Fechar
Publicidade

Domingo, 16 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Trump confirma que EUA vão enviar 1500 soldados ao Oriente Médio

Pixabay / banco de imagens Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


24/05/2019 | 16:17


O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou nesta sexta-feira, 24, que o país vai enviar cerca de 1.500 soldados adicionais ao Oriente Médio em um contexto de tensões crescentes com o Irã.

"Queremos ter proteção no Oriente Médio. Enviaremos um número relativamente pequeno de tropas, em sua maioria preventivas", afirmou o presidente americano aos repórteres ao deixar a Casa Branca para viajar ao Japão para uma visita oficial.

Pouco depois, Patrick Shanahan, secretário da Defesa em exercício, descreveu a medida como "uma resposta prudente a ameaças críveis do Irã".

Os soldados serão em grande parte de engenharia e de forças de defesa. O presidente chegou à decisão após uma reunião na quinta-feira, 23, na Casa Branca, com os principais assessores de segurança nacional. Ele concluiu que um pequeno aumento seria suficiente para enfrentar quaisquer ameaças adicionais de segurança na região vindas do Irã ou de forças apoiadas por eles.

O número de soldados enviados será bem menor do que havia sido cogitado nas últimas semanas. O Pentágono planejava apresentar uma opção para o envio de até 20.000 soldados para a região. Mas alguns oficiais do Departamento de Defesa consideraram tal movimento um risco às tropas americanas que estão na região, porque o movimento poderia dar aos adversários americanos um alvo ainda maior.

Congressistas críticos da medida, a maioria deles democratas, questionaram nesta semana autoridades do governo sobre as últimas tensões com o Irã foram causadas por Teerã ou Washington. O próprio Trump já se disse a favor de diminuir a presença militar americana na região, especialmente na Síria.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Trump confirma que EUA vão enviar 1500 soldados ao Oriente Médio


24/05/2019 | 16:17


O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou nesta sexta-feira, 24, que o país vai enviar cerca de 1.500 soldados adicionais ao Oriente Médio em um contexto de tensões crescentes com o Irã.

"Queremos ter proteção no Oriente Médio. Enviaremos um número relativamente pequeno de tropas, em sua maioria preventivas", afirmou o presidente americano aos repórteres ao deixar a Casa Branca para viajar ao Japão para uma visita oficial.

Pouco depois, Patrick Shanahan, secretário da Defesa em exercício, descreveu a medida como "uma resposta prudente a ameaças críveis do Irã".

Os soldados serão em grande parte de engenharia e de forças de defesa. O presidente chegou à decisão após uma reunião na quinta-feira, 23, na Casa Branca, com os principais assessores de segurança nacional. Ele concluiu que um pequeno aumento seria suficiente para enfrentar quaisquer ameaças adicionais de segurança na região vindas do Irã ou de forças apoiadas por eles.

O número de soldados enviados será bem menor do que havia sido cogitado nas últimas semanas. O Pentágono planejava apresentar uma opção para o envio de até 20.000 soldados para a região. Mas alguns oficiais do Departamento de Defesa consideraram tal movimento um risco às tropas americanas que estão na região, porque o movimento poderia dar aos adversários americanos um alvo ainda maior.

Congressistas críticos da medida, a maioria deles democratas, questionaram nesta semana autoridades do governo sobre as últimas tensões com o Irã foram causadas por Teerã ou Washington. O próprio Trump já se disse a favor de diminuir a presença militar americana na região, especialmente na Síria.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;