Fechar
Publicidade

Sábado, 16 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Covas convidará ministro para falar sobre internação involuntárias na Cracolândia

Pixabay / banco de imagens Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


03/06/2019 | 13:15


A gestão do prefeito de São Paulo, Bruno Covas, (PSDB) quer sentar com o ministro da Cidadania, Osmar Terra, para entender as propostas do presidente Jair Bolsonaro, que pretende adotar a abstinência como regra no País. A decisão sobre o convite partiu após uma reunião entre Covas e o governador de São Paulo, João Doria, na manhã desta segunda-feira, 3.

A política de drogas da capital paulista vai na contramão do projeto de Bolsonaro e foca na redução de danos, cujo principal objetivo é garantir que o paciente, aos poucos, melhore seu estado geral, preserve-se de doenças relacionadas ao uso de drogas e diminua o uso até chegar à abstinência.

"Temos o nosso programa municipal que trabalha primordialmente com as internações voluntárias. Temos um contato e estamos fazendo integração com o governo estadual, que trabalha com modelos de algumas internações involuntárias", explica Arthur Guerra, médico psiquiatra coordenador do programa Redenção.

"Queremos conversar com o governo federal que tem como uma possibilidade, não é a única, uma possibilidade de internação involuntária como uma ferramenta importante na recuperação desses usuários. Achamos que podemos aumentar um pouquinho e entender melhor como se faz a integração com o governo do Estado, que, além das internações voluntárias, também trabalha com algumas internações involuntárias", diz Guerra. "Queremos conversar com o governo federal para entender melhor qual é a proposta que eles têm sobre as internações involuntárias."

A princípio, de acordo com Guerra, o convite é para uma conversa. No segundo momento, pode haver um pedido de transferência de recursos do governo federal.

Há duas semanas, Covas anunciou a fase 2 do programa Redenção. O prefeito vai retomar o pagamento de uma bolsa trabalho a dependentes químicos da cracolândia. A iniciativa, similar à adotada pelo ex-prefeito Fernando Haddad (PT) por meio do programa De Braços Abertos, foi anunciada nesta segunda-feira e foca na redução de danos, ao contrário da linha defendida pelo governo federal e pelo governador João Doria (PSDB) quando este era prefeito. Ambos apoiam ações com foco na abstinência e internação forçada.

Esta foi a segunda reunião entre Prefeitura e governo estadual. A primeira foi realizada um mês atrás e a próxima está marcada para 28 de julho. No encontro desta segunda, Covas e Doria criaram ainda quatro grupos de trabalho entre secretários estaduais e municipais nas áreas de saúde, segurança pública, assistência social e geração de renda e trabalho para discutir medidas a curto e médio prazo.

Segundo o novo programa, os usuários de drogas receberão R$ 698,46 por 20 horas semanais de trabalho em atividades como limpeza, jardinagem, construção civil, pintura, hidráulica, entre outras. Inicialmente, serão disponibilizadas 300 vagas e o participante poderá ficar no programa por, no máximo, dois anos. Depois desse prazo, a ideia é que ele consiga um emprego formal.

Além da criação dos grupos de trabalho e a formalização de um convite ao ministro, a Prefeitura deve realizar uma reunião ainda nesta semana com membros da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) para a elaboração de uma pesquisa sobre a política que vem sendo utilizada com usuários de drogas da região da Luz, onde se concentra a Cracolândia.

"Vamos buscar junto a Fapesp um modelo de pesquisa que possa avaliar como esse esforço todo nosso, municipal e estadual, tem a sua credibilidade. Funciona mesmo ou não? Que pontos são positivos que devemos manter e que pontos são negativos que devemos ajustar?", explicou Guerra.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Covas convidará ministro para falar sobre internação involuntárias na Cracolândia


03/06/2019 | 13:15


A gestão do prefeito de São Paulo, Bruno Covas, (PSDB) quer sentar com o ministro da Cidadania, Osmar Terra, para entender as propostas do presidente Jair Bolsonaro, que pretende adotar a abstinência como regra no País. A decisão sobre o convite partiu após uma reunião entre Covas e o governador de São Paulo, João Doria, na manhã desta segunda-feira, 3.

A política de drogas da capital paulista vai na contramão do projeto de Bolsonaro e foca na redução de danos, cujo principal objetivo é garantir que o paciente, aos poucos, melhore seu estado geral, preserve-se de doenças relacionadas ao uso de drogas e diminua o uso até chegar à abstinência.

"Temos o nosso programa municipal que trabalha primordialmente com as internações voluntárias. Temos um contato e estamos fazendo integração com o governo estadual, que trabalha com modelos de algumas internações involuntárias", explica Arthur Guerra, médico psiquiatra coordenador do programa Redenção.

"Queremos conversar com o governo federal que tem como uma possibilidade, não é a única, uma possibilidade de internação involuntária como uma ferramenta importante na recuperação desses usuários. Achamos que podemos aumentar um pouquinho e entender melhor como se faz a integração com o governo do Estado, que, além das internações voluntárias, também trabalha com algumas internações involuntárias", diz Guerra. "Queremos conversar com o governo federal para entender melhor qual é a proposta que eles têm sobre as internações involuntárias."

A princípio, de acordo com Guerra, o convite é para uma conversa. No segundo momento, pode haver um pedido de transferência de recursos do governo federal.

Há duas semanas, Covas anunciou a fase 2 do programa Redenção. O prefeito vai retomar o pagamento de uma bolsa trabalho a dependentes químicos da cracolândia. A iniciativa, similar à adotada pelo ex-prefeito Fernando Haddad (PT) por meio do programa De Braços Abertos, foi anunciada nesta segunda-feira e foca na redução de danos, ao contrário da linha defendida pelo governo federal e pelo governador João Doria (PSDB) quando este era prefeito. Ambos apoiam ações com foco na abstinência e internação forçada.

Esta foi a segunda reunião entre Prefeitura e governo estadual. A primeira foi realizada um mês atrás e a próxima está marcada para 28 de julho. No encontro desta segunda, Covas e Doria criaram ainda quatro grupos de trabalho entre secretários estaduais e municipais nas áreas de saúde, segurança pública, assistência social e geração de renda e trabalho para discutir medidas a curto e médio prazo.

Segundo o novo programa, os usuários de drogas receberão R$ 698,46 por 20 horas semanais de trabalho em atividades como limpeza, jardinagem, construção civil, pintura, hidráulica, entre outras. Inicialmente, serão disponibilizadas 300 vagas e o participante poderá ficar no programa por, no máximo, dois anos. Depois desse prazo, a ideia é que ele consiga um emprego formal.

Além da criação dos grupos de trabalho e a formalização de um convite ao ministro, a Prefeitura deve realizar uma reunião ainda nesta semana com membros da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) para a elaboração de uma pesquisa sobre a política que vem sendo utilizada com usuários de drogas da região da Luz, onde se concentra a Cracolândia.

"Vamos buscar junto a Fapesp um modelo de pesquisa que possa avaliar como esse esforço todo nosso, municipal e estadual, tem a sua credibilidade. Funciona mesmo ou não? Que pontos são positivos que devemos manter e que pontos são negativos que devemos ajustar?", explicou Guerra.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;