Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 11 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Sem acordo, líderes do Senado discutem
há duas horas votação sobre Coaf

Arquivo/Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


28/05/2019 | 17:51


Líderes do Senado já estão reunidos há duas horas para tentar um acordo em torno da votação da reforma administrativa. Pelo menos cinco bancadas ainda defendem alterar o texto da Câmara e manter o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) com o Ministério da Justiça e Segurança Pública, elevando o risco de a medida provisória perder a validade.

Na reunião de líderes, PSD, Podemos, Rede, PSB e PROS insistem em votar o item do Coaf separadamente e ainda exibir no plenário o voto de cada parlamentar. O PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro, recuou e cedeu ao apelo do Planalto para aprovar o texto da Câmara. No encontro, Major Olimpio (PSL-SP) não escondeu a indisposição com o posicionamento, de acordo com relatos.

Mesmo que haja votação sobre o Coaf, senadores afirmam que não há votos para reverter o texto dos deputados. Lasier Martins (Pode-RS), integrante de um dos partidos que apresentou o pedido para o Coaf ficar com Moro, afirmou que haveria somente 20 a 25 votos dos 41 necessários para que o órgão continue nas mãos do ministro Sergio Moro.

Carta

Durante a reunião de líderes, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), leu uma carta do presidente Bolsonaro pedindo que os senadores votem a reforma administrativa conforme o texto da Câmara, tirando o Coaf do Ministério da Justiça.

Conforme relatos feitos reservadamente, Alcolumbre reforçou o apelo do Planalto citando o risco de o texto ser alterado, voltar para a Câmara e caducar. A carta foi assinada por Bolsonaro e pelos ministros Onyx Lorenzoni (Casa Civil), Paulo Guedes (Economia) e Sergio Moro (Justiça). Alcolumbre teria destacado ainda que esta é a primeira vez que um presidente da República faz um gesto como esse para pedir recuo dos congressistas em nome de manter a reestruturação administrativa.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Sem acordo, líderes do Senado discutem
há duas horas votação sobre Coaf


28/05/2019 | 17:51


Líderes do Senado já estão reunidos há duas horas para tentar um acordo em torno da votação da reforma administrativa. Pelo menos cinco bancadas ainda defendem alterar o texto da Câmara e manter o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) com o Ministério da Justiça e Segurança Pública, elevando o risco de a medida provisória perder a validade.

Na reunião de líderes, PSD, Podemos, Rede, PSB e PROS insistem em votar o item do Coaf separadamente e ainda exibir no plenário o voto de cada parlamentar. O PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro, recuou e cedeu ao apelo do Planalto para aprovar o texto da Câmara. No encontro, Major Olimpio (PSL-SP) não escondeu a indisposição com o posicionamento, de acordo com relatos.

Mesmo que haja votação sobre o Coaf, senadores afirmam que não há votos para reverter o texto dos deputados. Lasier Martins (Pode-RS), integrante de um dos partidos que apresentou o pedido para o Coaf ficar com Moro, afirmou que haveria somente 20 a 25 votos dos 41 necessários para que o órgão continue nas mãos do ministro Sergio Moro.

Carta

Durante a reunião de líderes, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), leu uma carta do presidente Bolsonaro pedindo que os senadores votem a reforma administrativa conforme o texto da Câmara, tirando o Coaf do Ministério da Justiça.

Conforme relatos feitos reservadamente, Alcolumbre reforçou o apelo do Planalto citando o risco de o texto ser alterado, voltar para a Câmara e caducar. A carta foi assinada por Bolsonaro e pelos ministros Onyx Lorenzoni (Casa Civil), Paulo Guedes (Economia) e Sergio Moro (Justiça). Alcolumbre teria destacado ainda que esta é a primeira vez que um presidente da República faz um gesto como esse para pedir recuo dos congressistas em nome de manter a reestruturação administrativa.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;