Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 17 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Aposentadoria tranquila requer mudança de cultura

Pixabay Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Planejamento de longo prazo é fundamental; especialistas recomendam guardar 10% do salário


Caio Prates
Do Portal Previdência Total

24/06/2019 | 07:30


As recentes e contínuas discussões sobre as mudanças no sistema previdenciário no Brasil estão sendo um sinal de alerta aos trabalhadores sobre a necessidade de realizar um planejamento para a aposentadoria. Entretanto, economistas e juristas destacam que o brasileiro, em geral, não tem o hábito de se preparar para desfrutar uma aposentadoria tranquila. E esse comportamento provoca série de problemas na velhice: a necessidade de continuar no mercado de trabalho para complementar a renda, queda de padrão de vida e até falta de recursos para manter as necessidades básicas de alimentação e saúde.

O advogado Celso Joaquim Jorgetti, da Advocacia Jorgetti, ressalta que a transição demográfica é hoje uma realidade brasileira. “Nossos idosos estão vivendo mais e as aposentadorias do regime previdenciário público são muito baixas, aquém das necessidades de uma família comum. Assim, para o trabalhador e a sua família continuarem a ter padrão de vida aceitável, uma vez que os gastos tendem a aumentar, é necessário buscar complementação na renda.”

Jorgetti reforça que o planejamento para aposentadoria é cultural. “Estudos comprovam que os brasileiros admitem não ter planejamento para garantir futuro financeiro na hora de deixar de trabalhar, quer seja por não sobrar dinheiro no orçamento ou até mesmo pelo sentimento de que não vale a pena guardar o pouco dinheiro que sobra no fim do mês. Outro fator importante que impede o planejamento da aposentadoria são as crises que frequentemente assolam o País, como o desemprego. Até mesmo aqueles que começam a guardar dinheiro com esse objetivo não conseguem continuar devido a problemas financeiros”, analisa.

Na visão do advogado Thiago Luchin, especialista em planejamento previdenciário do Aith, Badari e Luchin Advogados, a perda do poder de compra dos benefícios previdenciários também é responsável pela busca de alternativas para complementar a renda da casa. “A alternativa mais comum tem sido prorrogar a parada definitiva do trabalho. Na maioria das vezes, essa necessidade decorre da falta de um planejamento da aposentadoria. Com ele, é possível determinar o momento exato para se aposentar, buscando o melhor benefício. Sabendo quanto vai receber de aposentadoria, é possível adequar o modo de vida e ter uma velhice segura e tranquila”, orienta.

ESFORÇO - Para Jorgetti, é essencial começar a pensar em complementação para a aposentadoria do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) ainda jovem, e não apenas quando se aproxima o momento de parar de trabalhar. “É importantíssimo adquirir o hábito de planejar a vida no longo prazo. É indicado que o indivíduo guarde sempre, no mínimo, 10% dos seus rendimentos para um fundo próprio de aposentadoria, pois depender apenas do benefício do INSS não é recomendado”, assinala ele. “É fundamental pensar em combinação entre o futuro benefício, que será vitalício, com a geração de reserva própria, que deve ser iniciada quando ainda se é jovem e que tenha constância ao longo dos anos até o momento da aposentadoria. É sempre importante lembrar que, quanto maior o tempo de contribuição, menor será o valor mensal poupado”, complementa.

De acordo com Luchin, para desfrutar de velhice tranquila, o primeiro passo é buscar aposentadora do INSS mais vantajosa. “Isso é possível por meio do planejamento de aposentadoria. Em segundo, se tiver a possibilidade, o trabalhador deve buscar aposentadoria complementar. E, em terceiro, ele deve realizar aplicações e reservas financeiras e imóveis de aluguel. Assim, e independentemente de sua classe social, ele terá a possibilidade de desfrutar de velhice mais tranquila”, aponta.

O economista e diretor executivo da Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade), Miguel Ribeiro, acredita que culturalmente o brasileiro não se preocupa em viver da Previdência durante sua carreira profissional. “Mas quando a pessoa para de trabalhar e vai depender dessa aposentadoria, ela começa a pensar: ‘Espera aí, esse valor que eu recebo é insuficiente para manter meu padrão de vida’. Por isso, você vê que cada vez mais pessoas idosas que pararam de trabalhar tiveram que voltar, pois o remédio ficou caro, e é a época em que ele gasta mais.”

Ricardo Natali, educador financeiro da Abefin (Associação Brasileira de Educadores Financeiros) e responsável pelo canal no YouTube Lucro FC, defende que “todas as pessoas deveriam se preocupar, porque o dinheiro, no tempo, vale mais. Se a gente está pensando em aposentadoria, qualquer tipo de planejamento que você faça com mais tempo tende a ter resultado melhor”.


Ideal é não depender exclusivamente do INSS

Para Ricardo Natali, é muito provável que reforma acabe dificultando a aposentadoria do cidadão. “Aconselho todas as pessoas a poupar, investir todos os meses para não depender exclusivamente do INSS. Atualmente, a situação já está muito difícil. A gente não pode deixar nossa aposentadoria nas mãos do poder público, porque ele tem de garantir nossas necessidades básicas e nós temos nossos desejos e vontades, e é possível satisfazê-los com planejamento financeiro.”

De acordo com Miguel Ribeiro, o Tesouro direto é opção de aplicação financeira e não há a obrigatoriedade de depositar todo mês. “Então, você tem de ser regrado. Se no meio do caminho você saca o dinheiro e vai viajar para a Europa, aquele planejamento de previdência já foi embora. Na previdência privada há profissionais cuidando do investimento. Entretanto, há nela mais taxas do que as do Tesouro direto. O problema é que as pessoas geralmente não são muito regradas”, avalia.

Na ótica de Natali, a diversificação é o ponto forte do investidor e é o que vai trazer mais rentabilidade. “Quando a gente fala de Tesouro direto, por exemplo, está se falando de um dos melhores ativos que existem. Eu diria ao investidor para buscar conhecimento e conhecer melhor as alternativas para colocar uma parte do seu dinheiro em renda fixa, que são os ativos mais seguros. Ele também deveria ter outros ativos de renda variável e esses, possivelmente, trarão rentabilidade maior. A gente pode falar de ações, de fundos imobiliários ou fundos de investimento. Lançar parte em investimento mais seguro e, outra, em um mais arrojado.”

Ribeiro também observa que a previdência privada é bom instrumento de complemento de renda. “Pois você precisa identificar o quanto a sua renda é suficiente e o quanto você precisa para sobreviver por mês. Bem, você precisa criar fundo de previdência privada para juntá-lo com a Previdência pública e ter mensalmente o que é suficiente. Agora, se a social for o bastante, não precisa se preocupar com a privada, a princípio, pois este é um complemento ao plano de Previdência pública. Na maioria das vezes, é grande parte do benefício que irá responder (pela renda total)”, assinalou ele.
 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Aposentadoria tranquila requer mudança de cultura

Planejamento de longo prazo é fundamental; especialistas recomendam guardar 10% do salário

Caio Prates
Do Portal Previdência Total

24/06/2019 | 07:30


As recentes e contínuas discussões sobre as mudanças no sistema previdenciário no Brasil estão sendo um sinal de alerta aos trabalhadores sobre a necessidade de realizar um planejamento para a aposentadoria. Entretanto, economistas e juristas destacam que o brasileiro, em geral, não tem o hábito de se preparar para desfrutar uma aposentadoria tranquila. E esse comportamento provoca série de problemas na velhice: a necessidade de continuar no mercado de trabalho para complementar a renda, queda de padrão de vida e até falta de recursos para manter as necessidades básicas de alimentação e saúde.

O advogado Celso Joaquim Jorgetti, da Advocacia Jorgetti, ressalta que a transição demográfica é hoje uma realidade brasileira. “Nossos idosos estão vivendo mais e as aposentadorias do regime previdenciário público são muito baixas, aquém das necessidades de uma família comum. Assim, para o trabalhador e a sua família continuarem a ter padrão de vida aceitável, uma vez que os gastos tendem a aumentar, é necessário buscar complementação na renda.”

Jorgetti reforça que o planejamento para aposentadoria é cultural. “Estudos comprovam que os brasileiros admitem não ter planejamento para garantir futuro financeiro na hora de deixar de trabalhar, quer seja por não sobrar dinheiro no orçamento ou até mesmo pelo sentimento de que não vale a pena guardar o pouco dinheiro que sobra no fim do mês. Outro fator importante que impede o planejamento da aposentadoria são as crises que frequentemente assolam o País, como o desemprego. Até mesmo aqueles que começam a guardar dinheiro com esse objetivo não conseguem continuar devido a problemas financeiros”, analisa.

Na visão do advogado Thiago Luchin, especialista em planejamento previdenciário do Aith, Badari e Luchin Advogados, a perda do poder de compra dos benefícios previdenciários também é responsável pela busca de alternativas para complementar a renda da casa. “A alternativa mais comum tem sido prorrogar a parada definitiva do trabalho. Na maioria das vezes, essa necessidade decorre da falta de um planejamento da aposentadoria. Com ele, é possível determinar o momento exato para se aposentar, buscando o melhor benefício. Sabendo quanto vai receber de aposentadoria, é possível adequar o modo de vida e ter uma velhice segura e tranquila”, orienta.

ESFORÇO - Para Jorgetti, é essencial começar a pensar em complementação para a aposentadoria do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) ainda jovem, e não apenas quando se aproxima o momento de parar de trabalhar. “É importantíssimo adquirir o hábito de planejar a vida no longo prazo. É indicado que o indivíduo guarde sempre, no mínimo, 10% dos seus rendimentos para um fundo próprio de aposentadoria, pois depender apenas do benefício do INSS não é recomendado”, assinala ele. “É fundamental pensar em combinação entre o futuro benefício, que será vitalício, com a geração de reserva própria, que deve ser iniciada quando ainda se é jovem e que tenha constância ao longo dos anos até o momento da aposentadoria. É sempre importante lembrar que, quanto maior o tempo de contribuição, menor será o valor mensal poupado”, complementa.

De acordo com Luchin, para desfrutar de velhice tranquila, o primeiro passo é buscar aposentadora do INSS mais vantajosa. “Isso é possível por meio do planejamento de aposentadoria. Em segundo, se tiver a possibilidade, o trabalhador deve buscar aposentadoria complementar. E, em terceiro, ele deve realizar aplicações e reservas financeiras e imóveis de aluguel. Assim, e independentemente de sua classe social, ele terá a possibilidade de desfrutar de velhice mais tranquila”, aponta.

O economista e diretor executivo da Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade), Miguel Ribeiro, acredita que culturalmente o brasileiro não se preocupa em viver da Previdência durante sua carreira profissional. “Mas quando a pessoa para de trabalhar e vai depender dessa aposentadoria, ela começa a pensar: ‘Espera aí, esse valor que eu recebo é insuficiente para manter meu padrão de vida’. Por isso, você vê que cada vez mais pessoas idosas que pararam de trabalhar tiveram que voltar, pois o remédio ficou caro, e é a época em que ele gasta mais.”

Ricardo Natali, educador financeiro da Abefin (Associação Brasileira de Educadores Financeiros) e responsável pelo canal no YouTube Lucro FC, defende que “todas as pessoas deveriam se preocupar, porque o dinheiro, no tempo, vale mais. Se a gente está pensando em aposentadoria, qualquer tipo de planejamento que você faça com mais tempo tende a ter resultado melhor”.


Ideal é não depender exclusivamente do INSS

Para Ricardo Natali, é muito provável que reforma acabe dificultando a aposentadoria do cidadão. “Aconselho todas as pessoas a poupar, investir todos os meses para não depender exclusivamente do INSS. Atualmente, a situação já está muito difícil. A gente não pode deixar nossa aposentadoria nas mãos do poder público, porque ele tem de garantir nossas necessidades básicas e nós temos nossos desejos e vontades, e é possível satisfazê-los com planejamento financeiro.”

De acordo com Miguel Ribeiro, o Tesouro direto é opção de aplicação financeira e não há a obrigatoriedade de depositar todo mês. “Então, você tem de ser regrado. Se no meio do caminho você saca o dinheiro e vai viajar para a Europa, aquele planejamento de previdência já foi embora. Na previdência privada há profissionais cuidando do investimento. Entretanto, há nela mais taxas do que as do Tesouro direto. O problema é que as pessoas geralmente não são muito regradas”, avalia.

Na ótica de Natali, a diversificação é o ponto forte do investidor e é o que vai trazer mais rentabilidade. “Quando a gente fala de Tesouro direto, por exemplo, está se falando de um dos melhores ativos que existem. Eu diria ao investidor para buscar conhecimento e conhecer melhor as alternativas para colocar uma parte do seu dinheiro em renda fixa, que são os ativos mais seguros. Ele também deveria ter outros ativos de renda variável e esses, possivelmente, trarão rentabilidade maior. A gente pode falar de ações, de fundos imobiliários ou fundos de investimento. Lançar parte em investimento mais seguro e, outra, em um mais arrojado.”

Ribeiro também observa que a previdência privada é bom instrumento de complemento de renda. “Pois você precisa identificar o quanto a sua renda é suficiente e o quanto você precisa para sobreviver por mês. Bem, você precisa criar fundo de previdência privada para juntá-lo com a Previdência pública e ter mensalmente o que é suficiente. Agora, se a social for o bastante, não precisa se preocupar com a privada, a princípio, pois este é um complemento ao plano de Previdência pública. Na maioria das vezes, é grande parte do benefício que irá responder (pela renda total)”, assinalou ele.
 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;