Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 23 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Cinema ibero-americano cresceu 22,5% em um ano, aponta levantamento

Pixabay Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


25/06/2019 | 10:29


O cinema ibero-americano teve um crescimento de 16,9 milhões de espectadores em 2018, comparado aos números de 2017. É uma elevação de 22,5% em apenas um ano, segundo o informe anual da Entidade de Gestão de Direitos dos Produtores Audiovisuais da Espanha (EGEDA), sobre o Panorama Audiovisual Ibero-americano, divulgado nesta terça-feira, 25

Ainda segundo o informe, o conteúdo ficcional se consolidou nas redes de TV, ocupando 26,1% da programação. Este informe conta com a colaboração da FIPCA (Federação Ibero-americana de produtores cinematográficos e audiovisuais).

O estudo aponta o número de salas na Ibero-América em 2018: 19.700. O peso mundial do público ibero-americano se mantém em torno de 11%. Essas salas estrearam mais de 6 mil produções. Foram, em 2018, 870 milhões de entradas vendidas e mais de US$ 3 bilhões arrecadados.

O cinema ibero-americano manteve sua posição nos principais mercados europeus vendendo 7,7 milhões de entradas em 2018. Os oito mercados analisados foram: Alemanha, Áustria, França, Itália, Holanda, Reino Unido, Rússia e Turquia. Das 182 estreias contabilizadas neste nove mercados, os filmes com maior presença são: O Homem que Matou D. Quixote (sete mercados), a coprodução brasileira Me Chame pelo Seu Nome (seis mercados) e Escobar - A Traição (cinco mercados).

Os países europeus com o maior número de consumidores de filmes ibero-americanos foram França, Itália e Holanda.

TV

Segundo o levantamento, que analisou 74 canais de TV entre 2010 e 2017, a ficção teve um grande impacto na programação, com 26,1% do tempo total de emissão nas regiões. A telenovela segue sendo o gênero mais consumido na Ibero-América, com quase 58% do total de títulos do período, com muita vantagem sobre as séries convencionais, que registraram 25%.

México, Brasil e Colômbia continuam sendo os maiores produtores deste conteúdo.

Em 2017, oito novelas foram as top-1 em seus países de origem: Brasil (A Força do Querer), Chile (Perdona Nuestros Pecados), Colômbia (Tarde lo Conocí), Espanha (Alli Abajo), México (Hoy Vvoy a Cambiar), Peru (VBQ: Todo Por la Fama), Portugal (A Herdeira) e Venezuela (Para Verte Mejor).



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Cinema ibero-americano cresceu 22,5% em um ano, aponta levantamento


25/06/2019 | 10:29


O cinema ibero-americano teve um crescimento de 16,9 milhões de espectadores em 2018, comparado aos números de 2017. É uma elevação de 22,5% em apenas um ano, segundo o informe anual da Entidade de Gestão de Direitos dos Produtores Audiovisuais da Espanha (EGEDA), sobre o Panorama Audiovisual Ibero-americano, divulgado nesta terça-feira, 25

Ainda segundo o informe, o conteúdo ficcional se consolidou nas redes de TV, ocupando 26,1% da programação. Este informe conta com a colaboração da FIPCA (Federação Ibero-americana de produtores cinematográficos e audiovisuais).

O estudo aponta o número de salas na Ibero-América em 2018: 19.700. O peso mundial do público ibero-americano se mantém em torno de 11%. Essas salas estrearam mais de 6 mil produções. Foram, em 2018, 870 milhões de entradas vendidas e mais de US$ 3 bilhões arrecadados.

O cinema ibero-americano manteve sua posição nos principais mercados europeus vendendo 7,7 milhões de entradas em 2018. Os oito mercados analisados foram: Alemanha, Áustria, França, Itália, Holanda, Reino Unido, Rússia e Turquia. Das 182 estreias contabilizadas neste nove mercados, os filmes com maior presença são: O Homem que Matou D. Quixote (sete mercados), a coprodução brasileira Me Chame pelo Seu Nome (seis mercados) e Escobar - A Traição (cinco mercados).

Os países europeus com o maior número de consumidores de filmes ibero-americanos foram França, Itália e Holanda.

TV

Segundo o levantamento, que analisou 74 canais de TV entre 2010 e 2017, a ficção teve um grande impacto na programação, com 26,1% do tempo total de emissão nas regiões. A telenovela segue sendo o gênero mais consumido na Ibero-América, com quase 58% do total de títulos do período, com muita vantagem sobre as séries convencionais, que registraram 25%.

México, Brasil e Colômbia continuam sendo os maiores produtores deste conteúdo.

Em 2017, oito novelas foram as top-1 em seus países de origem: Brasil (A Força do Querer), Chile (Perdona Nuestros Pecados), Colômbia (Tarde lo Conocí), Espanha (Alli Abajo), México (Hoy Vvoy a Cambiar), Peru (VBQ: Todo Por la Fama), Portugal (A Herdeira) e Venezuela (Para Verte Mejor).

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;