Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 20 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Como ficam o Brexit e o Reino Unido após a renúncia de Theresa May?

Reprodução / Theresa May Site Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Quem suceder May como líder do Partido Conservador terá que exigir um acordo do Brexit mais duro de Bruxelas, embora a UE tenha repetido que não retocará o Tratado de Retirada



24/05/2019 | 17:02


O final do governo da primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, vai inaugurar uma fase ainda mais turbulenta na desfiliação britânica da União Europeia, o Brexit, já que qualquer líder novo provavelmente tentará fechar um acordo de separação mais duro e pode haver uma eleição dentro de nove meses. O país deve acabar saindo com um acordo de transição mais suave, sair abruptamente sem um acordo ou até mesmo permanecer na UE. Outro adiamento é provável.

Boris Johnson, o garoto-propaganda da campanha oficial do Brexit em 2016 e favorito das casas de apostas para suceder May, quer um rompimento mais radical do que o proposto pela premiê. Outros candidatos fortes ao cargo são Sajid Javid, Michael Gove e Jeremy Hunt. O líder do opositor Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, quer implantar uma série de políticas socialistas clássicas. Ele votou contra a filiação à UE em 1975, apoiou a permanência no bloco com relutância em 2016 e só demonstrou apoio morno a um novo referendo.

1) Brexit sem acordo

Quem quer que suceda May como líder do Partido Conservador quase certamente terá que exigir um acordo do Brexit mais duro de Bruxelas, embora a UE tenha dito e repetido que não retocará o Tratado de Retirada. Isso significa um confronto de algum tipo com o bloco antes da data de saída, agendada para 31 de outubro. Alguns ministros querem acelerar os preparativos de uma saída sem acordo para fortalecer a posição do futuro premiê.

Este cenário, temido pelos círculos econômicos, significaria uma saída sem transição. As relações entre o Reino Unido e a UE seriam então regidas pelas regras da Organização Internacional do Comércio, com o país abandonando do dia para noite o mercado único e a união aduaneira.

Este é o pesadelo de muitas grandes empresas: ao privar a quinta maior economia do mundo de muitos relacionamentos comerciais estrangeiros de um golpe, um Brexit sem acordo deslocaria cadeias de suprimento por toda a Europa e além. O impacto político e social é incerto, mas, julgando pelo comportamento passado, os mercados financeiros se assustariam e a libra esterlina cairia.

2) Nova eleição no Reino Unido

A próxima eleição nacional britânica só deve ocorrer em 2022, mas há duas possibilidades de ela ser adiantada:

- Dois terços dos 650 parlamentares votarem a favor;

- Uma moção de desconfiança no governo ser aprovada por uma maioria simples de parlamentares e nenhum partido conseguir a confiança da Câmara dos Comuns em 14 dias.

O desfecho de uma eleição seria imprevisível, já que os dois maiores partidos estão perdendo apoio para siglas menores, como o Partido do Brexit, de Nigel Farage, os Liberal Democratas, o Partido Nacionalista Escocês e os Verdes.

Um governo de maioria conservadora provavelmente adotaria uma ruptura mais decisiva com a UE; um governo de maioria trabalhista tentaria nacionalizar várias empresas estratégicas; ou pode haver um governo de minoria ou de coalizão.

3) Sem Brexit

A partida iminente de May reiniciará o debate nacional sobre como exatamente sair da UE, mas também dará tempo para os oponentes da saída pressionarem por um novo referendo ou até pela revogação do Artigo 50, a notificação da separação.

Após passar anos dizendo que se opõe a outro referendo, a última aposta de May foi acenar com uma possível segunda votação e arranjos comerciais mais estreitos com o bloco.

Uma rota para uma nova consulta popular é uma vitória trabalhista em uma eleição - embora Corbyn tenha falado vagamente de um "referendo de confirmação", seu partido definitivamente quer uma segunda votação.

Outra via é o Parlamento: em um vácuo de poder, os parlamentares poderiam simplesmente votar a favor de uma, embora a proposta não tenha conseguido maioria em votações anteriores.

4) Novo Acordo

Qualquer novo primeiro-ministro achará extremamente difícil negociar um acordo inteiramente novo com um bloco remanescente cuja população é sete vezes maior do que a britânica, especialmente depois de May passar dois anos negociando seu pacto.

A UE está disposta a retrabalhar a Declaração Política sobre os laços bilaterais após o Brexit, mas não o Tratado de Retirada - a parte do pacto que é de aplicação obrigatória e que contém um arranjo para o chamado ''''''''''''''''backstop'''''''''''''''' da fronteira irlandesa que minou a proposta de May.

Bruxelas, contudo, já afirmou que o único acordo possível é o concluído com Theresa May. Para uma eventual renegociação, o Reino Unido poderia pedir à UE um novo adiamento, especialmente porque nem os parlamentares britânicos nem os europeus querem uma saída sem acordo.

Em abril, o presidente francês, Emmanuel Macron, desaconselhou uma prorrogação de um ano do Brexit dizendo ser arriscado demais para as instituições da UE, mas a chanceler alemã, Angela Merkel, vem tentando evitar um rompimento desordenado que certamente prejudicaria a economia europeia. (Com agências internacionais)



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Como ficam o Brexit e o Reino Unido após a renúncia de Theresa May?

Quem suceder May como líder do Partido Conservador terá que exigir um acordo do Brexit mais duro de Bruxelas, embora a UE tenha repetido que não retocará o Tratado de Retirada


24/05/2019 | 17:02


O final do governo da primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, vai inaugurar uma fase ainda mais turbulenta na desfiliação britânica da União Europeia, o Brexit, já que qualquer líder novo provavelmente tentará fechar um acordo de separação mais duro e pode haver uma eleição dentro de nove meses. O país deve acabar saindo com um acordo de transição mais suave, sair abruptamente sem um acordo ou até mesmo permanecer na UE. Outro adiamento é provável.

Boris Johnson, o garoto-propaganda da campanha oficial do Brexit em 2016 e favorito das casas de apostas para suceder May, quer um rompimento mais radical do que o proposto pela premiê. Outros candidatos fortes ao cargo são Sajid Javid, Michael Gove e Jeremy Hunt. O líder do opositor Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, quer implantar uma série de políticas socialistas clássicas. Ele votou contra a filiação à UE em 1975, apoiou a permanência no bloco com relutância em 2016 e só demonstrou apoio morno a um novo referendo.

1) Brexit sem acordo

Quem quer que suceda May como líder do Partido Conservador quase certamente terá que exigir um acordo do Brexit mais duro de Bruxelas, embora a UE tenha dito e repetido que não retocará o Tratado de Retirada. Isso significa um confronto de algum tipo com o bloco antes da data de saída, agendada para 31 de outubro. Alguns ministros querem acelerar os preparativos de uma saída sem acordo para fortalecer a posição do futuro premiê.

Este cenário, temido pelos círculos econômicos, significaria uma saída sem transição. As relações entre o Reino Unido e a UE seriam então regidas pelas regras da Organização Internacional do Comércio, com o país abandonando do dia para noite o mercado único e a união aduaneira.

Este é o pesadelo de muitas grandes empresas: ao privar a quinta maior economia do mundo de muitos relacionamentos comerciais estrangeiros de um golpe, um Brexit sem acordo deslocaria cadeias de suprimento por toda a Europa e além. O impacto político e social é incerto, mas, julgando pelo comportamento passado, os mercados financeiros se assustariam e a libra esterlina cairia.

2) Nova eleição no Reino Unido

A próxima eleição nacional britânica só deve ocorrer em 2022, mas há duas possibilidades de ela ser adiantada:

- Dois terços dos 650 parlamentares votarem a favor;

- Uma moção de desconfiança no governo ser aprovada por uma maioria simples de parlamentares e nenhum partido conseguir a confiança da Câmara dos Comuns em 14 dias.

O desfecho de uma eleição seria imprevisível, já que os dois maiores partidos estão perdendo apoio para siglas menores, como o Partido do Brexit, de Nigel Farage, os Liberal Democratas, o Partido Nacionalista Escocês e os Verdes.

Um governo de maioria conservadora provavelmente adotaria uma ruptura mais decisiva com a UE; um governo de maioria trabalhista tentaria nacionalizar várias empresas estratégicas; ou pode haver um governo de minoria ou de coalizão.

3) Sem Brexit

A partida iminente de May reiniciará o debate nacional sobre como exatamente sair da UE, mas também dará tempo para os oponentes da saída pressionarem por um novo referendo ou até pela revogação do Artigo 50, a notificação da separação.

Após passar anos dizendo que se opõe a outro referendo, a última aposta de May foi acenar com uma possível segunda votação e arranjos comerciais mais estreitos com o bloco.

Uma rota para uma nova consulta popular é uma vitória trabalhista em uma eleição - embora Corbyn tenha falado vagamente de um "referendo de confirmação", seu partido definitivamente quer uma segunda votação.

Outra via é o Parlamento: em um vácuo de poder, os parlamentares poderiam simplesmente votar a favor de uma, embora a proposta não tenha conseguido maioria em votações anteriores.

4) Novo Acordo

Qualquer novo primeiro-ministro achará extremamente difícil negociar um acordo inteiramente novo com um bloco remanescente cuja população é sete vezes maior do que a britânica, especialmente depois de May passar dois anos negociando seu pacto.

A UE está disposta a retrabalhar a Declaração Política sobre os laços bilaterais após o Brexit, mas não o Tratado de Retirada - a parte do pacto que é de aplicação obrigatória e que contém um arranjo para o chamado ''''''''''''''''backstop'''''''''''''''' da fronteira irlandesa que minou a proposta de May.

Bruxelas, contudo, já afirmou que o único acordo possível é o concluído com Theresa May. Para uma eventual renegociação, o Reino Unido poderia pedir à UE um novo adiamento, especialmente porque nem os parlamentares britânicos nem os europeus querem uma saída sem acordo.

Em abril, o presidente francês, Emmanuel Macron, desaconselhou uma prorrogação de um ano do Brexit dizendo ser arriscado demais para as instituições da UE, mas a chanceler alemã, Angela Merkel, vem tentando evitar um rompimento desordenado que certamente prejudicaria a economia europeia. (Com agências internacionais)

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;