Fechar
Publicidade

Sábado, 21 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Em debate, candidatos à PGR defendem respeito à lista tríplice



05/06/2019 | 21:17


Os nove candidatos ao cargo de procurador-geral da República que participaram de um debate no Rio de Janeiro, na tarde desta quarta-feira, 5, divergiram em vários pontos, mas foram unânimes quanto à importância de se respeitar a lista tríplice. Para os candidatos, seria um retrocesso para o País a nomeação de alguém que não esteja entre os três integrantes da lista. Ao todo, dez pessoas concorrem nessa eleição, mas um dos candidatos não compareceu ao debate no Rio.

O presidente da República pode indicar para a chefia do Ministério Público Federal (MPF) qualquer integrante da carreira que tenha mais de 35 anos. Em seguida a pessoa tem de ser aprovada pelo Senado, por maioria absoluta, e então poderá ser nomeada.

Desde 2001, a Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR) promove uma eleição interna entre todos os seus integrantes da ativa - neste ano, 1.200 procuradores estão aptos a votar -, e apresenta ao presidente da República, como sugestão. Na primeira eleição, o procurador mais votado foi Antonio Fernando, com 184 votos, seguido por Cláudio Fonteles (123 votos) e Ela Wiecko (103 votos). Mas o então presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) reconduziu Geraldo Brindeiro, que havia ficado em sétimo, com 67 votos.

A partir de 2003, todos os presidentes indicaram o mais votado da lista tríplice. Neste ano, dez candidatos se inscreveram para a eleição, mas há rumores de que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) pode indicar alguém que não tenha se candidatado. Uma hipótese seria reconduzir a atual procuradora-geral da República, Raquel Dodge.

"Nós estamos confiantes de que a lista será respeitada e não temos nenhuma informação em sentido contrário", afirmou o presidente da ANPR, Fábio George. Questionado sobre a hipótese de ser indicada uma pessoa de fora da lista, ele reagiu com uma expressão popular: "Cada dia com a sua dor".

O candidato José Robalinho Cavalcanti, que presidiu a ANPR até maio passado, também acredita que o presidente respeitará a lista: "Bolsonaro escolheu para ministro da Justiça um ícone da Lava Jato, sabe que a Lava Jato não seria sombra do que foi sem a lista tríplice. Acredito que o presidente vai escolher dentro da lista não porque esteja obrigado a isso, mas porque corresponde ao melhor para o Brasil e ao Ministério Público que ele sempre defendeu, independente, altivo, com capacidade de levar sua missão com equilíbrio, doa a quem doer", afirmou.

"Participei da condução de quatro listas, e todas têm suas polêmicas. Na última, de dois anos atrás, as especulações de que a lista não seria respeitada eram ainda mais fortes. Houve até entrevista do ministro Eliseu Padilha, chefe da Casa Civil e uma das pessoas mais próximas ao (então) presidente Temer, dizendo várias vezes que achava que a lista não seria respeitada, e afinal ela foi", relembrou Cavalcanti, que classificou a eventual nomeação de alguém de fora da lista como "um enorme retrocesso, não para o Ministério Público apenas, mas para o País".

Durante o debate, essa postura foi defendida por todos os candidatos, que divergiram em outros temas. Paulo Bueno questionou Lauro Cardoso sobre liberdade de imprensa e defendeu que a imprensa divulgue mais notícias boas e menos crimes. Segundo Bueno, a divulgação de feminicídios é um incentivo para que mais criminosos os pratiquem. Cardoso contestou o colega e defendeu a absoluta liberdade de imprensa. Em outro momento, Bueno respondeu a pergunta da plateia sobre a liberação do uso de drogas e se disse favorável, "de forma paulatina e comedida".



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Em debate, candidatos à PGR defendem respeito à lista tríplice


05/06/2019 | 21:17


Os nove candidatos ao cargo de procurador-geral da República que participaram de um debate no Rio de Janeiro, na tarde desta quarta-feira, 5, divergiram em vários pontos, mas foram unânimes quanto à importância de se respeitar a lista tríplice. Para os candidatos, seria um retrocesso para o País a nomeação de alguém que não esteja entre os três integrantes da lista. Ao todo, dez pessoas concorrem nessa eleição, mas um dos candidatos não compareceu ao debate no Rio.

O presidente da República pode indicar para a chefia do Ministério Público Federal (MPF) qualquer integrante da carreira que tenha mais de 35 anos. Em seguida a pessoa tem de ser aprovada pelo Senado, por maioria absoluta, e então poderá ser nomeada.

Desde 2001, a Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR) promove uma eleição interna entre todos os seus integrantes da ativa - neste ano, 1.200 procuradores estão aptos a votar -, e apresenta ao presidente da República, como sugestão. Na primeira eleição, o procurador mais votado foi Antonio Fernando, com 184 votos, seguido por Cláudio Fonteles (123 votos) e Ela Wiecko (103 votos). Mas o então presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) reconduziu Geraldo Brindeiro, que havia ficado em sétimo, com 67 votos.

A partir de 2003, todos os presidentes indicaram o mais votado da lista tríplice. Neste ano, dez candidatos se inscreveram para a eleição, mas há rumores de que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) pode indicar alguém que não tenha se candidatado. Uma hipótese seria reconduzir a atual procuradora-geral da República, Raquel Dodge.

"Nós estamos confiantes de que a lista será respeitada e não temos nenhuma informação em sentido contrário", afirmou o presidente da ANPR, Fábio George. Questionado sobre a hipótese de ser indicada uma pessoa de fora da lista, ele reagiu com uma expressão popular: "Cada dia com a sua dor".

O candidato José Robalinho Cavalcanti, que presidiu a ANPR até maio passado, também acredita que o presidente respeitará a lista: "Bolsonaro escolheu para ministro da Justiça um ícone da Lava Jato, sabe que a Lava Jato não seria sombra do que foi sem a lista tríplice. Acredito que o presidente vai escolher dentro da lista não porque esteja obrigado a isso, mas porque corresponde ao melhor para o Brasil e ao Ministério Público que ele sempre defendeu, independente, altivo, com capacidade de levar sua missão com equilíbrio, doa a quem doer", afirmou.

"Participei da condução de quatro listas, e todas têm suas polêmicas. Na última, de dois anos atrás, as especulações de que a lista não seria respeitada eram ainda mais fortes. Houve até entrevista do ministro Eliseu Padilha, chefe da Casa Civil e uma das pessoas mais próximas ao (então) presidente Temer, dizendo várias vezes que achava que a lista não seria respeitada, e afinal ela foi", relembrou Cavalcanti, que classificou a eventual nomeação de alguém de fora da lista como "um enorme retrocesso, não para o Ministério Público apenas, mas para o País".

Durante o debate, essa postura foi defendida por todos os candidatos, que divergiram em outros temas. Paulo Bueno questionou Lauro Cardoso sobre liberdade de imprensa e defendeu que a imprensa divulgue mais notícias boas e menos crimes. Segundo Bueno, a divulgação de feminicídios é um incentivo para que mais criminosos os pratiquem. Cardoso contestou o colega e defendeu a absoluta liberdade de imprensa. Em outro momento, Bueno respondeu a pergunta da plateia sobre a liberação do uso de drogas e se disse favorável, "de forma paulatina e comedida".

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;