Fechar
Publicidade

Domingo, 15 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Síndrome de burnout dá direito a benefícios do INSS

Pixabay Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Por ser doença desenvolvida pelo ambiente de trabalho, profissional pode até receber auxílio


Caio Prates

10/06/2019 | 07:17


Dados da OMS (Organização Mundial da Saúde) indicam que os trabalhadores estão entre os que mais adoecem por ansiedade e estresse crônico. Recentemente, a entidade aprimorou a definição da síndrome de burnout. De acordo com a OMS, trata-se de estresse crônico, caracterizado por sentimentos negativos em relação ao trabalho, sensação de esgotamento e eficácia profissional reduzida. O fenômeno ocupacional está incluído na 11ª Revisão da CID (Classificação Internacional de Doenças) 11, que entrará em vigor em 2022.

E os trabalhadores brasileiros estão entre os que mais têm problemas por estresse crônico pela jornada e pelo ambiente de trabalho. Cerca de 30% dos mais de 100 milhões de trabalhadores brasileiros sofrem com a síndrome de burnout, segundo estimativa da Isma-BR (International Stress Management Association no Brasil). A proporção é semelhante à do Reino Unido, onde um a cada três habitantes (mais de 20 milhões de pessoas) enfrenta o problema. No ranking de oito países elaborado pela Isma-BR, estamos à frente da China e dos Estados Unidos – e perdemos apenas para o Japão, onde 70% da população apresentam os sintomas.

Segundo especialistas, o burnout, também chamado da síndrome do esgotamento profissional, tem como principais sintomas: ansiedade, nervosismo, dor de barriga, tontura, falta de apetite e cansaço. E é provocado, na maioria das vezes, pela exposição do trabalhador a excesso de cobranças, competitividade, acúmulo de responsabilidades no ambiente de trabalho. Entre as profissões mais acometidas por esta nova epidemia laboral estão: policiais, professores, jornalistas, médicos e enfermeiros, entre outros.

A advogada Lariane Del Vecchio, do Aith, Badari e Luchin Advogados, ressalta que a síndrome é um transtorno cada vez mais comum nos dias atuais, “sendo relacionada exclusivamente com o trabalho e, por isso, é equiparada a acidente de trabalho. E como toda doença ocupacional incapacitante, após diagnóstico médico, deve o empregado ser afastado do trabalho”.

O especialista e direito do trabalho e previdenciário Erick Magalhães, sócio do Magalhães & Moreno Advogados, observa que a burnout é doença causada pelas condições do trabalho, portanto, é uma doença ocupacional. “Trata-se de estresse crônico, uma forma de depressão caracterizada por sentimentos negativos em relação ao trabalho, sensação de esgotamento ou eficácia profissional reduzida. A doença pode causar incapacidade temporária ou definitiva para o trabalho, assim como ocorre nos demais casos de depressão e das doenças psiquiátricas, portanto, resultando no afastamento do trabalhador.”

E, após o afastamento, diagnosticado por meio de avaliação médica a existência da doença, o trabalhador pode requisitar, após o 16º dia de atestado médico, a realização de perícia médica do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) para constatação da incapacidade para exercer o labor e a concessão de benefício previdenciário com o intuito de tratamento médico para convalescência da patologia.

“Existem critérios a serem observados quanto ao pagamento do trabalhador neste período. Nos primeiros 15 dias de afastamento, a empresa deverá arcar com o salário do empregado, já a partir do 16º dia, a responsabilidade de subsídio ao trabalhador é transportada ao INSS, por meio de benéficos previdenciários”, explica o advogado Ruslan Stuchi, sócio do Stuchi Advogados.


FGTS e estabilidade de 12 meses são garantidos

O advogado Erick Magalhães frisa que é importante que haja o correto diagnóstico da doença, devendo o médico atestar de forma clara que se trata da síndrome de burnout.

“Caso a síndrome esteja associada a outras doenças, é importante destacar todas no diagnóstico. Isto porque, quando o trabalhador está acometido do burnout, o empregado também possui o direito de continuar recendo o FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) e tem estabilidade acidentária de 12 meses, após seu retorno ao trabalho. Já na depressão comum, o empregado não recebe o FGTS e não há estabilidade quando retornar ao emprego”, alerta.

O especialista também destaca que, caso a síndrome seja passageira, resultando numa incapacidade temporária, o trabalhador receberá o auxílio-doença acidentário. “Porém, em casos mais graves da doença que resultem na incapacidade total e definitiva para o trabalho, pode resultar até mesmo na aposentadoria por invalidez”, aponta.

Magalhães observa que, “como se trata de doença psiquiátrica, o histórico da enfermidade provado pelo prontuário médico, o relatório médico particular, as internações e receitas de medicamentos são decisivos para formar a convicção do perito do INSS ou do perito judicial nos casos em que o trabalhador não teve o benefício concedido de forma administrativa. Por isso, é importante que o trabalhador tenha esses documentos atualizados e os mantenha guardados, inclusive os mais antigos, já que referida doença pode ser reincidente e o histórico clínico poderá ser usado”.

Segundo o advogado Ruslan Stuchi, por ser patologia de cunho psiquiátrico, a subjetividade acaba afastando o requisito da incapacidade, ou seja, peritos do INSS, ao visualizarem as condições físicas do trabalhador aparentemente normais, acabam indeferindo benefícios previdenciários sob a alegação de inexistência de doença que justifique o afastamento do trabalho. “Entretanto, essa síndrome, assim como outras desse caráter, deve ser analisada com cautela redobrada, visto que prejudica os desenvolvimentos intelectual do empregado. E, por esse motivo, muitos casos acabam desaguando no Judiciário”, diz. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Síndrome de burnout dá direito a benefícios do INSS

Por ser doença desenvolvida pelo ambiente de trabalho, profissional pode até receber auxílio

Caio Prates

10/06/2019 | 07:17


Dados da OMS (Organização Mundial da Saúde) indicam que os trabalhadores estão entre os que mais adoecem por ansiedade e estresse crônico. Recentemente, a entidade aprimorou a definição da síndrome de burnout. De acordo com a OMS, trata-se de estresse crônico, caracterizado por sentimentos negativos em relação ao trabalho, sensação de esgotamento e eficácia profissional reduzida. O fenômeno ocupacional está incluído na 11ª Revisão da CID (Classificação Internacional de Doenças) 11, que entrará em vigor em 2022.

E os trabalhadores brasileiros estão entre os que mais têm problemas por estresse crônico pela jornada e pelo ambiente de trabalho. Cerca de 30% dos mais de 100 milhões de trabalhadores brasileiros sofrem com a síndrome de burnout, segundo estimativa da Isma-BR (International Stress Management Association no Brasil). A proporção é semelhante à do Reino Unido, onde um a cada três habitantes (mais de 20 milhões de pessoas) enfrenta o problema. No ranking de oito países elaborado pela Isma-BR, estamos à frente da China e dos Estados Unidos – e perdemos apenas para o Japão, onde 70% da população apresentam os sintomas.

Segundo especialistas, o burnout, também chamado da síndrome do esgotamento profissional, tem como principais sintomas: ansiedade, nervosismo, dor de barriga, tontura, falta de apetite e cansaço. E é provocado, na maioria das vezes, pela exposição do trabalhador a excesso de cobranças, competitividade, acúmulo de responsabilidades no ambiente de trabalho. Entre as profissões mais acometidas por esta nova epidemia laboral estão: policiais, professores, jornalistas, médicos e enfermeiros, entre outros.

A advogada Lariane Del Vecchio, do Aith, Badari e Luchin Advogados, ressalta que a síndrome é um transtorno cada vez mais comum nos dias atuais, “sendo relacionada exclusivamente com o trabalho e, por isso, é equiparada a acidente de trabalho. E como toda doença ocupacional incapacitante, após diagnóstico médico, deve o empregado ser afastado do trabalho”.

O especialista e direito do trabalho e previdenciário Erick Magalhães, sócio do Magalhães & Moreno Advogados, observa que a burnout é doença causada pelas condições do trabalho, portanto, é uma doença ocupacional. “Trata-se de estresse crônico, uma forma de depressão caracterizada por sentimentos negativos em relação ao trabalho, sensação de esgotamento ou eficácia profissional reduzida. A doença pode causar incapacidade temporária ou definitiva para o trabalho, assim como ocorre nos demais casos de depressão e das doenças psiquiátricas, portanto, resultando no afastamento do trabalhador.”

E, após o afastamento, diagnosticado por meio de avaliação médica a existência da doença, o trabalhador pode requisitar, após o 16º dia de atestado médico, a realização de perícia médica do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) para constatação da incapacidade para exercer o labor e a concessão de benefício previdenciário com o intuito de tratamento médico para convalescência da patologia.

“Existem critérios a serem observados quanto ao pagamento do trabalhador neste período. Nos primeiros 15 dias de afastamento, a empresa deverá arcar com o salário do empregado, já a partir do 16º dia, a responsabilidade de subsídio ao trabalhador é transportada ao INSS, por meio de benéficos previdenciários”, explica o advogado Ruslan Stuchi, sócio do Stuchi Advogados.


FGTS e estabilidade de 12 meses são garantidos

O advogado Erick Magalhães frisa que é importante que haja o correto diagnóstico da doença, devendo o médico atestar de forma clara que se trata da síndrome de burnout.

“Caso a síndrome esteja associada a outras doenças, é importante destacar todas no diagnóstico. Isto porque, quando o trabalhador está acometido do burnout, o empregado também possui o direito de continuar recendo o FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) e tem estabilidade acidentária de 12 meses, após seu retorno ao trabalho. Já na depressão comum, o empregado não recebe o FGTS e não há estabilidade quando retornar ao emprego”, alerta.

O especialista também destaca que, caso a síndrome seja passageira, resultando numa incapacidade temporária, o trabalhador receberá o auxílio-doença acidentário. “Porém, em casos mais graves da doença que resultem na incapacidade total e definitiva para o trabalho, pode resultar até mesmo na aposentadoria por invalidez”, aponta.

Magalhães observa que, “como se trata de doença psiquiátrica, o histórico da enfermidade provado pelo prontuário médico, o relatório médico particular, as internações e receitas de medicamentos são decisivos para formar a convicção do perito do INSS ou do perito judicial nos casos em que o trabalhador não teve o benefício concedido de forma administrativa. Por isso, é importante que o trabalhador tenha esses documentos atualizados e os mantenha guardados, inclusive os mais antigos, já que referida doença pode ser reincidente e o histórico clínico poderá ser usado”.

Segundo o advogado Ruslan Stuchi, por ser patologia de cunho psiquiátrico, a subjetividade acaba afastando o requisito da incapacidade, ou seja, peritos do INSS, ao visualizarem as condições físicas do trabalhador aparentemente normais, acabam indeferindo benefícios previdenciários sob a alegação de inexistência de doença que justifique o afastamento do trabalho. “Entretanto, essa síndrome, assim como outras desse caráter, deve ser analisada com cautela redobrada, visto que prejudica os desenvolvimentos intelectual do empregado. E, por esse motivo, muitos casos acabam desaguando no Judiciário”, diz. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;