Fechar
Publicidade

Sábado, 20 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Índia aumenta tarifas sobre importação de 29 tipos de produtos dos EUA



16/06/2019 | 13:25


A Índia vai impor tarifas mais altas sobre alguns bens importados dos Estados Unidos, de acordo com autoridades indianas, em uma aparente resposta à decisão americana, anunciada no início de junho, de remover benefícios comerciais especiais de que o país asiático desfrutava.

A medida de Nova Délhi entra em vigor neste domingo, apenas dias antes de uma visita do secretário de Estado americano, Mike Pompeo, à capital indiana com o objetivo de turbinar os laços entre os dois países.

Os EUA e a Índia, embora tenham ampliado dramaticamente suas relações ao longo da última década, passaram por uma escalada nas tensões comerciais recentemente após o governo de Donald Trump aplicar tarifas sobre produtos de aço e alumínio um ano atrás. O governo indiano respondeu ao aprovar um aumento de 120% das tarifas sobre a importação de 29 produtos americanos.

Autoridades indianas postergaram a entrada em vigor dessas tarifas por um ano na esperança de que os EUA reconsiderassem as cobranças adicionais sobre aço e alumínio da Índia.

No início do mês, Washington removeu alguns benefícios de que a ainda gozava sob um status comercial especial com os EUA. Essa decisão adicionou tarifas de até 7% sobre bens exportados da Índia como químicos e autopeças. Em 2018, os produtos afetados responderam por mais de 11%, ou US$ 6,3 bilhões, do total de bens exportados pela Índia sob aquele status especial, de acordo com o Serviço de Pesquisa do Congresso dos EUA.

Isso levou Nova Délhi a ir adiante com as tarifas que aprovou no ano passado, afetando cerca de US$ 220 milhões em comércio de produtos como nozes e maçãs, dizem as autoridades. "Não é retaliatório. Esperamos por um ano e, agora, simplesmente vamos adiante", disse uma dessas autoridades.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Índia aumenta tarifas sobre importação de 29 tipos de produtos dos EUA


16/06/2019 | 13:25


A Índia vai impor tarifas mais altas sobre alguns bens importados dos Estados Unidos, de acordo com autoridades indianas, em uma aparente resposta à decisão americana, anunciada no início de junho, de remover benefícios comerciais especiais de que o país asiático desfrutava.

A medida de Nova Délhi entra em vigor neste domingo, apenas dias antes de uma visita do secretário de Estado americano, Mike Pompeo, à capital indiana com o objetivo de turbinar os laços entre os dois países.

Os EUA e a Índia, embora tenham ampliado dramaticamente suas relações ao longo da última década, passaram por uma escalada nas tensões comerciais recentemente após o governo de Donald Trump aplicar tarifas sobre produtos de aço e alumínio um ano atrás. O governo indiano respondeu ao aprovar um aumento de 120% das tarifas sobre a importação de 29 produtos americanos.

Autoridades indianas postergaram a entrada em vigor dessas tarifas por um ano na esperança de que os EUA reconsiderassem as cobranças adicionais sobre aço e alumínio da Índia.

No início do mês, Washington removeu alguns benefícios de que a ainda gozava sob um status comercial especial com os EUA. Essa decisão adicionou tarifas de até 7% sobre bens exportados da Índia como químicos e autopeças. Em 2018, os produtos afetados responderam por mais de 11%, ou US$ 6,3 bilhões, do total de bens exportados pela Índia sob aquele status especial, de acordo com o Serviço de Pesquisa do Congresso dos EUA.

Isso levou Nova Délhi a ir adiante com as tarifas que aprovou no ano passado, afetando cerca de US$ 220 milhões em comércio de produtos como nozes e maçãs, dizem as autoridades. "Não é retaliatório. Esperamos por um ano e, agora, simplesmente vamos adiante", disse uma dessas autoridades.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;