Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 17 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Maia diz que propôs projeto para capitalização ao ministro Guedes



17/06/2019 | 19:25


O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta segunda-feira, 17, que tinha proposto, na semana passada, ao ministro da Economia, Paulo Guedes, que o governo enviasse um projeto de lei que tratasse da capitalização, tema que foi retirado da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da Previdência no relatório final. Um possível projeto foi citado pelo ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, como alternativa caso o governo não consiga reintroduzir a capitalização nas discussões finais.

"Foi a proposta que eu fiz ao ministro Paulo Guedes na semana passada. Mas acho que ele não gostou", disse Rodrigo Mais, após participar do Ethanol Summit, em São Paulo. Indagado sobre essa possibilidade, aberta por Onyx, no mesmo evento na capital paulistana, Maia emendou: "O ministro da economia é o Paulo Guedes". Para o presidente da Câmara, ainda há brechas para a reintrodução da capitalização na PEC da Previdência. "É só pegar o destaque do deputado Mauro Benevides (PDT-CE), ou puxar de volta o texto do governo e ver se tem voto. É democrático e o PSL pode fazer isso."

Maia evitou polêmicas ao ser questionado sobre o pedido do presidente Jair Bolsonaro para que a população pressione senadores a rejeitarem projetos que anulem o decreto dele para flexibilizar o porte de armas no País "Não devemos gerar mais polêmica, o presidente tem a posição dele, sempre defendeu isso e cabe ao Parlamento ou modificar a lei, ou derrubar o decreto", disse.

O presidente da Câmara, que mais cedo considerou uma "covardia sem precedentes" a saída do presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Joaquim Levy, reforçou as críticas à forma da saída do executivo. "Demitir é uma prerrogativa do presidente da República e do ministro da Fazenda, só acho que o formato não foi o mais adequado."



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Maia diz que propôs projeto para capitalização ao ministro Guedes


17/06/2019 | 19:25


O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta segunda-feira, 17, que tinha proposto, na semana passada, ao ministro da Economia, Paulo Guedes, que o governo enviasse um projeto de lei que tratasse da capitalização, tema que foi retirado da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da Previdência no relatório final. Um possível projeto foi citado pelo ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, como alternativa caso o governo não consiga reintroduzir a capitalização nas discussões finais.

"Foi a proposta que eu fiz ao ministro Paulo Guedes na semana passada. Mas acho que ele não gostou", disse Rodrigo Mais, após participar do Ethanol Summit, em São Paulo. Indagado sobre essa possibilidade, aberta por Onyx, no mesmo evento na capital paulistana, Maia emendou: "O ministro da economia é o Paulo Guedes". Para o presidente da Câmara, ainda há brechas para a reintrodução da capitalização na PEC da Previdência. "É só pegar o destaque do deputado Mauro Benevides (PDT-CE), ou puxar de volta o texto do governo e ver se tem voto. É democrático e o PSL pode fazer isso."

Maia evitou polêmicas ao ser questionado sobre o pedido do presidente Jair Bolsonaro para que a população pressione senadores a rejeitarem projetos que anulem o decreto dele para flexibilizar o porte de armas no País "Não devemos gerar mais polêmica, o presidente tem a posição dele, sempre defendeu isso e cabe ao Parlamento ou modificar a lei, ou derrubar o decreto", disse.

O presidente da Câmara, que mais cedo considerou uma "covardia sem precedentes" a saída do presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Joaquim Levy, reforçou as críticas à forma da saída do executivo. "Demitir é uma prerrogativa do presidente da República e do ministro da Fazenda, só acho que o formato não foi o mais adequado."

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;