Fechar
Publicidade

Domingo, 16 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Cade: se condenada em investigação, Petrobras seria multada em R$ 9 bi a R$ 60 bi

Pixabay / banco de imagens Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


11/06/2019 | 17:40


O presidente do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), Alexandre Barreto, disse que, se a Petrobras fosse condenada no processo que investigava abuso no mercado de refino, a multa poderia ser de cerca de R$ 9 bilhões a R$ 10 bilhões, de acordo com a jurisprudência do órgão, podendo chegar ao limite de R$ 60 bilhões.

Nesta terça-feira, 11, a estatal assinou acordo com o Cade para encerrar a investigação e se comprometeu a vender 50% de sua capacidade de refino. Barreto rebateu críticas feitas por dois conselheiros, que votaram contra a homologação do acordo por entender que não houve investigação suficiente. "Cada conselheiro tem postura mais estatizante ou menos estatizante. Abreviamos em dezenas de anos as investigações, o acordo com a Petrobras é vitória gigantesca para a concorrência no País", afirmou.

O presidente explicou que a venda de refinarias de uma mesma região não poderá ser feita a um mesmo comprador, para garantir a concorrência das novas empresas. A compra de cada refinaria será analisada pelo Cade individualmente.

Barreto acrescentou que a assinatura de acordos de cessação de conduta é prática "absolutamente normal" no Cade. "O mais importante é interromper a conduta, vou ficar discutindo por vários anos? A divergência é sempre válida e críticas são importantes para construir decisão robusta", acrescentou o superintendente-geral do Cade, Alexandre Cordeiro.

O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, afirmou que a empresa decidiu negociar o acordo com o Cade para se antecipar às investigações. "Petrobras tem pressa em cumprir o acordo", afirmou.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Cade: se condenada em investigação, Petrobras seria multada em R$ 9 bi a R$ 60 bi


11/06/2019 | 17:40


O presidente do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), Alexandre Barreto, disse que, se a Petrobras fosse condenada no processo que investigava abuso no mercado de refino, a multa poderia ser de cerca de R$ 9 bilhões a R$ 10 bilhões, de acordo com a jurisprudência do órgão, podendo chegar ao limite de R$ 60 bilhões.

Nesta terça-feira, 11, a estatal assinou acordo com o Cade para encerrar a investigação e se comprometeu a vender 50% de sua capacidade de refino. Barreto rebateu críticas feitas por dois conselheiros, que votaram contra a homologação do acordo por entender que não houve investigação suficiente. "Cada conselheiro tem postura mais estatizante ou menos estatizante. Abreviamos em dezenas de anos as investigações, o acordo com a Petrobras é vitória gigantesca para a concorrência no País", afirmou.

O presidente explicou que a venda de refinarias de uma mesma região não poderá ser feita a um mesmo comprador, para garantir a concorrência das novas empresas. A compra de cada refinaria será analisada pelo Cade individualmente.

Barreto acrescentou que a assinatura de acordos de cessação de conduta é prática "absolutamente normal" no Cade. "O mais importante é interromper a conduta, vou ficar discutindo por vários anos? A divergência é sempre válida e críticas são importantes para construir decisão robusta", acrescentou o superintendente-geral do Cade, Alexandre Cordeiro.

O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, afirmou que a empresa decidiu negociar o acordo com o Cade para se antecipar às investigações. "Petrobras tem pressa em cumprir o acordo", afirmou.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;