Fechar
Publicidade

Domingo, 20 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Público, privado e oculto


Do Diário do Grande ABC

23/05/2019 | 10:01


A equipe de reportagem deste Diário foi proibida ontem de acompanhar reunião do conselho superior da Aciscs (Associação Comercial e Industrial de São Caetano) na qual ocorreram eleição interna e também debate sobre o suposto desvio de R$ 1,2 milhão, que teria acontecido quando a entidade estava sob o comando de Walter Estevam Júnior.

O dinheiro foi repassado pela Prefeitura para a realização de campanha de Natal em 2016, mas a entidade não prestou contas de forma adequada e, dessa forma, o TCE (Tribunal de Contas do Estado) considerou irregular o contrato e orientou pela devolução dos valores aos cofres públicos. Fato divulgado por este jornal em abril.

Ontem, ao fechar as portas para a imprensa, a entidade no mínimo demonstrou falta de transparência. Ou nenhum desejo em colaborar para a elucidação dos fatos. A começar pelo atual presidente da Aciscs, Moacir Passador Junior, que barrou o acesso com a alegação de que se tratava de entidade privada e que, por isso, não permitiria a entrada.

Presidente, a associação que o senhor dirige pode até ser privada, mas o dinheiro em questão é público. Foi repassado pelo Poder Executivo, ou seja, pertence aos munícipes de São Caetano. Assim, o senhor não negou esclarecimentos ao Diário, mas sim aos moradores da cidade em que seus negócios e de todos os associados estão sediados.

A Aciscs, de acordo com o que mostra o TCE, foi pouco transparente no acerto de contas e permanece agindo de tal forma. O que não combina com uma instituição histórica, que atua no município desde fevereiro de 1938 e que tanto fez para o desenvolvimento do comércio e indústria da cidade.

A Aciscs reúne centenas de empresários éticos. Pessoas que devem se sentir incomodadas em ver a entidade que os reúne envolvida em tamanho escárnio. Senhores e senhoras que não compactuam com a falta de lisura demonstrada pelo presidente da época dos fatos nem com a truculência do atual. E que, certamente, se mobilizarão para limpar o bom nome da Aciscs. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Público, privado e oculto

Do Diário do Grande ABC

23/05/2019 | 10:01


A equipe de reportagem deste Diário foi proibida ontem de acompanhar reunião do conselho superior da Aciscs (Associação Comercial e Industrial de São Caetano) na qual ocorreram eleição interna e também debate sobre o suposto desvio de R$ 1,2 milhão, que teria acontecido quando a entidade estava sob o comando de Walter Estevam Júnior.

O dinheiro foi repassado pela Prefeitura para a realização de campanha de Natal em 2016, mas a entidade não prestou contas de forma adequada e, dessa forma, o TCE (Tribunal de Contas do Estado) considerou irregular o contrato e orientou pela devolução dos valores aos cofres públicos. Fato divulgado por este jornal em abril.

Ontem, ao fechar as portas para a imprensa, a entidade no mínimo demonstrou falta de transparência. Ou nenhum desejo em colaborar para a elucidação dos fatos. A começar pelo atual presidente da Aciscs, Moacir Passador Junior, que barrou o acesso com a alegação de que se tratava de entidade privada e que, por isso, não permitiria a entrada.

Presidente, a associação que o senhor dirige pode até ser privada, mas o dinheiro em questão é público. Foi repassado pelo Poder Executivo, ou seja, pertence aos munícipes de São Caetano. Assim, o senhor não negou esclarecimentos ao Diário, mas sim aos moradores da cidade em que seus negócios e de todos os associados estão sediados.

A Aciscs, de acordo com o que mostra o TCE, foi pouco transparente no acerto de contas e permanece agindo de tal forma. O que não combina com uma instituição histórica, que atua no município desde fevereiro de 1938 e que tanto fez para o desenvolvimento do comércio e indústria da cidade.

A Aciscs reúne centenas de empresários éticos. Pessoas que devem se sentir incomodadas em ver a entidade que os reúne envolvida em tamanho escárnio. Senhores e senhoras que não compactuam com a falta de lisura demonstrada pelo presidente da época dos fatos nem com a truculência do atual. E que, certamente, se mobilizarão para limpar o bom nome da Aciscs. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;