Fechar
Publicidade

Sábado, 20 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

'Sem equilíbrio fiscal, consumo segue limitado'



05/06/2019 | 07:01


O cenário de insegurança em relação ao futuro da economia não tem impedido a C&A de continuar a abrir novas lojas físicas no Brasil. O plano é ter pelo menos dez novos endereços até o fim do ano. A macroeconomia, porém, serve de neblina para a projeção sobre a perspectiva de consumo.

Para o presidente da C&A Brasil, Paulo Correa, essa névoa só deve se dissipar se o governo do presidente Jair Bolsonaro conseguir aprovar reformas fiscais. Alvo de rumores no passado sobre uma possível abertura de capital no Brasil, a C&A não tem "nada concreto nesse sentido agora", diz ele, ressalvando que a empresa passa "o tempo inteiro olhando alternativas".

Leia, a seguir, os principais trechos da entrevista:

Como estão as expectativas para o consumo?

Enquanto não houver uma sinalização mais clara de que as medidas de equilíbrio fiscal, trazidas pela reforma da Previdência, forem aprovadas e confirmadas, a gente vai continuar a ver essa insegurança que não ajuda na perspectiva de consumo. Ao mesmo tempo, se realmente acontecer - e sou um dos que crê na aprovação no segundo semestre -, deverá gerar uma reversão de ciclo, com investimento, confiança e evolução no consumo.

A reforma da Previdência, por si só, é capaz de fazer a economia crescer?

Seria uma indicação clara de que o País vai ter um equilíbrio fiscal projetado. Os investidores, principalmente os internacionais, estão tentando entender se isso vai acontecer ou não para poder trazer liquidez (por meio de investimentos) para o Brasil. Isso sim mudaria a dimensão de consumo: esse fluxo de dinheiro poderia reativar a economia como um todo.

No caso da C&A, vocês estão esperando a economia reagir para investir?

Toda a energia da empresa tem ido para a nossa evolução como varejista, ao mesmo tempo em que tentamos identificar para onde está indo a economia. Como a gente não pode depender desse talvez, temos uma dimensão digital, soluções mais ágeis, propostas comerciais mais interessantes. Estamos fazendo nosso dever de casa para que a C&A, seja uma opção mais relevante, independente se o mercado está crescendo.

Houve rumores de que a C&A poderia abrir o capital no Brasil. Isso já foi avaliado pela sede?

A C&A é uma empresa de 178 anos, nas mãos da sexta geração da mesma família de origem holandesa, dona de 100% do controle. Tudo o que foi falado antes, foram rumores. Essa é a situação de hoje. O tempo inteiro olhamos alternativas, mas até agora não existe nada concreto nesse sentido.

Como estão os investimentos para o e-commerce?

É uma área importante para a companhia, que tem a ver com poder entregar produtos para o cliente a qualquer momento, do jeito que ele quer. Há também o uso de inteligência artificial para entender seu comportamento e preferências para poder oferecer histórias personalizadas e um desenvolvimento de produto mais ágil.

Esse projeto Mindse7, no qual toda semana chegam coleções novas às lojas, veio para trazer essa agilidade?

Sim, e é um conceito diferente. Fast fashion tradicional é o que está acontecendo nas passarelas e é trazido rapidamente para as lojas. Não é isso que a gente quer.

Queremos o que está rolando nas ruas e as pessoas estão querendo naquele momento.

Como é feita essa percepção do que está rolando nas ruas?

Temos um grupo de pessoas talentosas viajando o tempo inteiro no Brasil e no mundo, percebendo o que está acontecendo. Vão aos lugares mais interessantes, registram e usam de inspiração para uma pequena cápsula de 15 modelos. Em comunicação quase online com fornecedores, constroem protótipos, depois ajustados, e começa o ciclo de produção.

Quanto tempo leva esse processo?

O grande diferencial dessa coleção é esse: entre a hora que a gente identifica uma história e ela chega nas lojas, leva 35 dias. O ciclo normal é de 120 a 180 dias. É uma velocidade brutal, e tem a ver com um jeito de se organizar internamente. Todo mundo conversa online, com suportes tecnológicos e fornecedores juntos. Tudo isso gera velocidade grande.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

'Sem equilíbrio fiscal, consumo segue limitado'


05/06/2019 | 07:01


O cenário de insegurança em relação ao futuro da economia não tem impedido a C&A de continuar a abrir novas lojas físicas no Brasil. O plano é ter pelo menos dez novos endereços até o fim do ano. A macroeconomia, porém, serve de neblina para a projeção sobre a perspectiva de consumo.

Para o presidente da C&A Brasil, Paulo Correa, essa névoa só deve se dissipar se o governo do presidente Jair Bolsonaro conseguir aprovar reformas fiscais. Alvo de rumores no passado sobre uma possível abertura de capital no Brasil, a C&A não tem "nada concreto nesse sentido agora", diz ele, ressalvando que a empresa passa "o tempo inteiro olhando alternativas".

Leia, a seguir, os principais trechos da entrevista:

Como estão as expectativas para o consumo?

Enquanto não houver uma sinalização mais clara de que as medidas de equilíbrio fiscal, trazidas pela reforma da Previdência, forem aprovadas e confirmadas, a gente vai continuar a ver essa insegurança que não ajuda na perspectiva de consumo. Ao mesmo tempo, se realmente acontecer - e sou um dos que crê na aprovação no segundo semestre -, deverá gerar uma reversão de ciclo, com investimento, confiança e evolução no consumo.

A reforma da Previdência, por si só, é capaz de fazer a economia crescer?

Seria uma indicação clara de que o País vai ter um equilíbrio fiscal projetado. Os investidores, principalmente os internacionais, estão tentando entender se isso vai acontecer ou não para poder trazer liquidez (por meio de investimentos) para o Brasil. Isso sim mudaria a dimensão de consumo: esse fluxo de dinheiro poderia reativar a economia como um todo.

No caso da C&A, vocês estão esperando a economia reagir para investir?

Toda a energia da empresa tem ido para a nossa evolução como varejista, ao mesmo tempo em que tentamos identificar para onde está indo a economia. Como a gente não pode depender desse talvez, temos uma dimensão digital, soluções mais ágeis, propostas comerciais mais interessantes. Estamos fazendo nosso dever de casa para que a C&A, seja uma opção mais relevante, independente se o mercado está crescendo.

Houve rumores de que a C&A poderia abrir o capital no Brasil. Isso já foi avaliado pela sede?

A C&A é uma empresa de 178 anos, nas mãos da sexta geração da mesma família de origem holandesa, dona de 100% do controle. Tudo o que foi falado antes, foram rumores. Essa é a situação de hoje. O tempo inteiro olhamos alternativas, mas até agora não existe nada concreto nesse sentido.

Como estão os investimentos para o e-commerce?

É uma área importante para a companhia, que tem a ver com poder entregar produtos para o cliente a qualquer momento, do jeito que ele quer. Há também o uso de inteligência artificial para entender seu comportamento e preferências para poder oferecer histórias personalizadas e um desenvolvimento de produto mais ágil.

Esse projeto Mindse7, no qual toda semana chegam coleções novas às lojas, veio para trazer essa agilidade?

Sim, e é um conceito diferente. Fast fashion tradicional é o que está acontecendo nas passarelas e é trazido rapidamente para as lojas. Não é isso que a gente quer.

Queremos o que está rolando nas ruas e as pessoas estão querendo naquele momento.

Como é feita essa percepção do que está rolando nas ruas?

Temos um grupo de pessoas talentosas viajando o tempo inteiro no Brasil e no mundo, percebendo o que está acontecendo. Vão aos lugares mais interessantes, registram e usam de inspiração para uma pequena cápsula de 15 modelos. Em comunicação quase online com fornecedores, constroem protótipos, depois ajustados, e começa o ciclo de produção.

Quanto tempo leva esse processo?

O grande diferencial dessa coleção é esse: entre a hora que a gente identifica uma história e ela chega nas lojas, leva 35 dias. O ciclo normal é de 120 a 180 dias. É uma velocidade brutal, e tem a ver com um jeito de se organizar internamente. Todo mundo conversa online, com suportes tecnológicos e fornecedores juntos. Tudo isso gera velocidade grande.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;