Fechar
Publicidade

Sábado, 20 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Porto Príncipe amanhece paralisada após protestos ao redor do Haiti



10/06/2019 | 16:38


A capital do Haiti amanheceu paralisada nesta segunda-feira, 10, após uma onda de protestos violentos tomar conta do país no domingo, pedindo a renúncia do presidente Jovenel Moise. Tanto o transporte público quanto escolas e comércios não estão abertos. Rodovias ao redor da capital também estão bloqueadas com barricadas, e tiros foram ouvidos por moradores em várias regiões da capital do país.

Um dos líderes da oposição estima que ao menos 7 pessoas foram mortas e mais de 100 estejam feridas, enquanto a Polícia aponta 2 mortes e 5 pessoas feridas. 12 manifestantes foram presos após atear fogo a dois carros da polícia e dois edifícios.

Testemunhas afirmam que um dos mortos teria sido atingido a pedradas por um policial. Outro morto teria sido atingido pela Guarda Presidencial em frente ao palácio do presidente da República, após os seguranças atirarem contra um grupo de manifestantes. O governo ainda não se pronunciou sobre o ocorrido.

Moise é investigado por corrupção por recebimento de dinheiro irregular do programa Petrocaribe, por onde a Venezuela oferecia petróleo a preços inferiores ao Haiti. O governo de Nicolás Maduro também teria financiado obras no Haiti que nunca saíram do papel.

Outros membros do governo haitiano estão na mira da investigação, como o ex-presidente Michel Matelly e o ex-primeiro ministro Laurent Lamothe. Segundo investigação da Corte Superior de Contas do Haiti, existe uma rede de funcionários no governo que manejam obtenção de contratos e concessões para amigos de Matelly e Lamothe.

A Corte definiu como "grave" o gasto superior a US$ 2 milhões dos fundos da Petrocaribe entre 2008 e 2016, equivalente à metade dos recursos gerados pelo programa neste período.

A crise econômica e política no Haiti está agravada desde 7 de fevereiro, o mesmo dia em que Moise completou dois anos no cargo. (Com agências internacionais)



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Porto Príncipe amanhece paralisada após protestos ao redor do Haiti


10/06/2019 | 16:38


A capital do Haiti amanheceu paralisada nesta segunda-feira, 10, após uma onda de protestos violentos tomar conta do país no domingo, pedindo a renúncia do presidente Jovenel Moise. Tanto o transporte público quanto escolas e comércios não estão abertos. Rodovias ao redor da capital também estão bloqueadas com barricadas, e tiros foram ouvidos por moradores em várias regiões da capital do país.

Um dos líderes da oposição estima que ao menos 7 pessoas foram mortas e mais de 100 estejam feridas, enquanto a Polícia aponta 2 mortes e 5 pessoas feridas. 12 manifestantes foram presos após atear fogo a dois carros da polícia e dois edifícios.

Testemunhas afirmam que um dos mortos teria sido atingido a pedradas por um policial. Outro morto teria sido atingido pela Guarda Presidencial em frente ao palácio do presidente da República, após os seguranças atirarem contra um grupo de manifestantes. O governo ainda não se pronunciou sobre o ocorrido.

Moise é investigado por corrupção por recebimento de dinheiro irregular do programa Petrocaribe, por onde a Venezuela oferecia petróleo a preços inferiores ao Haiti. O governo de Nicolás Maduro também teria financiado obras no Haiti que nunca saíram do papel.

Outros membros do governo haitiano estão na mira da investigação, como o ex-presidente Michel Matelly e o ex-primeiro ministro Laurent Lamothe. Segundo investigação da Corte Superior de Contas do Haiti, existe uma rede de funcionários no governo que manejam obtenção de contratos e concessões para amigos de Matelly e Lamothe.

A Corte definiu como "grave" o gasto superior a US$ 2 milhões dos fundos da Petrocaribe entre 2008 e 2016, equivalente à metade dos recursos gerados pelo programa neste período.

A crise econômica e política no Haiti está agravada desde 7 de fevereiro, o mesmo dia em que Moise completou dois anos no cargo. (Com agências internacionais)

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;