Fechar
Publicidade

Domingo, 16 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Tecnologia

tecnologia@dgabc.com.br | 4435-8301


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

34% dos brasileiros já enviaram fotos íntimas a parceiros ou amigos

Da Redação, com assessoria

12/06/2019 | 13:18


Não é incomum que casais troquem fotos íntimas entre si. Prova disso é uma pesquisa realizada pela Kaspersky, em parceria com a CORPA, que mostrou que 34% dos brasileiros já enviaram fotos íntimas a parceiros ou amigos, e 28% já tiraram fotos ou se gravaram em uma situação íntima utilizando seu dispositivo móvel.

Leia mais: 
Revenge Porn: advogada explica o que você pode fazer se for vítima dessa violência na web
Pesquisa: um em cada 10 usuários pega vírus por causa de pornografia no celular

Porém, para que todo esse conteúdo íntimo continue na intimidade do casal, é importante se preocupar com a proteção de seu dispositivo móvel e dificultar o acesso à dados pessoais e confidencias. Essa preocupação deve existir em qualquer situação e não apenas quando o smartphone ou tablet é roubado, perdido ou hackeado, já que um acesso sem permissão do proprietário – mesmo que por brincadeira – pode terminar na exposição daquelas fotos íntimas.

Para se ter uma ideia, 53% dos brasileiros não  protegem seus dispositivos e apenas 21% deles utilizarem soluções antirroubo. Por isso, a Kaspersky algumas medidas de segurança básica para que os casais não tenham sua intimidade exposta na internet:

Entenda que qualquer coisa compartilhada online pode se tornar pública e isso pode ocorrer por meio de hackers ou alguém que teve acesso a seu dispositivo;
– Converse com seus familiares e amigos sobre golpes na internet e cibercrime. Por mais que seja um tabu, quanto mais informações sobre esse tipo de ameaça forem divulgadas, mais conhecimento sobre os riscos e as maneiras de proteção os usuários terão;
– Bloqueie seu dispositivo com senha. Esta é a primeira forma de proteção para evitar ter informações vazadas;
– Tenha um programa que permita apagar suas informações em um dispositivo perdido ou roubado. Dentro de algumas soluções de segurança, o usuário consegue selecionar a função “antirroubo” e ativar um bloqueio adicional e verificar a sua localização. Caso não haja como recuperar o aparelho, a tecnologia permite ainda apagar remotamente todo o conteúdo armazenado no celular.
– Tenha boas práticas de cibersegurança. Use senhas robustas e autenticação de dois fatores para ajudar a proteger suas mídias sociais, apps de mensagem e e-mail.

Quer ficar por dentro do mundo da tecnologia e ainda baixar gratuitamente nosso e-book Manual de Segurança na Internet? Clique aqui e assine a newsletter do 33Giga

 
 

<
>

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;