Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 15 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Cármen rejeita habeas de ex-deputado preso pela Furna da Onça

CNJ/Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


08/06/2019 | 12:53


A ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou seguimento ao Recurso Ordinário em Habeas Corpus do ex-deputado estadual do Rio Marcos Abrahão (Avante). O ex-parlamentar está preso preventivamente desde 8 de novembro do ano passado pela Operação Furna da Onça.

Marcos Abrahão é suspeito de receber um mensalão de R$ 80 mil somado a um ''prêmio'' de R$ 1,5 milhão. A Furna da Onça mira um esquema de corrupção, lavagem de dinheiro e loteamento de cargos públicos e mão de obra terceirizada em órgãos da administração estadual que teria movimentado uma quantia milionária.

Dias após a prisão, a Polícia Federal registrou em relatório que R$ 45 mil em espécie foram jogados para o lado de fora da casa do então deputado estadual quando ele foi capturado.

O STF informou que o recurso de Marcos Abrahão foi apresentado contra decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que havia rejeitado o pedido de soltura. À Cármen Lúcia, a defesa alegou que Marcos Abrahão está preso há mais de seis meses sem que a instrução criminal tenha sido concluída, o que caracterizaria constrangimento ilegal por excesso de prazo. Segundo os advogados, a prisão do ex-deputado ultrapassa os limites do devido processo legal e da razoabilidade.

Na decisão, a ministra afirmou que os argumentos apresentados pela defesa não podem ser acolhidos. Cármen anotou que o STJ, ao julgar o habeas corpus, afastou expressamente a alegação de excesso de prazo da prisão em razão do oferecimento da denúncia pelo Ministério Público em dezembro do ano passado.

Segundo a relatora, também não procede a alegação do excesso de prazo na conclusão da instrução processual, pois se trata de caso complexo e não há qualquer elemento que evidencie desídia do aparelho judicial no andamento do processo.

A reportagem está tentando localizar a defesa de Marcos Abrahão. O espaço está aberto para manifestação.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Cármen rejeita habeas de ex-deputado preso pela Furna da Onça


08/06/2019 | 12:53


A ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou seguimento ao Recurso Ordinário em Habeas Corpus do ex-deputado estadual do Rio Marcos Abrahão (Avante). O ex-parlamentar está preso preventivamente desde 8 de novembro do ano passado pela Operação Furna da Onça.

Marcos Abrahão é suspeito de receber um mensalão de R$ 80 mil somado a um ''prêmio'' de R$ 1,5 milhão. A Furna da Onça mira um esquema de corrupção, lavagem de dinheiro e loteamento de cargos públicos e mão de obra terceirizada em órgãos da administração estadual que teria movimentado uma quantia milionária.

Dias após a prisão, a Polícia Federal registrou em relatório que R$ 45 mil em espécie foram jogados para o lado de fora da casa do então deputado estadual quando ele foi capturado.

O STF informou que o recurso de Marcos Abrahão foi apresentado contra decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que havia rejeitado o pedido de soltura. À Cármen Lúcia, a defesa alegou que Marcos Abrahão está preso há mais de seis meses sem que a instrução criminal tenha sido concluída, o que caracterizaria constrangimento ilegal por excesso de prazo. Segundo os advogados, a prisão do ex-deputado ultrapassa os limites do devido processo legal e da razoabilidade.

Na decisão, a ministra afirmou que os argumentos apresentados pela defesa não podem ser acolhidos. Cármen anotou que o STJ, ao julgar o habeas corpus, afastou expressamente a alegação de excesso de prazo da prisão em razão do oferecimento da denúncia pelo Ministério Público em dezembro do ano passado.

Segundo a relatora, também não procede a alegação do excesso de prazo na conclusão da instrução processual, pois se trata de caso complexo e não há qualquer elemento que evidencie desídia do aparelho judicial no andamento do processo.

A reportagem está tentando localizar a defesa de Marcos Abrahão. O espaço está aberto para manifestação.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;