Fechar
Publicidade

Domingo, 16 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Na Capital paulista, quatro em cada dez apartamentos novos não têm garagem

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


11/06/2019 | 11:45


Supervisora de atendimento em um hospital, Elaine de Lima, de 36 anos, vai morar mais perto do trabalho. Ela não tem carro - nem pretende mais ter. No ano passado comprou um apartamento pequeno, sem vaga de garagem, no Cambuci, região central da cidade. Pesou na escolha a chance de usar transporte público ou um aplicativo para ir ao serviço, na zona sul, sem ficar presa no trânsito.

"Tinha plano de comprar carro, mas o custo de manutenção é absurdo e o trânsito está complexo. É mais conveniente andar de táxi, Uber ou metrô. Coloquei na ponta do lápis e não compensa." No lugar das vagas de garagem, o prédio de Elaine colocou um bicicletário. As áreas arborizadas no condomínio, a piscina e academia encheram os olhos de Elaine. "Era meu sonho de consumo", afirma ela, que também pensa em aprender a andar de bicicleta para aproveitar a ciclovia que passa por ali.

Cinco anos após a aprovação do Plano Diretor de São Paulo, lei que orienta o desenvolvimento da cidade, o número de apartamentos sem vaga de garagem, como o de Elaine, aumentou. Só em 2018, quatro em cada dez unidades lançadas na capital não tinham estacionamento, tendência que acompanha novas formas de ocupar a cidade e se deslocar.

Dados do Sindicato da Habitação do Estado de São Paulo (Secovi-SP) indicam que, das 37,1 mil unidades lançadas no ano passado, 15,1 mil eram sem vaga de garagem (40,9%). Em números absolutos, a maioria se concentra nas zonas leste e sul, mas é no centro, onde a oferta de serviços e transporte público é maior, que as unidades sem vaga superam lançamentos para quem tem veículos. Só até março foram inaugurados 844 apartamentos sem estacionamento.

Para especialistas, os lançamentos acompanham tanto a exigência da nova lei quanto mudanças no perfil do paulistano, menos conectado com os carros. Também atendem à necessidade de baratear os empreendimentos, enquadrando-os em regras de financiamento do programa Minha Casa Minha Vida, para caber no bolso do comprador, em meio à crise.

O Plano Diretor estabeleceu que prédios no entorno de corredores de ônibus e estações de metrô tenham, no máximo, uma vaga de garagem por apartamento - é preciso que a construtora pague valor extra à Prefeitura caso queira mais espaço para veículos. Antes, uma vaga era o mínimo exigido. As diretrizes do plano foram detalhadas pela Lei de Zoneamento, de 2016. O objetivo é justamente desestimular o uso de carros em áreas adensadas, onde há oferta de transporte público.

Segmentados

O resultado das mudanças foi uma diversificação nos novos empreendimentos. "Tem prédios com apartamentos de duas vagas e estúdios sem vagas", exemplifica Celso Petrucci, economista-chefe do Secovi-SP. Em média, os apartamentos sem vagas lançados no ano passado tinham 36 m² - bem menores do que a média com vaga, de 68 m².

"É um movimento natural quando a cidade fica muito adensada. Em Nova York, as pessoas não têm carro privado e a nova geração tem a mentalidade de que o carro é quase um prejuízo", afirma Deborah Seabra, economista do Grupo ZAP, portal de imóveis.

Para Valter Caldana, professor de Arquitetura e Urbanismo do Mackenzie, a lei sobre uso do solo em São Paulo "escutou" uma demanda. "Havia um segmento muito grande desejoso de morar em zonas centrais, pagando mais barato. E esse segmento dispensa o automóvel."

Os jovens são a cara desse movimento, diz Caldana, mas não são os únicos entusiastas. Mudanças nos padrões de família (que estão cada vez menores) e de consumo (de mais experiências e menos volume) ajudam a explicar a onda. O compartilhamento de serviços também impulsiona a escolha pelos novos apartamentos. "É para preferencialmente andar a pé, de patinete ou bicicleta. É um novo perfil de pessoas que preferem morar em lugar menor, mas próximo do trabalho, escola, lazer e áreas de consumo."

Novos usos

No lugar da garagem, empréstimo de bicicletas e patinetes. Novos empreendimentos sem estacionamento apostam na diversidade de meios de locomoção para atrair moradores. "Nossa tese é de que a pessoa pode usar outros modais ou transporte público. Cada vez menos pessoas querem pagar pelas vagas", diz Alexandre Frankel, CEO da Vitacon. No ano passado, a construtora lançou um empreendimento na região da Avenida Paulista sem vagas, mas com patinetes para compartilhar.

Aposta parecida foi a da MAC Construtora e Incorporadora, com dois novos empreendimentos sem vagas - um na Liberdade, na região central, e outro em Moema, na zona sul. Nesses, foram instalados bicicletários com bikes à disposição dos condôminos - os moradores é que regulam o uso dos equipamentos, explica Ricardo Pajero, gerente comercial da MAC.

Outra tendência é trazer o trabalho para dentro do condomínio. "Os prédios vão começar a receber um ou dois andares de coworking. Essa mudança vai começar a aparecer em breve", afirma Antonio Claudio Fonseca, professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Mackenzie. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Na Capital paulista, quatro em cada dez apartamentos novos não têm garagem


11/06/2019 | 11:45


Supervisora de atendimento em um hospital, Elaine de Lima, de 36 anos, vai morar mais perto do trabalho. Ela não tem carro - nem pretende mais ter. No ano passado comprou um apartamento pequeno, sem vaga de garagem, no Cambuci, região central da cidade. Pesou na escolha a chance de usar transporte público ou um aplicativo para ir ao serviço, na zona sul, sem ficar presa no trânsito.

"Tinha plano de comprar carro, mas o custo de manutenção é absurdo e o trânsito está complexo. É mais conveniente andar de táxi, Uber ou metrô. Coloquei na ponta do lápis e não compensa." No lugar das vagas de garagem, o prédio de Elaine colocou um bicicletário. As áreas arborizadas no condomínio, a piscina e academia encheram os olhos de Elaine. "Era meu sonho de consumo", afirma ela, que também pensa em aprender a andar de bicicleta para aproveitar a ciclovia que passa por ali.

Cinco anos após a aprovação do Plano Diretor de São Paulo, lei que orienta o desenvolvimento da cidade, o número de apartamentos sem vaga de garagem, como o de Elaine, aumentou. Só em 2018, quatro em cada dez unidades lançadas na capital não tinham estacionamento, tendência que acompanha novas formas de ocupar a cidade e se deslocar.

Dados do Sindicato da Habitação do Estado de São Paulo (Secovi-SP) indicam que, das 37,1 mil unidades lançadas no ano passado, 15,1 mil eram sem vaga de garagem (40,9%). Em números absolutos, a maioria se concentra nas zonas leste e sul, mas é no centro, onde a oferta de serviços e transporte público é maior, que as unidades sem vaga superam lançamentos para quem tem veículos. Só até março foram inaugurados 844 apartamentos sem estacionamento.

Para especialistas, os lançamentos acompanham tanto a exigência da nova lei quanto mudanças no perfil do paulistano, menos conectado com os carros. Também atendem à necessidade de baratear os empreendimentos, enquadrando-os em regras de financiamento do programa Minha Casa Minha Vida, para caber no bolso do comprador, em meio à crise.

O Plano Diretor estabeleceu que prédios no entorno de corredores de ônibus e estações de metrô tenham, no máximo, uma vaga de garagem por apartamento - é preciso que a construtora pague valor extra à Prefeitura caso queira mais espaço para veículos. Antes, uma vaga era o mínimo exigido. As diretrizes do plano foram detalhadas pela Lei de Zoneamento, de 2016. O objetivo é justamente desestimular o uso de carros em áreas adensadas, onde há oferta de transporte público.

Segmentados

O resultado das mudanças foi uma diversificação nos novos empreendimentos. "Tem prédios com apartamentos de duas vagas e estúdios sem vagas", exemplifica Celso Petrucci, economista-chefe do Secovi-SP. Em média, os apartamentos sem vagas lançados no ano passado tinham 36 m² - bem menores do que a média com vaga, de 68 m².

"É um movimento natural quando a cidade fica muito adensada. Em Nova York, as pessoas não têm carro privado e a nova geração tem a mentalidade de que o carro é quase um prejuízo", afirma Deborah Seabra, economista do Grupo ZAP, portal de imóveis.

Para Valter Caldana, professor de Arquitetura e Urbanismo do Mackenzie, a lei sobre uso do solo em São Paulo "escutou" uma demanda. "Havia um segmento muito grande desejoso de morar em zonas centrais, pagando mais barato. E esse segmento dispensa o automóvel."

Os jovens são a cara desse movimento, diz Caldana, mas não são os únicos entusiastas. Mudanças nos padrões de família (que estão cada vez menores) e de consumo (de mais experiências e menos volume) ajudam a explicar a onda. O compartilhamento de serviços também impulsiona a escolha pelos novos apartamentos. "É para preferencialmente andar a pé, de patinete ou bicicleta. É um novo perfil de pessoas que preferem morar em lugar menor, mas próximo do trabalho, escola, lazer e áreas de consumo."

Novos usos

No lugar da garagem, empréstimo de bicicletas e patinetes. Novos empreendimentos sem estacionamento apostam na diversidade de meios de locomoção para atrair moradores. "Nossa tese é de que a pessoa pode usar outros modais ou transporte público. Cada vez menos pessoas querem pagar pelas vagas", diz Alexandre Frankel, CEO da Vitacon. No ano passado, a construtora lançou um empreendimento na região da Avenida Paulista sem vagas, mas com patinetes para compartilhar.

Aposta parecida foi a da MAC Construtora e Incorporadora, com dois novos empreendimentos sem vagas - um na Liberdade, na região central, e outro em Moema, na zona sul. Nesses, foram instalados bicicletários com bikes à disposição dos condôminos - os moradores é que regulam o uso dos equipamentos, explica Ricardo Pajero, gerente comercial da MAC.

Outra tendência é trazer o trabalho para dentro do condomínio. "Os prédios vão começar a receber um ou dois andares de coworking. Essa mudança vai começar a aparecer em breve", afirma Antonio Claudio Fonseca, professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Mackenzie. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;