Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 19 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

diarinho@dgabc.com.br | 4435-8396

'Toy Story 4' é verdadeira viagem de descoberta

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Jornada sobre necessidade de encontrar seu lugar no mundo agita animação, que estreia quinta


Luís Felipe Soares
Diário do Grande ABC

16/06/2019 | 07:00


A criatividade de Bonnie para bolar diversas histórias e situações agita o cotidiano de seus brinquedos. Quem não está muito contente no quarto é Woody, que tem sido deixado um pouco de lado nos últimos tempos e tenta se encaixar na dinâmica do local, uma vez que não é mais o líder do quarto. Ele parece reencontrar importância ao servir de protetor ao recém-chegado Garfinho, atual companheiro preferido da menina. É conectando o destino dos três personagens citados que a Pixar volta às telonas com Toy Story 4, cuja estreia nos cinemas brasileiros ocorre na quinta-feira.

No filme anterior, o jovem adulto Andy entregou Woody, Buzz Lightyear, Jessie, Rex, Slinky, o casal Cabeça de Batata e o resto da turma para a pequena Bonnie. A garotinha passa por momento complicado em nova sala no jardim de infância, tendo dificuldade para iniciar amizade com o restante da classe. Ela decide utilizar materiais diversificados, como palito, cola, massinha e talher de plástico para fazer seu próprio amigo: Garfinho. De maneira inesperada, ele também ganha vida quando a menina não está por perto, mas conta com percepção do mundo bem diferente, uma vez que não é exatamente um brinquedo nem material descartável.

Woody tenta ser espécie de mentor para o novato e sabe que precisa fazer o que for preciso – o que inclui se colocar em diversas confusões – para que ele não se perca, principalmente na viagem que a família irá realizar. Um dos pontos de parada faz com que encontrem a sumida camponesa de porcelana Betty, com estilo e personalidade diferente da qual o grupo conheceu no passado, mas ainda capaz de encantar o caubói.

Como parte da graça de um filme é manter segredo sobre a história, basta dizer que o antiquário (loja de coisas antigas) no qual Woody e Garfinho vão parar não é dos lugares mais divertidos pelos quais irão passar. Os novos personagens sonham em ter a vida recheada de brincadeiras mostrada em Toy Story ao longo do tempo. Cada ser, seja ele humano ou brinquedo, precisa descobrir e entender seu papel, inclusive o momento de mudar o caminho do destino que lhe aparece.

Tecnologia pioneira revolucionou o mercado

A saga de Toy Story é uma das mais queridas e respeitadas dos estúdios Pixar. Ela chama a atenção pela história inovadora, personagens carismáticos e pela tecnologia utilizada em seu desenvolvimento – que cresceu muito desde seu primeiro capítulo, há 24 anos.
Toy Story foi lançado internacionalmente em 1995, chegando aos cinemas brasileiros em janeiro de 1996. A expectativa para sua apresentação foi grande, principalmente por ser o primeiro filme de desenho a ser completamente animado por computador, além de ser o longa-metragem inicial da Pixar. A produção começou em 1991 e toda uma infraestrutura especial e inovadora teve que ser criada devido às limitações dos PCs da época para esse tipo de trabalho.

Como grande parte do trabalho daquele tempo acabava com aparência de plástico, a ideia de fazer os brinquedos figuras principais ganhou força. Os humanos apareciam em detalhes e poucas vezes eram mostrados seus corpos inteiros. Parte do conceito da história base nasceu a partir do curta-metragem Tin Toy (1988), do diretor John Lasseter, sobre soldadinho musical que ganha vida e interaje com bebê.

A tecnologia computadorizada se tornou comum no setor e hoje serve de base para obras de diversos estúdios. Nos anos 2000, a Pixar foi comprada pela Disney, mas desenvolve projetos de maneira separada, o que faz com que não tenha momentos musicais dos personagens em seus filmes, por exemplo.

A cinessérie já foi indicada a nove prêmios da academia de cinema de Hollywood, tendo vencido dois Oscar: melhor filme
de animação e melhor canção original (pela faixa ‘We Belong Together’), ambos por ‘Toy Story 3’

Parte do universo dos brinquedos além das telonas pode ser vista nas animações de ‘Curtas Toy Story’. Criado em 2011, o projeto revela pequenas histórias independentes focadas em diferentes momentos e personagens 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

'Toy Story 4' é verdadeira viagem de descoberta

Jornada sobre necessidade de encontrar seu lugar no mundo agita animação, que estreia quinta

Luís Felipe Soares
Diário do Grande ABC

16/06/2019 | 07:00


A criatividade de Bonnie para bolar diversas histórias e situações agita o cotidiano de seus brinquedos. Quem não está muito contente no quarto é Woody, que tem sido deixado um pouco de lado nos últimos tempos e tenta se encaixar na dinâmica do local, uma vez que não é mais o líder do quarto. Ele parece reencontrar importância ao servir de protetor ao recém-chegado Garfinho, atual companheiro preferido da menina. É conectando o destino dos três personagens citados que a Pixar volta às telonas com Toy Story 4, cuja estreia nos cinemas brasileiros ocorre na quinta-feira.

No filme anterior, o jovem adulto Andy entregou Woody, Buzz Lightyear, Jessie, Rex, Slinky, o casal Cabeça de Batata e o resto da turma para a pequena Bonnie. A garotinha passa por momento complicado em nova sala no jardim de infância, tendo dificuldade para iniciar amizade com o restante da classe. Ela decide utilizar materiais diversificados, como palito, cola, massinha e talher de plástico para fazer seu próprio amigo: Garfinho. De maneira inesperada, ele também ganha vida quando a menina não está por perto, mas conta com percepção do mundo bem diferente, uma vez que não é exatamente um brinquedo nem material descartável.

Woody tenta ser espécie de mentor para o novato e sabe que precisa fazer o que for preciso – o que inclui se colocar em diversas confusões – para que ele não se perca, principalmente na viagem que a família irá realizar. Um dos pontos de parada faz com que encontrem a sumida camponesa de porcelana Betty, com estilo e personalidade diferente da qual o grupo conheceu no passado, mas ainda capaz de encantar o caubói.

Como parte da graça de um filme é manter segredo sobre a história, basta dizer que o antiquário (loja de coisas antigas) no qual Woody e Garfinho vão parar não é dos lugares mais divertidos pelos quais irão passar. Os novos personagens sonham em ter a vida recheada de brincadeiras mostrada em Toy Story ao longo do tempo. Cada ser, seja ele humano ou brinquedo, precisa descobrir e entender seu papel, inclusive o momento de mudar o caminho do destino que lhe aparece.

Tecnologia pioneira revolucionou o mercado

A saga de Toy Story é uma das mais queridas e respeitadas dos estúdios Pixar. Ela chama a atenção pela história inovadora, personagens carismáticos e pela tecnologia utilizada em seu desenvolvimento – que cresceu muito desde seu primeiro capítulo, há 24 anos.
Toy Story foi lançado internacionalmente em 1995, chegando aos cinemas brasileiros em janeiro de 1996. A expectativa para sua apresentação foi grande, principalmente por ser o primeiro filme de desenho a ser completamente animado por computador, além de ser o longa-metragem inicial da Pixar. A produção começou em 1991 e toda uma infraestrutura especial e inovadora teve que ser criada devido às limitações dos PCs da época para esse tipo de trabalho.

Como grande parte do trabalho daquele tempo acabava com aparência de plástico, a ideia de fazer os brinquedos figuras principais ganhou força. Os humanos apareciam em detalhes e poucas vezes eram mostrados seus corpos inteiros. Parte do conceito da história base nasceu a partir do curta-metragem Tin Toy (1988), do diretor John Lasseter, sobre soldadinho musical que ganha vida e interaje com bebê.

A tecnologia computadorizada se tornou comum no setor e hoje serve de base para obras de diversos estúdios. Nos anos 2000, a Pixar foi comprada pela Disney, mas desenvolve projetos de maneira separada, o que faz com que não tenha momentos musicais dos personagens em seus filmes, por exemplo.

A cinessérie já foi indicada a nove prêmios da academia de cinema de Hollywood, tendo vencido dois Oscar: melhor filme
de animação e melhor canção original (pela faixa ‘We Belong Together’), ambos por ‘Toy Story 3’

Parte do universo dos brinquedos além das telonas pode ser vista nas animações de ‘Curtas Toy Story’. Criado em 2011, o projeto revela pequenas histórias independentes focadas em diferentes momentos e personagens 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;