Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 17 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Criadores falam sobre a animação 'Gigablaster'



17/06/2019 | 08:30


Está chegando nesta segunda-feira, 17, às 18h15, no Gloob, a animação "Gigablaster", mas que também poderá ser visto no GloobPlay, a partir do dia 18. Criação de Thiago Martins, Marco Pavão e Cazé Pecini, da produtora Estricnina, traz as aventuras do rinoceronte azul Giga, que precisa cantar bem no karaokê de seu pai, o Zumbi Papai Maneiro, para superar o lendário Japonês Sem Cabeça. Os criadores da obra que quer conquistar o público infantil falam, em conjunto, sobre essa nova aventura.

Como surgiu a ideia do personagem e da história?

Nós acompanhamos desenhos desde crianças e fomos criando personagens a partir das nossas referências pessoais. Já tínhamos contato com o canal Gloob e, entre um papo e outro sobre um novo desenho, a ideia de Gigablaster aconteceu. Criamos uma família que mora na cidade de Caçapa do Canto dentro de um karaokê, onde consideramos ser um lugar livre de preconceitos. Os personagens centrais são Giga, um rinoceronte azul e herói improvável, sua irmã mais velha, a adolescente Rubi, o caçula e geek, Zigg e pelo Papai Maneiro, um zumbi.

Como foi a escolha das vozes?

Apresentamos o universo e cada personagem para a Ultrassom, parceira que cuida das vozes originais e, a partir das características de cada um, nos mandaram opções de atores. Nós três ouvimos e selecionamos e foi quase unânime. As vozes são, sem dúvida, um ponto alto do nosso desenho. As gravações são extremamente divertidas e já está difícil dissociar os atores dos personagens devido a tamanha identificação que tiveram.

Qual o processo para a confecção do desenho?

Começamos pensando as histórias e a relação entre os personagens, depois disso, escrevemos as sinopses, que são passadas para os roteiristas. Após a aprovação dos roteiros, passamos para a gravação das vozes com os atores. Depois, os boardes (artistas que produzem o storyboard) entram em ação, junto com os diretores da série, transformando o roteiro em uma espécie de rascunho do desenho, com poses e expressões. Assim que o animatic (quadrinhos com animação rústica) é aprovado, a equipe de artistas e animadores do Copa estúdio entra em ação, dando vida aos personagens.

Qual foi a preocupação ao criar uma série para crianças?

A responsabilidade é maior, pois, além de divertir, queremos informar de maneira segura e criativa.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Criadores falam sobre a animação 'Gigablaster'


17/06/2019 | 08:30


Está chegando nesta segunda-feira, 17, às 18h15, no Gloob, a animação "Gigablaster", mas que também poderá ser visto no GloobPlay, a partir do dia 18. Criação de Thiago Martins, Marco Pavão e Cazé Pecini, da produtora Estricnina, traz as aventuras do rinoceronte azul Giga, que precisa cantar bem no karaokê de seu pai, o Zumbi Papai Maneiro, para superar o lendário Japonês Sem Cabeça. Os criadores da obra que quer conquistar o público infantil falam, em conjunto, sobre essa nova aventura.

Como surgiu a ideia do personagem e da história?

Nós acompanhamos desenhos desde crianças e fomos criando personagens a partir das nossas referências pessoais. Já tínhamos contato com o canal Gloob e, entre um papo e outro sobre um novo desenho, a ideia de Gigablaster aconteceu. Criamos uma família que mora na cidade de Caçapa do Canto dentro de um karaokê, onde consideramos ser um lugar livre de preconceitos. Os personagens centrais são Giga, um rinoceronte azul e herói improvável, sua irmã mais velha, a adolescente Rubi, o caçula e geek, Zigg e pelo Papai Maneiro, um zumbi.

Como foi a escolha das vozes?

Apresentamos o universo e cada personagem para a Ultrassom, parceira que cuida das vozes originais e, a partir das características de cada um, nos mandaram opções de atores. Nós três ouvimos e selecionamos e foi quase unânime. As vozes são, sem dúvida, um ponto alto do nosso desenho. As gravações são extremamente divertidas e já está difícil dissociar os atores dos personagens devido a tamanha identificação que tiveram.

Qual o processo para a confecção do desenho?

Começamos pensando as histórias e a relação entre os personagens, depois disso, escrevemos as sinopses, que são passadas para os roteiristas. Após a aprovação dos roteiros, passamos para a gravação das vozes com os atores. Depois, os boardes (artistas que produzem o storyboard) entram em ação, junto com os diretores da série, transformando o roteiro em uma espécie de rascunho do desenho, com poses e expressões. Assim que o animatic (quadrinhos com animação rústica) é aprovado, a equipe de artistas e animadores do Copa estúdio entra em ação, dando vida aos personagens.

Qual foi a preocupação ao criar uma série para crianças?

A responsabilidade é maior, pois, além de divertir, queremos informar de maneira segura e criativa.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;