Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 18 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Saúde Feminina: Conheça as principais doenças que tem afetado as brasileiras

Pixabay / banco de imagens Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Lorena S. Ávila
Especial para o Dgabc.com.br

28/05/2019 | 16:46


A saúde feminina é tema importante que gera debate e conscientização. Apesar das mulheres se afastarem menos (18%) do trabalho que os homens (59%) por motivos de saúde, o gênero ainda é afetado por doenças crônicas e sérias. Nesta terça-feira (28), comemora-se o Dia Internacional de Luta pela Saúde da Mulher, tema que coloca em foco as doenças e problemas que tem afetado a população feminina.

De acordo com a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), as doenças que mais atingem esse grupo populacional estão câncer de mama, endometriose, infecção urinária, câncer no colo do útero, fibromialgia, depressão e obesidade. Em paralelo, a GESTO, health tech de corretagem de seguro saúde, baseada em ciência de dados, realizou uma pesquisa e mapeou uma base de aproximadamente 720 mil clientes atendidos pelos planos de saúde empresariais e observou que os problemas estão correlacionados com os motivos crônicos que se apresentam com mais frequência.

O estudo considerou 375 mil mulheres na amostra e concluiu que; dislipidemia (elevação de colesterol e triglicerídeos), diabetes, problemas reumáticos e oncológicos afetam o gênero feminino significativamente, assim como questões ortopédicas e infecto-contagiosas. Esse cenário, exige certa atenção para elevar a qualidade de vida delas. Apesar da gravidade, sempre é possível reverter os riscos e minimizar os sintomas.

Para se prevenir, é recomendável uma mudança de hábito que terá impacto positivo no organismo, como modificar a alimentação, fazer exercícios físicos, ingerir muita água, dormir pelo menos 8h por dia, fazer terapias e nunca subestimar os exames de rotina, como o papanicolau e a mamografia, que são extremamente necessários para a identificação de quaisquer problema. Já para as mulheres que foram afetadas pelas doenças, dedicar-se aos tratamentos e uni-los a uma nova postura, irá auxiliar.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Saúde Feminina: Conheça as principais doenças que tem afetado as brasileiras

Lorena S. Ávila
Especial para o Dgabc.com.br

28/05/2019 | 16:46


A saúde feminina é tema importante que gera debate e conscientização. Apesar das mulheres se afastarem menos (18%) do trabalho que os homens (59%) por motivos de saúde, o gênero ainda é afetado por doenças crônicas e sérias. Nesta terça-feira (28), comemora-se o Dia Internacional de Luta pela Saúde da Mulher, tema que coloca em foco as doenças e problemas que tem afetado a população feminina.

De acordo com a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), as doenças que mais atingem esse grupo populacional estão câncer de mama, endometriose, infecção urinária, câncer no colo do útero, fibromialgia, depressão e obesidade. Em paralelo, a GESTO, health tech de corretagem de seguro saúde, baseada em ciência de dados, realizou uma pesquisa e mapeou uma base de aproximadamente 720 mil clientes atendidos pelos planos de saúde empresariais e observou que os problemas estão correlacionados com os motivos crônicos que se apresentam com mais frequência.

O estudo considerou 375 mil mulheres na amostra e concluiu que; dislipidemia (elevação de colesterol e triglicerídeos), diabetes, problemas reumáticos e oncológicos afetam o gênero feminino significativamente, assim como questões ortopédicas e infecto-contagiosas. Esse cenário, exige certa atenção para elevar a qualidade de vida delas. Apesar da gravidade, sempre é possível reverter os riscos e minimizar os sintomas.

Para se prevenir, é recomendável uma mudança de hábito que terá impacto positivo no organismo, como modificar a alimentação, fazer exercícios físicos, ingerir muita água, dormir pelo menos 8h por dia, fazer terapias e nunca subestimar os exames de rotina, como o papanicolau e a mamografia, que são extremamente necessários para a identificação de quaisquer problema. Já para as mulheres que foram afetadas pelas doenças, dedicar-se aos tratamentos e uni-los a uma nova postura, irá auxiliar.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;