Fechar
Publicidade

Domingo, 16 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Programa de educação midiática é lançado



13/06/2019 | 07:59


Foi lançado nesta quarta-feira, 12, em São Paulo o Programa de Educação Midiática (Educamídia), que pretende disseminar um tema ainda pouco conhecido na sociedade, formar professores, produzir materiais e ajudar em políticas públicas. A educação midiática é uma forma de dar ferramentas para que crianças e adolescentes possam ter um consumo consciente da informação, impressa ou digital, com senso crítico. Ou seja, saber discernir o que são textos de opinião, reportagens, conteúdos patrocinados, sátiras, além de saber navegar e se expressar na internet com segurança e responsabilidade. E não acreditar facilmente nem passar para frente as notícias falsas (fake news).

Pesquisa da Universidade de Stanford mostra que 82% dos adolescentes nos Estados Unidos não conseguem, por exemplo, identificar a diferença entre um anúncio marcado como "conteúdo patrocinado" e uma notícia real em um site. Outro estudo do MIT mostrou que as notícias falsas se espalham seis vezes mais rápido no Twitter do que as verdadeiras.

"Sempre dizemos que proibir não resolve, o que resolve é educar", disse Patrícia Blanco, presidente do Instituto Palavra Aberta, entidade que criou o Educamídia. Entre as iniciativas do programa, que tem o apoio do Google e o Estado como parceiro, estão cursos para professores, que vão levar a educação midiática para as escolas públicas e particulares do País. Uma das parcerias será com a Secretaria Estadual de Educação de São Paulo.

O campo jornalístico midiático faz parte da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), aprovada em 2017, na disciplina de Português do ensino fundamental. Isso quer dizer que as escolas precisam se preparar justamente para ensinar o estudante a analisar as informações que vêm de todas as mídias, além de guiá-lo com práticas éticas e seguras no ambiente digital. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Programa de educação midiática é lançado


13/06/2019 | 07:59


Foi lançado nesta quarta-feira, 12, em São Paulo o Programa de Educação Midiática (Educamídia), que pretende disseminar um tema ainda pouco conhecido na sociedade, formar professores, produzir materiais e ajudar em políticas públicas. A educação midiática é uma forma de dar ferramentas para que crianças e adolescentes possam ter um consumo consciente da informação, impressa ou digital, com senso crítico. Ou seja, saber discernir o que são textos de opinião, reportagens, conteúdos patrocinados, sátiras, além de saber navegar e se expressar na internet com segurança e responsabilidade. E não acreditar facilmente nem passar para frente as notícias falsas (fake news).

Pesquisa da Universidade de Stanford mostra que 82% dos adolescentes nos Estados Unidos não conseguem, por exemplo, identificar a diferença entre um anúncio marcado como "conteúdo patrocinado" e uma notícia real em um site. Outro estudo do MIT mostrou que as notícias falsas se espalham seis vezes mais rápido no Twitter do que as verdadeiras.

"Sempre dizemos que proibir não resolve, o que resolve é educar", disse Patrícia Blanco, presidente do Instituto Palavra Aberta, entidade que criou o Educamídia. Entre as iniciativas do programa, que tem o apoio do Google e o Estado como parceiro, estão cursos para professores, que vão levar a educação midiática para as escolas públicas e particulares do País. Uma das parcerias será com a Secretaria Estadual de Educação de São Paulo.

O campo jornalístico midiático faz parte da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), aprovada em 2017, na disciplina de Português do ensino fundamental. Isso quer dizer que as escolas precisam se preparar justamente para ensinar o estudante a analisar as informações que vêm de todas as mídias, além de guiá-lo com práticas éticas e seguras no ambiente digital. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;