Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 18 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Presidente do PSG é alvo de investigação na França sobre corrupção

Reprodução Facebook Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


23/05/2019 | 08:51


O presidente do Paris Saint-Germain, Nasser Al-Khelaifi, está sendo investigado por corrupção como parte de uma apuração sobre supostas irregularidades no processo de definição das sedes das edições de 2017 e 2019 do Mundial de Atletismo, disse uma autoridade judicial nesta quinta-feira.

A autoridade disse à agência de notícias The Associated Press que a acusação preliminar de "corrupção ativa" foi feita contra o presidente do grupo de mídia beIN neste mês. A declaração foi dada sob condição de anonimato porque a pessoa não estava autorizada a falar da investigação publicamente. De acordo com a autoridade, Al-Khelaifi é suspeito de corrupção "em relação ao Mundial de Atletismo do Catar".

O diretor executivo do beIN, Yousef Al-Obaidly, também recebeu acusações preliminares de corrupção, enquanto Lamine Diack, ex-presidente da Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF, na sigla em inglês), é suspeito de "corrupção passiva" no mesmo caso.

De acordo com o advogado de Al-Obaidly, o caso se concentra em documentos que mostram que um ex-membro da IAAF recebeu dois pagamentos de US$ 3,5 milhões (aproximadamente R$ 14,1 milhões) de investidores do Catar antes da votação da sede do Mundial de 2017. O Catar acabou perdendo para Londres, mas depois foi premiado com o Mundial de 2019. O campeonato será realizados em Doha, de 27 de setembro a 6 de outubro.

Os dois pagamentos da Oryx Qatar Sports Investments, um fundo de investimento ligado ao governo do Catar, foram feitos para a Pamodzi Sports Marketing em outubro e novembro de 2011, dias antes da votação.

Os representantes da Al-Obaidly dizem que os pagamentos feitos pela Oryx ao agente nomeado pela IAAF foram transparentes e faziam parte do processo de definição da sede. A Oryx aceitou pagar US$ 32,5 milhões (R$ 131,3 milhões) pelos direitos comerciais do evento, incluindo os US$ 3,5 milhões pagos a Pamodzi como depósito não reembolsável. O valor total seria pago somente se a oferta do Catar tivesse sido bem-sucedida.

A Pamodzi foi fundada por um dos filhos de Diack, Papa Massata Diack. Ex-consultor de marketing da IAAF, ele foi banido pela acusação de ter extorquido em centenas de milhares de dólares de um maratonista russo para evitar a sua suspensão por doping antes da Olimpíada de 2012.

Em outro caso, autoridades brasileiras e francesas estão tentando descobrir se Lamine Diack e seu filho tiveram participação na organização do pagamento de supostos subornos para ajudar o Rio a obter o direito de sediar a Olimpíada de 2016. Diack, que dirigiu a IAAF de 1999 a 2015, também foi acusado de encobrir testes positivos de atletas russos em exames antidoping em troca de dinheiro.

Al-Khelaifi é membro do comitê executivo da Uefa, representando os clubes europeus, e está previsto para participar da reunião do órgão nesta quarta-feira em Baku, no Azerbaijão.

Ele foi selecionado como delegado pelos clubes e confirmado pelas federações filiadas à Uefa em fevereiro, apesar de ser alvo de processo criminal por suborno na Suíça desde 2017. O executivo de é suspeito de pagamento de suborno para ajudar a garantir os direitos de transmissão das Copas do Mundo de 2026 e 2030 no Oriente Médio para a beIN Sports.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Presidente do PSG é alvo de investigação na França sobre corrupção


23/05/2019 | 08:51


O presidente do Paris Saint-Germain, Nasser Al-Khelaifi, está sendo investigado por corrupção como parte de uma apuração sobre supostas irregularidades no processo de definição das sedes das edições de 2017 e 2019 do Mundial de Atletismo, disse uma autoridade judicial nesta quinta-feira.

A autoridade disse à agência de notícias The Associated Press que a acusação preliminar de "corrupção ativa" foi feita contra o presidente do grupo de mídia beIN neste mês. A declaração foi dada sob condição de anonimato porque a pessoa não estava autorizada a falar da investigação publicamente. De acordo com a autoridade, Al-Khelaifi é suspeito de corrupção "em relação ao Mundial de Atletismo do Catar".

O diretor executivo do beIN, Yousef Al-Obaidly, também recebeu acusações preliminares de corrupção, enquanto Lamine Diack, ex-presidente da Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF, na sigla em inglês), é suspeito de "corrupção passiva" no mesmo caso.

De acordo com o advogado de Al-Obaidly, o caso se concentra em documentos que mostram que um ex-membro da IAAF recebeu dois pagamentos de US$ 3,5 milhões (aproximadamente R$ 14,1 milhões) de investidores do Catar antes da votação da sede do Mundial de 2017. O Catar acabou perdendo para Londres, mas depois foi premiado com o Mundial de 2019. O campeonato será realizados em Doha, de 27 de setembro a 6 de outubro.

Os dois pagamentos da Oryx Qatar Sports Investments, um fundo de investimento ligado ao governo do Catar, foram feitos para a Pamodzi Sports Marketing em outubro e novembro de 2011, dias antes da votação.

Os representantes da Al-Obaidly dizem que os pagamentos feitos pela Oryx ao agente nomeado pela IAAF foram transparentes e faziam parte do processo de definição da sede. A Oryx aceitou pagar US$ 32,5 milhões (R$ 131,3 milhões) pelos direitos comerciais do evento, incluindo os US$ 3,5 milhões pagos a Pamodzi como depósito não reembolsável. O valor total seria pago somente se a oferta do Catar tivesse sido bem-sucedida.

A Pamodzi foi fundada por um dos filhos de Diack, Papa Massata Diack. Ex-consultor de marketing da IAAF, ele foi banido pela acusação de ter extorquido em centenas de milhares de dólares de um maratonista russo para evitar a sua suspensão por doping antes da Olimpíada de 2012.

Em outro caso, autoridades brasileiras e francesas estão tentando descobrir se Lamine Diack e seu filho tiveram participação na organização do pagamento de supostos subornos para ajudar o Rio a obter o direito de sediar a Olimpíada de 2016. Diack, que dirigiu a IAAF de 1999 a 2015, também foi acusado de encobrir testes positivos de atletas russos em exames antidoping em troca de dinheiro.

Al-Khelaifi é membro do comitê executivo da Uefa, representando os clubes europeus, e está previsto para participar da reunião do órgão nesta quarta-feira em Baku, no Azerbaijão.

Ele foi selecionado como delegado pelos clubes e confirmado pelas federações filiadas à Uefa em fevereiro, apesar de ser alvo de processo criminal por suborno na Suíça desde 2017. O executivo de é suspeito de pagamento de suborno para ajudar a garantir os direitos de transmissão das Copas do Mundo de 2026 e 2030 no Oriente Médio para a beIN Sports.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;