Fechar
Publicidade

Domingo, 16 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Senadores pretendem impor restrições à venda de armas para os sauditas

Arquivo/ Agência Brasil Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


09/06/2019 | 21:27


O senador democrata Chris Murphy (Connecticut) e o republicano Todd Young (Indiana) vão tentar forçar uma votação no Senado dos Estados Unidos contra a venda de armas americanas para a Arábia Saudita, em um sinal de descontentamento por parte do Congresso de alguns pontos sobre a política de venda de armas do governo de Donald Trump. Neste domingo, os dois disseram que introduziriam uma manobra legislativa que poderia resultar em uma votação sobre "encerrar ou restringir a assistência de segurança" à Arábia Saudita, incluindo futuras vendas de armas.

"Este governo deu um cheque em branco aos sauditas. O Congresso precisa mudar a forma como fazemos negócios com o reino", disse Murphy em um comunicado. O novo esforço é parte de uma disputa sobre a postura dos EUA em relação aos sauditas. Há meses, os congressistas americanos pedem por mais cautela no relacionamento entre os dois países, ao citarem a morte de civis durante a guerra dos sauditas no Iêmen e o assassinato do jornalista Jamal Khashoggi. Em abril, o presidente Donald Trump vetou a legislação que pretendia acabar com a ajuda militar para o conflito no Iêmen.

De acordo com os senadores, a resolução a ser apresentada na segunda-feira vai citar a Lei de Assistência ao Exterior, de 1961. O projeto pedirá ao Departamento de Estado que informe dentro de 30 dias sobre as práticas de direitos humanos da Arábia Saudita. Com base nesse relatório, o Congresso poderia votar novamente para bloquear as vendas de armas e outras formas de assistência de segurança dos EUA, criando potencialmente outro confronto com Trump. O departamento e a embaixada dos EUA na Arábia Saudita não responderam a e-mails solicitando comentários. Fonte: Dow Jones Newswires.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Senadores pretendem impor restrições à venda de armas para os sauditas


09/06/2019 | 21:27


O senador democrata Chris Murphy (Connecticut) e o republicano Todd Young (Indiana) vão tentar forçar uma votação no Senado dos Estados Unidos contra a venda de armas americanas para a Arábia Saudita, em um sinal de descontentamento por parte do Congresso de alguns pontos sobre a política de venda de armas do governo de Donald Trump. Neste domingo, os dois disseram que introduziriam uma manobra legislativa que poderia resultar em uma votação sobre "encerrar ou restringir a assistência de segurança" à Arábia Saudita, incluindo futuras vendas de armas.

"Este governo deu um cheque em branco aos sauditas. O Congresso precisa mudar a forma como fazemos negócios com o reino", disse Murphy em um comunicado. O novo esforço é parte de uma disputa sobre a postura dos EUA em relação aos sauditas. Há meses, os congressistas americanos pedem por mais cautela no relacionamento entre os dois países, ao citarem a morte de civis durante a guerra dos sauditas no Iêmen e o assassinato do jornalista Jamal Khashoggi. Em abril, o presidente Donald Trump vetou a legislação que pretendia acabar com a ajuda militar para o conflito no Iêmen.

De acordo com os senadores, a resolução a ser apresentada na segunda-feira vai citar a Lei de Assistência ao Exterior, de 1961. O projeto pedirá ao Departamento de Estado que informe dentro de 30 dias sobre as práticas de direitos humanos da Arábia Saudita. Com base nesse relatório, o Congresso poderia votar novamente para bloquear as vendas de armas e outras formas de assistência de segurança dos EUA, criando potencialmente outro confronto com Trump. O departamento e a embaixada dos EUA na Arábia Saudita não responderam a e-mails solicitando comentários. Fonte: Dow Jones Newswires.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;