Fechar
Publicidade

Domingo, 16 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

Ganhar perdendo


Carlos Brickmann

26/05/2019 | 07:00


Digam o que disserem os teóricos, o fato é que a anarquia funciona. Jair Bolsonaro tem seus líderes no Congresso, mas cada um diz uma coisa, faz outra e, no caminho, descumpre os acordos que acertou. O próprio Bolsonaro pede uma coisa e luta por outra. O fato é que funcionou: a reorganização do ministério foi aprovada (só que o Coaf ficou na Economia, em vez de ir para a Justiça, e a Funai ficou com a Justiça, saindo dos Direitos Humano – e Bolsonaro, que propôs as mudanças, agora quer que tudo fique como está). O ministro Moro ficou chateado ao perder o Coaf, mas parece já acostumado a apanhar. Há uma reforma tributária pronta para ser votada. Não é a de Paulo Guedes, mas foi redigida por um economista de porte, Bernard Appy; Paulo Guedes pode usá-la. Há uma reforma da Previdência (dos tempos de Temer) já em estágio avançado. É acoplar esta à de Guedes, fazer um substitutivo e pronto. Guedes disse que, se a reforma for daquelas meia-boca, pede para sair. Mas é provável que se entenda bem com Appy e equipe, e se acertem.

Claro que, no meio da confusão do governo e de sua difícil relação com o Congresso, de repente tudo pode desandar. Quem tem tocado as reformas para a frente é o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, um primeiro-ministro informal. O líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo, brigou com ele. Mas os líderes do governo estão brigados entre si (e às vezes agem contra o governo de que são líderes). O governo perde todas, mas é assim que ganha.

Perder perdendo

Na manifestação de hoje, pode ocorrer tudo – inclusive nada. Mas é bom que Bolsonaro tome providências para aumentar sua popularidade: a última pesquisa XP (uma empresa de investimentos cujas pesquisas servem para orientar os investidores) aponta, pela primeira vez, que a avaliação ‘ruim ou péssimo’, 36%, supera a ‘ótimo ou bom’. 34%. Houve pequena queda da avaliação positiva, enquanto a negativa subia cinco pontos, embora a diferença esteja dentro da margem de erro (3,2 pontos percentuais).

Maus indícios

Outros indicadores, porém, mostram queda na popularidade do governo. O grupo que espera que daqui em diante o governo seja ótimo ou bom caiu de 51% para 47%. Só 4% consideram satisfatório o andamento da agenda de Bolsonaro no Congresso. As opiniões se dividem quanto à responsabilidade da lentidão: para 35%, a culpa é conjunta, do governo e do Congresso. Para 30%, a culpa é do Congresso. E só 20% põem a culpa apenas em Bolsonaro.

Parlamentarismo, não

O presidencialismo é de longe a forma de governo preferida: 70% dos entrevistados. E 18% acham que seria melhor adotar o parlamentarismo.

Os dias seguintes

No Congresso, já houve até reuniões de parlamentares importantes sobre “o que fazer com Bolsonaro”. No momento, nada: nem petistas nem olavetes querem tirá-lo, já que não toleram o vice Mourão. Não há clima para golpe nem quem tenha força para desfechá-lo. E, bem ou mal, com anarquia e tudo, as reformas vão andando – lentamente, com modificações, mas vão andando. Se passa uma boa reforma da Previdência (dessas que permitam ao País fazer economia de uns R$ 100 bilhões por ano), haverá melhora geral no ambiente econômico, com o provável aumento dos investimentos externos. Tradução: mais empregos e aceleração do ritmo da economia. Isso eleva a popularidade de qualquer presidente. Se a economia anda, o governo é bom. Ponto final.

Boa notícia

Anote na sua agenda: 30 de maio, quinta-feira que vem, é o Dia Livre de Impostos. Não que o governo deixe de morder o bolso dos cidadãos: mas um grupo de empresários, espalhado pelo País, vai vender seus produtos sem impostos – eles arcarão com os tributos. O objetivo é mostrar como os impostos pesados afetam a vida dos cidadãos. Num ranking de 30 países, o Brasil é o 14º em arrecadação de impostos, e o último em retorno dos gastos para a população. Até o momento, 821 lojas, dos mais variados setores, estão dispostas a vender parte de seus produtos sem os impostos. Os preços caem muito: o brasileiro trabalha 153 dias por ano, cinco meses, só para pagar impostos. Neste Dia sem Impostos, os descontos variam entre 10% e 70%. Há variação de preços conforme o Estado, já que os impostos variam. A lista dos participantes está em www.dialivredeimpostos.com.br

Esfriando os ânimos

O maior congresso latino-americano de sorvetes (Clash) se realiza em São Paulo, nos dias 12 e 13 de junho, no Centro de Convenções do Expo-Center Norte. A área, cerca de 8.000 empresas, com 75 mil empregados, movimenta algo como R$ 13 bilhões de reais por ano, no Brasil. O Clash pretende fazer uma ampla radiografia do setor, sob o tema Sorvete, Novos Tempos: Tendências, Conquistas e Transformações. O Clash funcionará das 9h às 17h30. Inscrições no site www.clash.net.br. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Ganhar perdendo

Carlos Brickmann

26/05/2019 | 07:00


Digam o que disserem os teóricos, o fato é que a anarquia funciona. Jair Bolsonaro tem seus líderes no Congresso, mas cada um diz uma coisa, faz outra e, no caminho, descumpre os acordos que acertou. O próprio Bolsonaro pede uma coisa e luta por outra. O fato é que funcionou: a reorganização do ministério foi aprovada (só que o Coaf ficou na Economia, em vez de ir para a Justiça, e a Funai ficou com a Justiça, saindo dos Direitos Humano – e Bolsonaro, que propôs as mudanças, agora quer que tudo fique como está). O ministro Moro ficou chateado ao perder o Coaf, mas parece já acostumado a apanhar. Há uma reforma tributária pronta para ser votada. Não é a de Paulo Guedes, mas foi redigida por um economista de porte, Bernard Appy; Paulo Guedes pode usá-la. Há uma reforma da Previdência (dos tempos de Temer) já em estágio avançado. É acoplar esta à de Guedes, fazer um substitutivo e pronto. Guedes disse que, se a reforma for daquelas meia-boca, pede para sair. Mas é provável que se entenda bem com Appy e equipe, e se acertem.

Claro que, no meio da confusão do governo e de sua difícil relação com o Congresso, de repente tudo pode desandar. Quem tem tocado as reformas para a frente é o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, um primeiro-ministro informal. O líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo, brigou com ele. Mas os líderes do governo estão brigados entre si (e às vezes agem contra o governo de que são líderes). O governo perde todas, mas é assim que ganha.

Perder perdendo

Na manifestação de hoje, pode ocorrer tudo – inclusive nada. Mas é bom que Bolsonaro tome providências para aumentar sua popularidade: a última pesquisa XP (uma empresa de investimentos cujas pesquisas servem para orientar os investidores) aponta, pela primeira vez, que a avaliação ‘ruim ou péssimo’, 36%, supera a ‘ótimo ou bom’. 34%. Houve pequena queda da avaliação positiva, enquanto a negativa subia cinco pontos, embora a diferença esteja dentro da margem de erro (3,2 pontos percentuais).

Maus indícios

Outros indicadores, porém, mostram queda na popularidade do governo. O grupo que espera que daqui em diante o governo seja ótimo ou bom caiu de 51% para 47%. Só 4% consideram satisfatório o andamento da agenda de Bolsonaro no Congresso. As opiniões se dividem quanto à responsabilidade da lentidão: para 35%, a culpa é conjunta, do governo e do Congresso. Para 30%, a culpa é do Congresso. E só 20% põem a culpa apenas em Bolsonaro.

Parlamentarismo, não

O presidencialismo é de longe a forma de governo preferida: 70% dos entrevistados. E 18% acham que seria melhor adotar o parlamentarismo.

Os dias seguintes

No Congresso, já houve até reuniões de parlamentares importantes sobre “o que fazer com Bolsonaro”. No momento, nada: nem petistas nem olavetes querem tirá-lo, já que não toleram o vice Mourão. Não há clima para golpe nem quem tenha força para desfechá-lo. E, bem ou mal, com anarquia e tudo, as reformas vão andando – lentamente, com modificações, mas vão andando. Se passa uma boa reforma da Previdência (dessas que permitam ao País fazer economia de uns R$ 100 bilhões por ano), haverá melhora geral no ambiente econômico, com o provável aumento dos investimentos externos. Tradução: mais empregos e aceleração do ritmo da economia. Isso eleva a popularidade de qualquer presidente. Se a economia anda, o governo é bom. Ponto final.

Boa notícia

Anote na sua agenda: 30 de maio, quinta-feira que vem, é o Dia Livre de Impostos. Não que o governo deixe de morder o bolso dos cidadãos: mas um grupo de empresários, espalhado pelo País, vai vender seus produtos sem impostos – eles arcarão com os tributos. O objetivo é mostrar como os impostos pesados afetam a vida dos cidadãos. Num ranking de 30 países, o Brasil é o 14º em arrecadação de impostos, e o último em retorno dos gastos para a população. Até o momento, 821 lojas, dos mais variados setores, estão dispostas a vender parte de seus produtos sem os impostos. Os preços caem muito: o brasileiro trabalha 153 dias por ano, cinco meses, só para pagar impostos. Neste Dia sem Impostos, os descontos variam entre 10% e 70%. Há variação de preços conforme o Estado, já que os impostos variam. A lista dos participantes está em www.dialivredeimpostos.com.br

Esfriando os ânimos

O maior congresso latino-americano de sorvetes (Clash) se realiza em São Paulo, nos dias 12 e 13 de junho, no Centro de Convenções do Expo-Center Norte. A área, cerca de 8.000 empresas, com 75 mil empregados, movimenta algo como R$ 13 bilhões de reais por ano, no Brasil. O Clash pretende fazer uma ampla radiografia do setor, sob o tema Sorvete, Novos Tempos: Tendências, Conquistas e Transformações. O Clash funcionará das 9h às 17h30. Inscrições no site www.clash.net.br. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;