Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 18 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Quinta edição de expedição pela Billings começa amanhã

Coleta de amostras do manancial terá duração de três semanas; objetivo é analisar bactérias


Yasmin Assagra
Do Diário do Grande ABC

12/06/2019 | 07:00


 A quinta edição da Expedição Billings, que avalia a qualidade da água do maior reservatório da Região Metropolitana, terá início amanhã. A iniciativa da USCS (Universidade Municipal de São Caetano), por meio do projeto IPH (Índice de Poluentes Hídricos), terá duração de três semanas, período em que os pesquisadores farão a coleta de amostras de água, que serão analisadas em laboratório.

O objetivo principal do estudo é produzir série histórica de dez anos sobre as condições ambientais da Represa Billings, responsável pelo abastecimento de 1,6 milhão de habitantes em Santo André, São Bernardo e Diadema. Neste ano, os especialistas responsáveis pelo projeto farão o sequenciamento genético das bactérias existentes no manancial, ou seja, vão identificar os micro-organismos.

“Este banco genético das bactérias presentes no reservatório é inédito. Vou fazer essa coleta em quatro momentos. Nesta semana, depois, na estação de seca, no período chuvoso e, por fim, no verão”, comenta a coordenadora do projeto, a bióloga e professora de gestão ambiental da USCS, Marta Marcondes.

O responsável pelas coletas continua sendo o ecoesportista Dan Robson, que participa do projeto desde a primeira edição.

De acordo com a especialista, desta vez a coleta de amostras será realizada em quantidade menor de pontos, porém, com efetividade maior na identificação dos elementos. “Esse material, quando finalizado, será muito importante para verificarmos como está o nível de contaminação de todo reservatório. Além do estudo em campo, requer dados estatísticos e outras informações”, comenta.

A conclusão da quinta edição ficará pronta apenas em 2020. “Os resultados ficarão disponíveis nos relatórios da USCS e como artigos científicos. Além disso, terá um relatório explicativo para que a sociedade também entenda sobre o assunto”, finaliza Marta.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Quinta edição de expedição pela Billings começa amanhã

Coleta de amostras do manancial terá duração de três semanas; objetivo é analisar bactérias

Yasmin Assagra
Do Diário do Grande ABC

12/06/2019 | 07:00


 A quinta edição da Expedição Billings, que avalia a qualidade da água do maior reservatório da Região Metropolitana, terá início amanhã. A iniciativa da USCS (Universidade Municipal de São Caetano), por meio do projeto IPH (Índice de Poluentes Hídricos), terá duração de três semanas, período em que os pesquisadores farão a coleta de amostras de água, que serão analisadas em laboratório.

O objetivo principal do estudo é produzir série histórica de dez anos sobre as condições ambientais da Represa Billings, responsável pelo abastecimento de 1,6 milhão de habitantes em Santo André, São Bernardo e Diadema. Neste ano, os especialistas responsáveis pelo projeto farão o sequenciamento genético das bactérias existentes no manancial, ou seja, vão identificar os micro-organismos.

“Este banco genético das bactérias presentes no reservatório é inédito. Vou fazer essa coleta em quatro momentos. Nesta semana, depois, na estação de seca, no período chuvoso e, por fim, no verão”, comenta a coordenadora do projeto, a bióloga e professora de gestão ambiental da USCS, Marta Marcondes.

O responsável pelas coletas continua sendo o ecoesportista Dan Robson, que participa do projeto desde a primeira edição.

De acordo com a especialista, desta vez a coleta de amostras será realizada em quantidade menor de pontos, porém, com efetividade maior na identificação dos elementos. “Esse material, quando finalizado, será muito importante para verificarmos como está o nível de contaminação de todo reservatório. Além do estudo em campo, requer dados estatísticos e outras informações”, comenta.

A conclusão da quinta edição ficará pronta apenas em 2020. “Os resultados ficarão disponíveis nos relatórios da USCS e como artigos científicos. Além disso, terá um relatório explicativo para que a sociedade também entenda sobre o assunto”, finaliza Marta.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;