Fechar
Publicidade

Domingo, 16 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Sem acordo, empregados da Eletrobras vão para a 6ª rodada de negociações

Marcello Casal Jr/Agência Brasil Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


10/06/2019 | 13:55


Está marcada para o dia 18 de junho a 6ª rodada de negociações entre a Eletrobras e seus empregados, depois que a empresa recusou modificar a proposta de ajuste salarial de 1,5%, contra os cerca de 4,5% pedidos, e insistir em acabar com cláusulas do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) consideradas conquistas históricas pela categoria, principalmente a que proíbe demissões em massa.

Segundo informe do Sindicato Urbanitários no Distrito Federal (STIU-DF), a reunião poderá não ser realizada se o Tribunal Superior do Trabalho (TST) acatar requerimento da Federação Nacional dos Trabalhadores de Indústrias Urbanas para intermediar a negociação, considerada a mais dura da categoria em muitos anos.

A estatal está na lista de privatizações do governo e tenta melhorar a performance econômica com a redução de custos, entre eles, de gastos com pessoal.

A intenção é reduzir o quadro em 1.750 pessoas, segundo documento interno ao qual o Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado) teve acesso, depois de apenas 437 terem aderido ao Plano de Demissão Consensual (PDC).

Enquanto decidem o acordo, os empregados da Eletrobras no Rio de Janeiro vão se reunir na terça-feira, 11, em frente à ex-sede da companhia, para atualização das negociações e preparação para a greve geral do dia 14, que segundo a Associação dos Empregados da Eletrobras (Aeel) terá a adesão da categoria.

A quinta rodada de negociações entre Eletrobras e a direção da empresa foi realizada no dia 4 de junho, quando a estatal decidiu prorrogar a vigência do ACT até o próximo dia 30, para manter a negociação em andamento.

Um dos pontos que a Eletrobras não concorda é a manutenção de uma cláusula que garante o desconto das mensalidades dos sindicatos nos salários dos trabalhadores.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Sem acordo, empregados da Eletrobras vão para a 6ª rodada de negociações


10/06/2019 | 13:55


Está marcada para o dia 18 de junho a 6ª rodada de negociações entre a Eletrobras e seus empregados, depois que a empresa recusou modificar a proposta de ajuste salarial de 1,5%, contra os cerca de 4,5% pedidos, e insistir em acabar com cláusulas do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) consideradas conquistas históricas pela categoria, principalmente a que proíbe demissões em massa.

Segundo informe do Sindicato Urbanitários no Distrito Federal (STIU-DF), a reunião poderá não ser realizada se o Tribunal Superior do Trabalho (TST) acatar requerimento da Federação Nacional dos Trabalhadores de Indústrias Urbanas para intermediar a negociação, considerada a mais dura da categoria em muitos anos.

A estatal está na lista de privatizações do governo e tenta melhorar a performance econômica com a redução de custos, entre eles, de gastos com pessoal.

A intenção é reduzir o quadro em 1.750 pessoas, segundo documento interno ao qual o Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado) teve acesso, depois de apenas 437 terem aderido ao Plano de Demissão Consensual (PDC).

Enquanto decidem o acordo, os empregados da Eletrobras no Rio de Janeiro vão se reunir na terça-feira, 11, em frente à ex-sede da companhia, para atualização das negociações e preparação para a greve geral do dia 14, que segundo a Associação dos Empregados da Eletrobras (Aeel) terá a adesão da categoria.

A quinta rodada de negociações entre Eletrobras e a direção da empresa foi realizada no dia 4 de junho, quando a estatal decidiu prorrogar a vigência do ACT até o próximo dia 30, para manter a negociação em andamento.

Um dos pontos que a Eletrobras não concorda é a manutenção de uma cláusula que garante o desconto das mensalidades dos sindicatos nos salários dos trabalhadores.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;