Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 18 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

PMI Brasil mostrou maio desafiador para indústria e serviços, diz IHS Markit



05/06/2019 | 14:19


Dados do PMI Brasil divulgados nesta quarta-feira, 5, pela IHS Markit, destacam um mês de maio desafiador para os brasileiros prestadores de serviços, que reduziram a produção e o emprego. Por todos os todos os cortes, o PMI brasileiro em maio caiu para próximo ou abaixo da graduação de neutralidade, de 50 pontos, entrando refletindo o quadro recessivo da economia agregada.

De acordo com a internacional IHS Markit, o agravamento da situação se materializou pela desaceleração no crescimento das vendas e no aumento dos custos para se chegar aos produtos e serviços finais. Questões políticas e desvalorização do real também compõem o cardápio das variáveis que contribuíram em maio para a queda do PMI.

O PMI Serviços caiu de 49,9 pontos em abril para 47,8 em maio e ficou abaixo da média dos últimos dois anos, embora apontasse para uma taxa moderada de contração. "Empresas brasileiras de serviços viram demanda no exterior deteriorar pelo terceiro mês consecutivo, com a contração nas exportação se mostrando a mais acentuada desde outubro do ano passado", afirmam os técnicos da IHS Markit.

O indicador de produção industrial até conseguiu se segurar num patamar ligeiramente à taxa de neutralidade ao fechar em maio em 50,2 pontos. Mas veio de uma graduação de 51,5 pontos em abril. Se não ficou no terreno negativo, o resultado foi de desaceleração. Com isso, o PMI Composto de maio caiu a 48,4 pontos da medida de 50,6 pontos.

Inflação

Em resposta a uma pesquisa feita em maio pela IHS Markit, empresários dos setores da indústria e dos serviços indicaram preços mais altos para materiais, alimentos, combustíveis e medicamentos. Quase 10% dos prestadores de serviços repassaram parte do aumento dos custos para os seus clientes.

No entanto, as empresas brasileiras de serviços continuaram otimistas em relação aos próximos 12 meses. Esse otimismo, de acordo com a IHS Markit, é sustentado por esperanças de melhores condições econômicas, reformas estruturais, maiores vendas online e novas parcerias. "Houve uma melhora no sentimento geral a partir de abril, embora o nível de confiança ainda seja o segundo menor registrado no acumulado do ano."



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

PMI Brasil mostrou maio desafiador para indústria e serviços, diz IHS Markit


05/06/2019 | 14:19


Dados do PMI Brasil divulgados nesta quarta-feira, 5, pela IHS Markit, destacam um mês de maio desafiador para os brasileiros prestadores de serviços, que reduziram a produção e o emprego. Por todos os todos os cortes, o PMI brasileiro em maio caiu para próximo ou abaixo da graduação de neutralidade, de 50 pontos, entrando refletindo o quadro recessivo da economia agregada.

De acordo com a internacional IHS Markit, o agravamento da situação se materializou pela desaceleração no crescimento das vendas e no aumento dos custos para se chegar aos produtos e serviços finais. Questões políticas e desvalorização do real também compõem o cardápio das variáveis que contribuíram em maio para a queda do PMI.

O PMI Serviços caiu de 49,9 pontos em abril para 47,8 em maio e ficou abaixo da média dos últimos dois anos, embora apontasse para uma taxa moderada de contração. "Empresas brasileiras de serviços viram demanda no exterior deteriorar pelo terceiro mês consecutivo, com a contração nas exportação se mostrando a mais acentuada desde outubro do ano passado", afirmam os técnicos da IHS Markit.

O indicador de produção industrial até conseguiu se segurar num patamar ligeiramente à taxa de neutralidade ao fechar em maio em 50,2 pontos. Mas veio de uma graduação de 51,5 pontos em abril. Se não ficou no terreno negativo, o resultado foi de desaceleração. Com isso, o PMI Composto de maio caiu a 48,4 pontos da medida de 50,6 pontos.

Inflação

Em resposta a uma pesquisa feita em maio pela IHS Markit, empresários dos setores da indústria e dos serviços indicaram preços mais altos para materiais, alimentos, combustíveis e medicamentos. Quase 10% dos prestadores de serviços repassaram parte do aumento dos custos para os seus clientes.

No entanto, as empresas brasileiras de serviços continuaram otimistas em relação aos próximos 12 meses. Esse otimismo, de acordo com a IHS Markit, é sustentado por esperanças de melhores condições econômicas, reformas estruturais, maiores vendas online e novas parcerias. "Houve uma melhora no sentimento geral a partir de abril, embora o nível de confiança ainda seja o segundo menor registrado no acumulado do ano."

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;