Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 21 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Caso Marcello Miller é relembrado em debate com candidatos à PGR



04/06/2019 | 18:52


Denunciado por ajudar a J&F em seu acordo de leniência, o ex-procurador Marcello Miller foi relembrado nesta terça-feira, 4, durante debate entre candidatos à lista tríplice da Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR) para a Procuradoria-Geral da República (PGR). Indiretamente citado, ele foi criticado por postulantes ao cargo de procurador-geral da República.

"Não temos de tapar o sol com a peneira. Temos de fazer padrões. Temos de ter canais de denúncia. Temos de nos dispor a auditorias internas para ver se o padrão de investigação está na direção correta", afirmou o ex-presidente da ANPR e candidato à lista tríplice José Robalinho Cavalcanti, sem citar nominalmente Miller, mas relembrar o caso de "dois, três anos atrás de um colega de dentro do gabinete procurador-geral que está alcançado e denunciado por estar trabalhando em conjunto com pessoas que estavam sob investigação".

Miller era procurador e chegou a integrar a força-tarefa da Lava Jato na gestão de Rodrigo Janot. Ele deixou, porém, o MPF em abril de 2017 para trabalhar no escritório que cuidava do acordo de leniência da J&F.

Ao ser questionado sobre as políticas de compliance que devem ser adotadas pela chefia do MP, Robalinho disse que é preciso a criação de padrões de procedimentos em "situações delicadas", como as de delações premiadas e reuniões. As afirmações dele foram feitas durante debate de dez candidatos à lista tríplice da ANPR, em São Paulo.

Em resposta, o subprocurador Antonio Carlos da Fonseca criticou uma espécie de cegueira da entidade em relação a casos de corrupção interna.

"Às vezes há a impressão que as coisas ruins e os malfeitos não ocorrem conosco. Esta é uma imagem errada. Aliás, a primeira coisa para se prevenir a corrupção é admitir que ela pode ocorrer em qualquer lugar", afirmou.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Caso Marcello Miller é relembrado em debate com candidatos à PGR


04/06/2019 | 18:52


Denunciado por ajudar a J&F em seu acordo de leniência, o ex-procurador Marcello Miller foi relembrado nesta terça-feira, 4, durante debate entre candidatos à lista tríplice da Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR) para a Procuradoria-Geral da República (PGR). Indiretamente citado, ele foi criticado por postulantes ao cargo de procurador-geral da República.

"Não temos de tapar o sol com a peneira. Temos de fazer padrões. Temos de ter canais de denúncia. Temos de nos dispor a auditorias internas para ver se o padrão de investigação está na direção correta", afirmou o ex-presidente da ANPR e candidato à lista tríplice José Robalinho Cavalcanti, sem citar nominalmente Miller, mas relembrar o caso de "dois, três anos atrás de um colega de dentro do gabinete procurador-geral que está alcançado e denunciado por estar trabalhando em conjunto com pessoas que estavam sob investigação".

Miller era procurador e chegou a integrar a força-tarefa da Lava Jato na gestão de Rodrigo Janot. Ele deixou, porém, o MPF em abril de 2017 para trabalhar no escritório que cuidava do acordo de leniência da J&F.

Ao ser questionado sobre as políticas de compliance que devem ser adotadas pela chefia do MP, Robalinho disse que é preciso a criação de padrões de procedimentos em "situações delicadas", como as de delações premiadas e reuniões. As afirmações dele foram feitas durante debate de dez candidatos à lista tríplice da ANPR, em São Paulo.

Em resposta, o subprocurador Antonio Carlos da Fonseca criticou uma espécie de cegueira da entidade em relação a casos de corrupção interna.

"Às vezes há a impressão que as coisas ruins e os malfeitos não ocorrem conosco. Esta é uma imagem errada. Aliás, a primeira coisa para se prevenir a corrupção é admitir que ela pode ocorrer em qualquer lugar", afirmou.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;