Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 23 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Funcionários do BNDES recebem Montezano preocupados com caixa-preta e devoluções



19/06/2019 | 15:02


A AFBNDES, associação que representa os funcionários do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), receberá o futuro presidente da instituição de fomento, Gustavo Montezano, "aberta ao diálogo", mas com preocupações em relação aos objetivos de abrir a suposta "caixa-preta" e de devolver empréstimos à União de forma acelerada. A avaliação é do vice-presidente da AFBNDES, Arthur Koblitz.

Segundo o dirigente, conforme noticiado pela imprensa, essas foram as duas razões alegadas para a pressão sobre Joaquim Levy, que pediu demissão do BNDES no domingo, após críticas públicas do presidente Jair Bolsonaro. "Escolheram dois péssimos motivos para afastar o Levy", afirmou Koblitz, após participar de ato contra a retirada da destinação dos recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) como fonte de financiamento do BNDES.

Hoje, 40% da receita anual do FAT são emprestados ao BNDES. A ideia de mudar a destinação do FAT está no relatório da proposta de emenda constitucional (PEC) da reforma da Previdência na comissão especial da Câmara dos Deputados, elaborado pelo relator Samuel Moreira (PSDB-SP), que quer direcionar os recursos para pagar pensões e aposentadorias. Segundo Koblitz, o ato estava marcado desde antes da demissão de Levy.

Na visão da AFBNDES, o banco já divulga todas as informações possíveis em seu site e os servidores de carreira não se envolveram em irregularidades, mesmo nas operações polêmicas aprovadas nos governos do PT.

"O que quer dizer abrir a 'caixa-preta'? Faltam dados? O site precisa ser mais didático? Especialistas dizem que não. Querem nomes e CPFs? Fazer perseguição?", questionou Koblitz.

Sobre as devoluções antecipadas dos aportes bilionários feitos pelo Tesouro Nacional no BNDES entre 2008 e 2014, o vice-presidente da AFBNDES disse que o temor está no fato de haver interpretações que consideram a medida como ilegal perante a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Funcionários do BNDES recebem Montezano preocupados com caixa-preta e devoluções


19/06/2019 | 15:02


A AFBNDES, associação que representa os funcionários do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), receberá o futuro presidente da instituição de fomento, Gustavo Montezano, "aberta ao diálogo", mas com preocupações em relação aos objetivos de abrir a suposta "caixa-preta" e de devolver empréstimos à União de forma acelerada. A avaliação é do vice-presidente da AFBNDES, Arthur Koblitz.

Segundo o dirigente, conforme noticiado pela imprensa, essas foram as duas razões alegadas para a pressão sobre Joaquim Levy, que pediu demissão do BNDES no domingo, após críticas públicas do presidente Jair Bolsonaro. "Escolheram dois péssimos motivos para afastar o Levy", afirmou Koblitz, após participar de ato contra a retirada da destinação dos recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) como fonte de financiamento do BNDES.

Hoje, 40% da receita anual do FAT são emprestados ao BNDES. A ideia de mudar a destinação do FAT está no relatório da proposta de emenda constitucional (PEC) da reforma da Previdência na comissão especial da Câmara dos Deputados, elaborado pelo relator Samuel Moreira (PSDB-SP), que quer direcionar os recursos para pagar pensões e aposentadorias. Segundo Koblitz, o ato estava marcado desde antes da demissão de Levy.

Na visão da AFBNDES, o banco já divulga todas as informações possíveis em seu site e os servidores de carreira não se envolveram em irregularidades, mesmo nas operações polêmicas aprovadas nos governos do PT.

"O que quer dizer abrir a 'caixa-preta'? Faltam dados? O site precisa ser mais didático? Especialistas dizem que não. Querem nomes e CPFs? Fazer perseguição?", questionou Koblitz.

Sobre as devoluções antecipadas dos aportes bilionários feitos pelo Tesouro Nacional no BNDES entre 2008 e 2014, o vice-presidente da AFBNDES disse que o temor está no fato de haver interpretações que consideram a medida como ilegal perante a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;