Fechar
Publicidade

Sábado, 20 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Rebelião liderada pelo PCC deixa dez mortos em presídio do Paraguai



17/06/2019 | 20:23


Uma rebelião liderada por integrantes da facção paulista Primeiro Comando da Capital (PCC) deixou dez detentos mortos e outros 12 feridos no domingo, 16, na penitenciária de San Pedro, Paraguai. Cinco vítimas foram decapitadas, três tiveram os corpos carbonizados e duas morreram baleadas, segundo a Polícia Nacional do Paraguai.

Conforme o Ministério do Interior daquele país, os brasileiros entraram em confronto com presos da facção local Clã Rotela, em briga pelo comando da prisão. Autoridades de Assunção admitem que o PCC já controla grande parte do sistema penitenciário paraguaio.

Segundo o ministro do Interior, Juan Maria Villamayor, os presos chefiados pelo criminoso Armando Rotela foram atacados a tiros e golpes de facas artesanais pelos membros do PCC. Os agentes penitenciários acionaram a Polícia Nacional após ouvirem disparos no interior da ala.

No confronto, alguns presos foram enrolados em colchões e incendiados. A polícia negociou a entrada no presídio para socorrer feridos. Entre os mortos já identificados, todos tinham eram paraguaios e tinham entre 22 e 30 anos.

Conforme Villamayor, o massacre está relacionado ao assassinato de dois detentos, na sexta-feira, no presídio de Tacumbú, em Assunção. Na ocasião, membros do PCC executaram dois presos e deixaram outro ferido, durante 'batismo de sangue' realizado pela facção para admitir novos integrantes. As vítimas seriam do clã Rotela. Dois presos envolvidos nessas mortes foram transferidos para San Pedro e, ao encontrarem a facção rival, houve confronto.

Na noite de domingo, houve nova rebelião na Penitenciária de Tacumbú, onde Rotela estava preso. O traficante teria tentando amotinar seus seguidores para se vingar do massacre de membros do clã em San Pedro. O motim foi controlado e dois ficaram feridos.

Na manhã desta segunda, o ministro da Justiça, Julio Javier Ríos, anunciou a destituição do diretor do presídio de San Pedro, Wilfrido Quintana, e do diretor de Estabelecimentos Penitenciários, Blaz Martínez. Segundo ele, as primeiras apurações indicam que as recentes matanças em unidades prisionais do país podem ter acontecido por causa da negligência ou cumplicidade dos agentes penitenciários, com a omissão dos dirigentes.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Rebelião liderada pelo PCC deixa dez mortos em presídio do Paraguai


17/06/2019 | 20:23


Uma rebelião liderada por integrantes da facção paulista Primeiro Comando da Capital (PCC) deixou dez detentos mortos e outros 12 feridos no domingo, 16, na penitenciária de San Pedro, Paraguai. Cinco vítimas foram decapitadas, três tiveram os corpos carbonizados e duas morreram baleadas, segundo a Polícia Nacional do Paraguai.

Conforme o Ministério do Interior daquele país, os brasileiros entraram em confronto com presos da facção local Clã Rotela, em briga pelo comando da prisão. Autoridades de Assunção admitem que o PCC já controla grande parte do sistema penitenciário paraguaio.

Segundo o ministro do Interior, Juan Maria Villamayor, os presos chefiados pelo criminoso Armando Rotela foram atacados a tiros e golpes de facas artesanais pelos membros do PCC. Os agentes penitenciários acionaram a Polícia Nacional após ouvirem disparos no interior da ala.

No confronto, alguns presos foram enrolados em colchões e incendiados. A polícia negociou a entrada no presídio para socorrer feridos. Entre os mortos já identificados, todos tinham eram paraguaios e tinham entre 22 e 30 anos.

Conforme Villamayor, o massacre está relacionado ao assassinato de dois detentos, na sexta-feira, no presídio de Tacumbú, em Assunção. Na ocasião, membros do PCC executaram dois presos e deixaram outro ferido, durante 'batismo de sangue' realizado pela facção para admitir novos integrantes. As vítimas seriam do clã Rotela. Dois presos envolvidos nessas mortes foram transferidos para San Pedro e, ao encontrarem a facção rival, houve confronto.

Na noite de domingo, houve nova rebelião na Penitenciária de Tacumbú, onde Rotela estava preso. O traficante teria tentando amotinar seus seguidores para se vingar do massacre de membros do clã em San Pedro. O motim foi controlado e dois ficaram feridos.

Na manhã desta segunda, o ministro da Justiça, Julio Javier Ríos, anunciou a destituição do diretor do presídio de San Pedro, Wilfrido Quintana, e do diretor de Estabelecimentos Penitenciários, Blaz Martínez. Segundo ele, as primeiras apurações indicam que as recentes matanças em unidades prisionais do país podem ter acontecido por causa da negligência ou cumplicidade dos agentes penitenciários, com a omissão dos dirigentes.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;