transmite a racionalidade econômica que guia suas decisões". De acordo com o BC, "isso contribui para aumentar a transparência e melhorar a comunicação do Comitê".

Esta mensagem vem sendo repetida há meses nas atas dos encontros do Copom. Na prática, a mensagem é de que o BC não passará indicações sobre o que fará na política monetária, mas sim sobre o que observará ao tomar suas decisões.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;