Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 18 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

São Paulo, municipalismo 4.0


Do Diário do Grande ABC

20/06/2019 | 11:50


 Artigo

O grande contraste entre os serviços oferecidos pelo poder público e pela iniciativa privada tem componente-chave: a burocracia. Em maio, causou surpresa quando o governador João Doria fez a primeira autorização de convênios com 167 prefeituras paulistas. Na ocasião, nenhum papel foi usado e, pela primeira vez no Palácio dos Bandeirantes, a autorização foi digital, dando a linha de inovação na relação municipalista do novo governo. Combater a arte de complicar, dificultar, tomar tempo e recursos é o grande desafio dos governos mundo afora. A capacidade do Estado de prover soluções aos problemas da população de forma ágil e simples é a chave para o sucesso das estruturas modernas.

Nos últimos anos, São Paulo avançou na informatização, mas tem papel fundamental no aprofundamento do processo de desburocratização e digitalização. Bons exemplos, de serviços como o Poupatempo têm a tarefa de seguir avançando, tornando cada vez mais desnecessária a presença física do cidadão em repartição pública. O desafio é enorme. Eficiência, transparência, menos burocracia, redução dos custos, inteligência artificial e blockchain devem ser os mantras das administrações modernas. Estado afora são centenas de repartições (mais de 230), estruturas com sobreposições de funções e serviços que poderiam ser realizados virtualmente. Estima-se que ao menos 120 mil ofícios são protocolados no governo do Estado mensalmente. Verdadeira ação cartorial, consumindo papel, tempo e recursos dos gestores e resultando em baixa efetividade. Para combater este cenário, a gestão Doria trabalha o municipalismo 4.0, construído com base nos princípios da redução de custeio, melhoria na qualidade dos serviços prestados, maior transparência e combate à corrupção.

Respeitando esses valores, as secretarias de Governo e de Desenvolvimento Regional estão estruturando dois projetos inovadores. O Canal Direto, São Paulo Mais Perto levará o modelo Poupatempo aos escritórios regionais, reduzindo custos e aumentando a efetividade dos serviços ao mesmo tempo em que dará maior capilaridade às ações junto aos gestores. Já o Programa São Paulo Sem Papel pretende extinguir o uso do papel nas relações entre Estado e municípios, gerindo as demandas, os contratos e convênios com as prefeituras, encurtando caminho, tempo e recursos, e acabando com a política do ofício. Sopram novos ventos no municipalismo paulista. Do fortalecimento, brilhantemente conduzido pelo governador André Franco Montoro, à revolução digital 4.0 iniciada agora restam intactos os princípios da autonomia, da descentralização administrativa e do empoderamento das cidades. Agora por meio digital.

Marco Vinholi é secretário de Desenvolvimento Regional do Estado de São Paulo e presidente do diretório estadual do PSDB-SP.

Palavra do Leitor

Queremos Metrô!
Caro governador Doria, tenho desconfiança das suas intenções. O prefeito Morando o ajudou na campanha no Grande ABC e o povo deu o voto ao senhor, esperando que o Metrô fosse transformado em realidade. Alckmin não obteve êxito por ‘boicote’ de Dilma e de Padilha. Agora, não sei por que o governador mudou tudo e falou que o projeto do BRT já está assinado desde 2014. O senhor já imaginou ônibus enorme andando na Avenida Guido Aliberti, que tem todas aquelas curvas? O senhor está acostumado a mudar seus planos, mas nós acompanhamos os projetos do Metrô desde 2009 no Grande ABC. Não estamos pressionando, só queremos o que é nosso! O que são R$ 600 milhões para o governo fazer as desapropriações? Se pretende candidatar-se à Presidência do Brasil, esqueça o Grande ABC.
Nilzete Oliveira
São Caetano

Moro – 1
Na condição de brasileiro e em meio aos ataques da ‘turma dos descontentes’, enalteço, saúdo e agradeço o insigne protagonismo do juiz Sergio Moro no exercício da magistratura. Com conduta irretocável, dignificou a função do Judiciário em exemplo insofismável de patriotismo e democracia. Ministro Sergio Moro, o Brasil do bem está com o senhor.
Adauto Campanella
São Caetano

Moro – 2
Deixa de ser hilário e passa a ser triste ver deputados enrolados na corrupção quererem peitar Sergio Moro como se tivessem alguma moral ou crédito para isso. Moro é Brasil! O resto é corrupto metido a honesto. Moro encarou a maior quadrilha de corrupção do mundo, encabeçada por Lula. Só no Brasil esses caras podem ter espaço. Deveriam devolver o que levaram e ainda perderem os mandatos.
Antônio José Gomes Marques
Rio de Janeiro

Resistência
É incrível! Brasileiros vendo Brasil travado por poderes adversos aos interesses do País e contrapondo a política e a administração pública por governo anticorrupto, honesto e patriota. Bolsonaro, com proposta de muita seriedade e lisura na prestação de contas públicas, lutando pelo melhor atendimento dos serviços essenciais aos contribuintes, encontra seriíssima resistência por parte do Legislativo, que luta a todo custo para impor o seu velho costume do lesa-pátria, o ‘toma lá dá cá’. Bolsonaro resiste, negando pedidos indiretos de parte dos maus parlamentares, que visam apenas seus interesses particulares, não aprovando ou dificultando projetos do governo que visam moralizar a administração pública federal. Onde fica o Poder Judiciário, que assiste a esses debates sem intervir? E as Forças Armadas, em último recurso, até quando ficarão de camarote assistindo à depredação do País?
Benone Augusto de Paiva
Capital

Odebrecht – 1
Quem fez benesses e emprestou dinheiro público, sem garantias, para Odebrecht nos governos do PT que pague (Economia, ontem). O povo foi lesado duas vezes: foram feitos empréstimos do BB (Banco do Brasil), Caixa e BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) para Odebrecht sem nos consultar e agora seremos os últimos a receber! Quem deve arcar com dívidas da Odebrecht são os governos do PT e agregados!
Tânia Tavares
Capital

Odebrecht – 2
Absurdo! Resíduo do fétido lamaçal petista, bancos públicos como o BNDES, BB e Caixa chegaram a emprestar para o quase falido Grupo Odebrecht R$ 17 bilhões! Porém, com o pedido de recuperação judicial da empresa, diga-se, corruptora de políticos – que acumula dívida monstruosa de R$ 98,5 bilhões, a maior da história brasileira – certamente os bancos públicos citados serão os últimos a receber entre os credores! E, por incrível que possa parecer, BNDES, BB e Caixa fizeram os empréstimos sem garantia alguma. Ou seja, recursos esses também dos contribuintes, que vão virar pó.
Paulo Panossian
São Carlos (SP)
 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

São Paulo, municipalismo 4.0

Do Diário do Grande ABC

20/06/2019 | 11:50


 Artigo

O grande contraste entre os serviços oferecidos pelo poder público e pela iniciativa privada tem componente-chave: a burocracia. Em maio, causou surpresa quando o governador João Doria fez a primeira autorização de convênios com 167 prefeituras paulistas. Na ocasião, nenhum papel foi usado e, pela primeira vez no Palácio dos Bandeirantes, a autorização foi digital, dando a linha de inovação na relação municipalista do novo governo. Combater a arte de complicar, dificultar, tomar tempo e recursos é o grande desafio dos governos mundo afora. A capacidade do Estado de prover soluções aos problemas da população de forma ágil e simples é a chave para o sucesso das estruturas modernas.

Nos últimos anos, São Paulo avançou na informatização, mas tem papel fundamental no aprofundamento do processo de desburocratização e digitalização. Bons exemplos, de serviços como o Poupatempo têm a tarefa de seguir avançando, tornando cada vez mais desnecessária a presença física do cidadão em repartição pública. O desafio é enorme. Eficiência, transparência, menos burocracia, redução dos custos, inteligência artificial e blockchain devem ser os mantras das administrações modernas. Estado afora são centenas de repartições (mais de 230), estruturas com sobreposições de funções e serviços que poderiam ser realizados virtualmente. Estima-se que ao menos 120 mil ofícios são protocolados no governo do Estado mensalmente. Verdadeira ação cartorial, consumindo papel, tempo e recursos dos gestores e resultando em baixa efetividade. Para combater este cenário, a gestão Doria trabalha o municipalismo 4.0, construído com base nos princípios da redução de custeio, melhoria na qualidade dos serviços prestados, maior transparência e combate à corrupção.

Respeitando esses valores, as secretarias de Governo e de Desenvolvimento Regional estão estruturando dois projetos inovadores. O Canal Direto, São Paulo Mais Perto levará o modelo Poupatempo aos escritórios regionais, reduzindo custos e aumentando a efetividade dos serviços ao mesmo tempo em que dará maior capilaridade às ações junto aos gestores. Já o Programa São Paulo Sem Papel pretende extinguir o uso do papel nas relações entre Estado e municípios, gerindo as demandas, os contratos e convênios com as prefeituras, encurtando caminho, tempo e recursos, e acabando com a política do ofício. Sopram novos ventos no municipalismo paulista. Do fortalecimento, brilhantemente conduzido pelo governador André Franco Montoro, à revolução digital 4.0 iniciada agora restam intactos os princípios da autonomia, da descentralização administrativa e do empoderamento das cidades. Agora por meio digital.

Marco Vinholi é secretário de Desenvolvimento Regional do Estado de São Paulo e presidente do diretório estadual do PSDB-SP.

Palavra do Leitor

Queremos Metrô!
Caro governador Doria, tenho desconfiança das suas intenções. O prefeito Morando o ajudou na campanha no Grande ABC e o povo deu o voto ao senhor, esperando que o Metrô fosse transformado em realidade. Alckmin não obteve êxito por ‘boicote’ de Dilma e de Padilha. Agora, não sei por que o governador mudou tudo e falou que o projeto do BRT já está assinado desde 2014. O senhor já imaginou ônibus enorme andando na Avenida Guido Aliberti, que tem todas aquelas curvas? O senhor está acostumado a mudar seus planos, mas nós acompanhamos os projetos do Metrô desde 2009 no Grande ABC. Não estamos pressionando, só queremos o que é nosso! O que são R$ 600 milhões para o governo fazer as desapropriações? Se pretende candidatar-se à Presidência do Brasil, esqueça o Grande ABC.
Nilzete Oliveira
São Caetano

Moro – 1
Na condição de brasileiro e em meio aos ataques da ‘turma dos descontentes’, enalteço, saúdo e agradeço o insigne protagonismo do juiz Sergio Moro no exercício da magistratura. Com conduta irretocável, dignificou a função do Judiciário em exemplo insofismável de patriotismo e democracia. Ministro Sergio Moro, o Brasil do bem está com o senhor.
Adauto Campanella
São Caetano

Moro – 2
Deixa de ser hilário e passa a ser triste ver deputados enrolados na corrupção quererem peitar Sergio Moro como se tivessem alguma moral ou crédito para isso. Moro é Brasil! O resto é corrupto metido a honesto. Moro encarou a maior quadrilha de corrupção do mundo, encabeçada por Lula. Só no Brasil esses caras podem ter espaço. Deveriam devolver o que levaram e ainda perderem os mandatos.
Antônio José Gomes Marques
Rio de Janeiro

Resistência
É incrível! Brasileiros vendo Brasil travado por poderes adversos aos interesses do País e contrapondo a política e a administração pública por governo anticorrupto, honesto e patriota. Bolsonaro, com proposta de muita seriedade e lisura na prestação de contas públicas, lutando pelo melhor atendimento dos serviços essenciais aos contribuintes, encontra seriíssima resistência por parte do Legislativo, que luta a todo custo para impor o seu velho costume do lesa-pátria, o ‘toma lá dá cá’. Bolsonaro resiste, negando pedidos indiretos de parte dos maus parlamentares, que visam apenas seus interesses particulares, não aprovando ou dificultando projetos do governo que visam moralizar a administração pública federal. Onde fica o Poder Judiciário, que assiste a esses debates sem intervir? E as Forças Armadas, em último recurso, até quando ficarão de camarote assistindo à depredação do País?
Benone Augusto de Paiva
Capital

Odebrecht – 1
Quem fez benesses e emprestou dinheiro público, sem garantias, para Odebrecht nos governos do PT que pague (Economia, ontem). O povo foi lesado duas vezes: foram feitos empréstimos do BB (Banco do Brasil), Caixa e BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) para Odebrecht sem nos consultar e agora seremos os últimos a receber! Quem deve arcar com dívidas da Odebrecht são os governos do PT e agregados!
Tânia Tavares
Capital

Odebrecht – 2
Absurdo! Resíduo do fétido lamaçal petista, bancos públicos como o BNDES, BB e Caixa chegaram a emprestar para o quase falido Grupo Odebrecht R$ 17 bilhões! Porém, com o pedido de recuperação judicial da empresa, diga-se, corruptora de políticos – que acumula dívida monstruosa de R$ 98,5 bilhões, a maior da história brasileira – certamente os bancos públicos citados serão os últimos a receber entre os credores! E, por incrível que possa parecer, BNDES, BB e Caixa fizeram os empréstimos sem garantia alguma. Ou seja, recursos esses também dos contribuintes, que vão virar pó.
Paulo Panossian
São Carlos (SP)
 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;