Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 18 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Bolsas de NY fecham em baixa, com aversão a risco renovada com tensões EUA-China



12/06/2019 | 18:21


Os principais índices acionários nova-iorquinos fecharam em baixa nesta quarta-feira, 12, dia marcado pela renovação de tensões comerciais entre os Estados Unidos e a China.

O Dow Jones caiu 0,17%, aos 26.004,90 pontos. Já o S&P 500 cedeu 0,20%, aos 2879,84, e o Nasdaq, 0,38%, aos 7.792,72 pontos.

O presidente americano, Donald Trump, defendeu o uso de tarifas como estratégia comercial contra parceiros comerciais, como Pequim, o que renovou a aversão a risco entre os investidores e pressionou, sobretudo, o setor industrial. A Boeing caiu 0,66% e a Catterpillar, 0,14%. Baseada na aplicação de tarifas, a estratégia de Trump não tem afetado a inflação nos EUA, de acordo com o próprio presidente, que apontou, ainda, que as barreiras "estão trazendo bilhões para o país". Os comentários de Trump foram feitos na terça-feira, em Iowa.

Nesta quarta, o núcleo anual do índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) dos EUA apresentou avanço de 2,0%, índice mais baixo desde fevereiro de 2018 e também inferior à mediana das expectativas de instituições financeiras consultadas pelo Projeções Broadcast.

O dado reforça expectativas por cortes de juros pelo Federal Reserve (Fed, o banco central americano), o que pressiona as ações do setor bancário, como os papéis do Goldman Sachs, que caíram 2,32%, e os do Wells Fargo, que cederam 2,92%. "Dada a recente mudança de tom dos dirigentes do Fed, acreditamos que eles usarão a reunião de junho, na próxima semana, para sinalizar um viés de flexibilização", destacam analistas do banco ING.

Entre as gigantes de tecnologia, as ações do Facebook caíram 1,72%, reagindo a rumores de que a companhia teria descoberto e-mails que sugerem uma conexão do CEO da empresa, Mark Zuckerberg, com práticas de privacidade potencialmente problemáticas. Seguiram a tendência de recuo a Netflix (-1,63%) e a Alphabet (-0,18%).

O principal recuo se deu no setor de energia, pressionado pelas quedas significativas dos preços do petróleo, que reagiram negativamente ao aumento do volume estocado da commodity nos EUA. O subíndice de energia do S&P 500 fechou em baixa de 1,44%, para 445,26 pontos. Entre papéis de destaque do segmento, a Chevron perdeu 0,81% e a ExxonMobil recuou 1,08%.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Bolsas de NY fecham em baixa, com aversão a risco renovada com tensões EUA-China


12/06/2019 | 18:21


Os principais índices acionários nova-iorquinos fecharam em baixa nesta quarta-feira, 12, dia marcado pela renovação de tensões comerciais entre os Estados Unidos e a China.

O Dow Jones caiu 0,17%, aos 26.004,90 pontos. Já o S&P 500 cedeu 0,20%, aos 2879,84, e o Nasdaq, 0,38%, aos 7.792,72 pontos.

O presidente americano, Donald Trump, defendeu o uso de tarifas como estratégia comercial contra parceiros comerciais, como Pequim, o que renovou a aversão a risco entre os investidores e pressionou, sobretudo, o setor industrial. A Boeing caiu 0,66% e a Catterpillar, 0,14%. Baseada na aplicação de tarifas, a estratégia de Trump não tem afetado a inflação nos EUA, de acordo com o próprio presidente, que apontou, ainda, que as barreiras "estão trazendo bilhões para o país". Os comentários de Trump foram feitos na terça-feira, em Iowa.

Nesta quarta, o núcleo anual do índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) dos EUA apresentou avanço de 2,0%, índice mais baixo desde fevereiro de 2018 e também inferior à mediana das expectativas de instituições financeiras consultadas pelo Projeções Broadcast.

O dado reforça expectativas por cortes de juros pelo Federal Reserve (Fed, o banco central americano), o que pressiona as ações do setor bancário, como os papéis do Goldman Sachs, que caíram 2,32%, e os do Wells Fargo, que cederam 2,92%. "Dada a recente mudança de tom dos dirigentes do Fed, acreditamos que eles usarão a reunião de junho, na próxima semana, para sinalizar um viés de flexibilização", destacam analistas do banco ING.

Entre as gigantes de tecnologia, as ações do Facebook caíram 1,72%, reagindo a rumores de que a companhia teria descoberto e-mails que sugerem uma conexão do CEO da empresa, Mark Zuckerberg, com práticas de privacidade potencialmente problemáticas. Seguiram a tendência de recuo a Netflix (-1,63%) e a Alphabet (-0,18%).

O principal recuo se deu no setor de energia, pressionado pelas quedas significativas dos preços do petróleo, que reagiram negativamente ao aumento do volume estocado da commodity nos EUA. O subíndice de energia do S&P 500 fechou em baixa de 1,44%, para 445,26 pontos. Entre papéis de destaque do segmento, a Chevron perdeu 0,81% e a ExxonMobil recuou 1,08%.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;